25 de Agosto de 2019




 

Texto Áureo

“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus.” (Ef 5.15,16)

Verdade Prática

Não se pode recuperar o tempo perdido; por isso, é indispensável aproveitar diligentemente o tempo que Deus nos concede.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Is 57.15 Deus habita na eternidade 

Terça – Jo 1.1,2 No princípio o Verbo estava com Deus 

Quarta – 2 Pe 3.8 Mil anos como um dia

Quinta – Ec 3.1 Há um tempo para todo o propósito 

Sexta – Os 10.12 É tempo de buscar ao Senhor 

Sábado – 2 Tm 4.2 Pregando a tempo e fora de tempo

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Eclesiastes 3.1-8

1 – Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: 

2 – há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; 

3 – tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar; 

4 – tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar;

5 – tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;

6 – tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora; 

7 – tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar;  

8 – tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz. 

HINOS SUGERIDOS: 208, 224, 484 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL

Conscientizar de que o tempo não pode ser desperdiçado, mas aproveitado diligentemente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS 

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos. 

1 Conceituar o tempo; 

2 Salientar a mordomia do tempo; 

3 Mostrar como aproveitar o tempo. 

 INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Não podemos jamais recuperar o tempo perdido. Sua perda traz-nos frustração, prejuízos e violação da boa disciplina e ordem da vida. Ao longo das Sagradas Escrituras, vemos que Deus valorizou o tempo na vida do seu povo. Não por acaso, na Lei, Ele orientou o povo a disponibilizar o tempo para o trabalho, para o descanso e para a família. Numa época em que muitos trabalham várias horas por dia, precisamos resgatar o conceito bíblico de tempo e procurar o máximo vivê-lo com diligência, de modo que o Senhor nosso Deus seja glorificado. Precisamos remir o tempo!

COMENTÁRIO

Segundo a Bíblia, a origem do tempo está na intervenção de Deus ao criar o planeta Terra e o ser humano. No plano original, o ser humano foi criado para viver infinitamente. Mas, após a Queda, ele perdeu o direito à imortalidade e passou a experimentar um relacionamento finito com o tempo, onde passado, presente e futuro trazem a dimensão temporal da vida terrena. Assim, o ser humano percebe que sua existência é efêmera. Portanto, nesta lição estudaremos o conceito de tempo, sua mordomia e proveito.

I – CONCEITOS IMPORTANTES 

  1. A palavra tempo. Tempo significa “série ininterrupta e eterna de instantes. Medida arbitrária da duração das coisas. Época determinada”. Ele “é a  duração dos fatos, é o que determina os momentos, os períodos, as épocas, as horas, os dias, as semanas, os séculos etc”. Nesse sentido, a palavra tempo pode ter significados variados, dependendo do contexto em que é empregada. O tempo também é sinônimo de época, período, prazo, tempo musical, tempo verbal etc. 

    2. O tempo na Bíblia e na Teologia. Deus criou o tempo. Ele o formou com o objetivo de estabelecer ciclos para suas obras criadas (Gn 1.14). Nesse aspecto, o homem também buscaria o seu Criador no tempo (At 17.26,27). Assim, sem a dimensão do tempo, o homem não compreenderia sua origem, começo, nem muito menos, o conceito de “eternidade”. A Bíblia emprega significados variados, sentidos reais e metafóricos, do tempo. Vejamos:

    2.1. No princípio – a eternidade. No Gênesis, o livro das origens de todas as coisas, o primeiro capítulo inicia dizendo: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1). No hebraico, a expressão “no princípio” é bereshit, “princípio de tudo”. A maioria dos estudiosos da Bíblia concorda que esse “princípio” é indefinido, pois é o “tempo de Deus”, ou o seu kairós. João 1.1,2 expressa esse mesmo princípio.

   2.2. Yom. A palavra hebraica que corresponde ao dia natural de 24 horas. Ou seja, cada dia da semana, do mês, do ano. É o dia a dia no qual Deus nos concede viver. A mordomia do tempo insere-se nesse tempo de Yom, o dia natural.

    2.3. Chronos. É o termo grego para “tempo”, que pode ser medido, contado e definido. Na teologia é considerado o “tempo do homem”, isto é, o tempo cronológico. Além de incluir o “dia” de 24 horas, também refere-se a semanas, meses, anos, décadas etc. É o tempo que pode ser medido, dividido, analisado ou estudado. Nesse sentido, o salmista escreveu: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio” (Sl 90.12,14).

    2.4. Kairós. É “o tempo de Deus”, que só pode ser definido por Ele mesmo. O apóstolo Pedro revelou que, para Deus, o tempo não pode ser avaliado com as mesmas categorias humanas de medição: “Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia” (2 Pe 3.8 – grifos meus). Jesus também ensinou que não se pode definir o tempo de Deus (Kairós): “E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (At 1.7).

SÍNTESE DO TÓPICO I 

O termo “tempo” remete-nos a duração das coisas, época determinada e sucessão de períodos. 

SUBSÍDIO DIDÁTICO- -PEDAGÓGICO

Uma das coisas mais importantes no processo ensino-aprendizagem é a didática do professor, ou da professora, isto é, a arte de transmitir o conteúdo específico aos alunos. Assim, a fim de expor o presente tópico, sugerimos que você reproduza o esquema abaixo, conforme a sua possibilidade. Exponha os conceitos bíblicos de tempo, em seguida, aplique-os com o auxílio do esquema.

                                                                yôm 

“A primeira ocorrência bíblica de yôm se encontra Gn 1.5: ‘E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã: o dia primeiro.”

                                                      chronos; kairos

“Cristo usou essas duas palavras quando disse aos seus discípulos: ‘Não vos pertence saber os tempos [chronous] ou as estações [kairous]’ (At 1.7), e parece que estava fazendo a distinção entre períodos de tempo, com a Era da Igreja e o Milênio, e ocasiões pontuais, como seu retorno e o dia do juízo.”




 

II – A MORDOMIA DO TEMPO 

    1. Remindo o tempo. O tempo é o único bem que não podemos recuperar. Por isso, a Palavra de Deus exorta-nos: “Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus” (Ef 5.15,16). Segundo o relatório “2018 Global Digital”, o Brasil está entre os três países do mundo em que a população passa, em média, mais de nove horas do dia navegando na Internet. É um dos dois únicos países onde o tempo médio diário, gasto nas redes sociais, supera as três horas e meia, portanto, bem acima da média mundial. Remir o tempo significa não desperdiçá-lo.

       2. Contar o tempo. O salmista escreveu: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio” (Sl 90.12). Será possível contar os dias? Entender que são limitados, finitos e terrenos é conscientizar-se do nosso limite humano. Não somos, pois, seres infinitos. Nosso Senhor declarou assim: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal” (Mt 6.34). Aprendamos, pois, contar o tempo que Deus nos deu!

       3. A prestação de contas. Um dia nos apresentaremos diante de Deus, a fim de prestar contas dos bens espirituais e materiais que Ele nos concedeu. Tudo o que administramos com relação ao nosso corpo – as faculdades físicas e emocionais –, daremos conta a Deus. Sim, o Criador nos cobrará acerca do que fizemos com o nosso tempo.

      SÍNTESE DO TÓPICO II 

A mordomia do tempo envolve o seu proveito diligente e a prestação de contas a Deus pelo uso.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

     “TEMPO E TEMPO

Deus nos deu o tempo. Ele não vive no tempo. O tempo é nosso, da humanidade. É um dom de Deus a cada ser humano. Ora, se o tempo é um dom que Deus nos concedeu, concluímos que, como dom, devemos saber como administrá-lo. Deus nos cobra por tudo que fazemos de errado, inclusive a má administração do nosso tempo. Por isso o apóstolo Paulo disse: ‘Remindo o tempo porquanto os dias são maus’.

    Existem muitas pessoas as quais pensam que o tempo é de Deus. De certa forma, estão certas. Quem criou esta dimensão e nos colocou nela foi Deus. Mas Deus fez o tempo para nós. O tempo é nosso. O tempo é dádiva, é próprio da humanidade. Ela deve saber como aproveitá-lo, como usufruir dele o máximo que puder, sem erros; se não desvalorizará as suas próprias almas.

     Pensemos nisso um pouco mais e no sentido da individualidade” (DANIEL, Silas. Reflexões sobre a Alma e o Tempo: Uma teologia de chrónos e kairós. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.124). 

III – COMO APROVEITAR BEM O TEMPO 

  1. Use o tempo para Deus. O crente e, especialmente, os obreiros, precisam reservar tempo para Deus. São momentos da vida devocional diária, oração e estudo Palavra, que não podem faltar em nossa vida piedosa. 

   1.1. Na oração. Na Bíblia, os homens de Deus que se destacaram na vida devocional sempre deram valor à oração. (a) Davi e Daniel oravam três vezes ao dia (Sl 55.16,17; Dn 6.10,11); (b) Jesus orava diariamente (Mt 26.41- 44). Ou seja, o ensino acerca de uma vida vigorosa de oração permeia as Escrituras.

    1.2. Na leitura da Palavra. A Bíblia declara que Davi tinha prazer em ler a Palavra de Deus (Sl 119.97) e escondê-la em seu coração (Sl 119.11). Todo crente que ama a Deus tem prazer em meditar na palavra divina. O obreiro do Senhor precisa ler e estudar a Bíblia diariamente para a edificação pessoal, bem como o preparo na doutrina, ensino, exortação, orientação e advertências a Igreja de Cristo.

    2. Use o tempo para você mesmo. O apóstolo Paulo exortou a Timóteo a cuidar de si mesmo em primeiro lugar (1 Tm 4.16). O apóstolo João desejou ao destinatário de sua terceira carta que tudo fosse bem em toda as coisas (3 Jo 1.2). Assim, além de cuidar da vida espiritual, a Palavra de Deus mostra que é importante cuidar da parte emocional, buscando o equilíbrio interior, que tanto beneficia a mente e o corpo.

     3. Use tempo para sua família. Há líderes que têm tempo para a igreja, para viagens, seminários, conferências e convenções, mas deixam sua família em segundo ou terceiro planos. Há casos de casamentos destruídos por falta de valorização do cônjuge para com a sua família. Ora, não podemos deixar de priorizá-la.

     Um dos recursos necessários para a edificação de sua família é o culto doméstico (Dt 6.7; 11.19). Pense nisso! Que o conselho de Paulo possa calar fundo em nossa alma: “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus e principalmente dos da sua família, negou a fé e é pior do que o infiel” (1 Tm 5.8).

SÍNTESE DO TÓPICO III 

O nosso tempo deve ser direcionado a Deus, a você mesmo e sua família.  

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

“APROVEITE CORRETAMENTE O SEU TEMPO

     […] Quando o tempo é bem aproveitado, ele se torna satisfatoriamente extenso para os que o achavam curto por ser veloz e prazerosamente veloz para quem não gostava dele por achá-lo extenso.

   Uma indagação interessante e oportuna seria: ‘Como aproveitar bem o meu tempo?’ A resposta óbvia seria: fazendo o que gosto e o que me faça progredir.

    Fazer o que não gostamos é ruim demais. Quando faço o que não gosto, faço malfeito e perco o meu tempo, angustio a vida. Todavia, se doso bem o tempo medido com o tempo vivido, e este último é vivenciado intensamente no que gosto de fazer, tudo se encontra no seu devido lugar e não há mais insatisfação.

    Existe ainda uma contraposição: não é verdadeira a afirmativa de que há coisas que fazemos e devemos fazer mesmo sem gostar? Sim, por causa da necessidade. Primeiro a obrigação (no sentido de dever, mesmo que sem prazer); depois os trabalhos que eu gosto de fazer (dever com prazer ou coisas que são boas para mim, mesmo que não sejam tão imprescindíveis) e, por fim, o lazer. Quando não seguimos essa regra, a relação entre tempo medido e tempo vivido não é satisfatória” (DANIEL, Silas. Reflexões sobre a Alma e o Tempo: Uma teologia de chrónos e kairós. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.134).




 

CONCLUSÃO 

Após a Queda, o homem passou a experimentar as agruras e os pesares da ação do tempo. Veio a envelhecer, enfermar-se e, finalmente, morrer. Mas, agora, em Cristo, somos exortados a remir o tempo, aproveitando-o de modo a glorificar a Deus e a honrá-lo enquanto estivermos na Terra, com os nossos olhos voltados para “Sião”. Ali, junto ao Pai Celeste e ao Cordeiro, desfrutaremos plenamente da vida eterna. A morte não terá poder sobre nós.

PARA REFLETIR

A respeito de “A Mordomia do Tempo”, responda: 

• Qual é o significado do tempo chronos? 

É o tempo que pode ser medido, contado e definido. 

• Qual é o significado do tempo designado Kairós? 

É “o tempo de Deus”, que só pode ser definido por Ele mesmo. 

• O que é remir o tempo, segundo a lição? 

Remir o tempo significa não desperdiçá-lo. 

• Quantas vezes Davi e Daniel oravam por dia? 

Três vezes. 

• Qual foi exortação de Paulo a Timóteo? 

O apóstolo Paulo exortou a Timóteo a cuidar de si mesmo em primeiro lugar (1 Tm 4.16).

CONSULTE

Revista Ensinador Cristão – CPAD, nº 79, p.40. Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos.

Fonte:cpad

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *