Evangelhos Apócrifos

Livro dos Segredos de Enoque

Capítulo 1
HAVIA UM SÁBIO, um grande artífice, e o Senhor dedicou-lhe seu
amor e o recebeu, a ponto de fazê-lo testemunhar as mais altas moradas
dos maiores e mais sábios e imutáveis reinos do Todo-Poderoso, das mais
maravilhosas, gloriosas e brilhantes estações de muitos olhos dos
servidores do Senhor, e o inacessível trono do Senhor; e os graus e
manifestações e hostes incorpóreas e o inefável ministério e a multidão de
elementos, e as várias aparições e o canto indizível das hostes dos
Querubins, e a luz infinita.
2 Naquele tempo, disse ele, quando completei cento e sessenta e cinco
1
anos, gerei meu filho Matusalém.
3 Depois disso, vivi duzentos anos e, ao todo, minha vida foi de
trezentos e sessenta e cinco anos.
4 No primeiro dia do primeiro mês, estava eu sozinho em minha casa
descansando no meu leito, quando adormeci.
5 E quando estava adormecido, uma grande tristeza tomou conta de
meu coração e chorei durante o sono, e não podia entender que tristeza era
aquela, ou o que iria acontecer-me.
6 E então me apareceram dois homens, extraordinariamente grandes,
como eu nunca vira antes na terra; suas faces resplandeciam como sol e os
seus olhos eram como uma chama, e de seus lábios saía um canto e um
fogo, variados, cor violeta na aparência; suas asas eram mais brilhantes
que o ouro, suas mãos, mais brancas que a neve.
7 Eles estavam em pé, na cabeceira de meu leito, e puseram-se a
chamar-me pelo nome.
8 Acordei e vi claramente aqueles dois homens, de pé, minha frente.
9 E saudei-os e fui tomado de medo, e meu semblante transformou-se
pelo terror, e homens disseram:
10 “Tem coragem, Enoque não temas; o Deus eterno nos mandou a ti e,
vê! tu hoje deverás subir aos céus conosco, e deverás dizer a teus filhos e
aos da tua família tudo o que deverão fazer na casa durante tua ausência
na terra, e não os deixes procurar-te até que o Senhor te devolva a eles.”
11 E não me demorei em obedecê-los e saí de minha casa, como me foi
ordenado, chamei meus filhos Matusalém e Regim e Gaidad e contei-lhe
todas as maravilhas que me haviam dito aqueles homens.
Capítulo 2
A instrução: de como Enoque instruiu seus filhos.
Ouvi-me, meus filhos, não sei aonde vou, ou o que será de mim;
entretanto, digo-vos: não vos desvieis de Deus para os vaidosos, que não
criaram o Céu e a terra, pois que perecerão junto com os que os adoram, e
que o Senhor vos torne confiantes em vosso coração, no temor a Ele. E
agora, meus filhos, não deixeis que pensem em me buscar, até que O
Senhor me devolva a vós”.
Capítulo 3
Da assunção de Enoque:
2
de como os anjos o levaram ao primeiro céu.
Aconteceu que, depois de Enoque ter falado com os filhos, os anjos o
levaram em suas asas ao primeiro céu, e o puseram nas nuvens. E aí eu
olhei, e olhei outra vez mais para o alto e vi o éter, e eles me puseram no
primeiro céu e me mostraram um grande mar maior que o mar da terra.
Capítulo 4
De como os anjos dirigem as estrelas.
Trouxeram até mim os anciãos e os dirigentes das ordens estelares, e
mostraram-me duzentos anjos que dirigiam as estrelas e suas funções nos
céus, e voaram com suas asas e apareceram todos que navegam.
Capítulo 5
De como os anjos mantêm os depósitos de neve.
E aí olhei para baixo e vi as tesourarias da neve, e os anjos que mantêm
seus terríveis depósitos, e vi as nuvens que dali saem e para onde vão elas.
Capítulo 6
O orvalho e o azeite e várias flores.
Eles me mostraram a tesouraria do orvalho, tal qual azeite de oliva, e a
sua forma, assim como todas as flores da terra; além disso, os muitos
anjos que guardavam a tesouraria dessas coisas, e como fazem para abrir e
fechar.
Capítulo 7
De como Enoque foi levado para o segundo céu.
1 E aqueles homens me tomaram e me conduziram ao segundo céu, e
me mostraram as trevas, mais escuras que as da terra, e eu vi prisioneiros
atados, vigiados, que aguardavam o grande e infinito julgamento, e esses
anjos eram escuros, mais escuros que a escuridão da terra, e os faziam
chorar incessantemente, o tempo todo.
2 E eu disse aos homens que estavam comigo: “Por que motivo estão
eles sendo torturados sem parar?” Eles me responderam: “Estes são os
infiéis a Deus, que não obedeceram aos mandamentos de Deus, mas que
se aconselharam segundo sua própria vontade, e se foram com seu
príncipe que também está acorrentado no quinto céu”.
3 Senti muita pena deles, e eles me saudaram e me disseram: “Homem
de Deus, ora por nós ao Senhor”. E eu lhes respondi: “Quem sou eu, um
mortal, para que possa orar aos anjos? Quem sabe para onde vou e o que
3
será de mim? Ou quem rezará por mim?”
Capítulo 8
1 E aqueles homens me tomaram, então, e me conduziram ao terceiro
céu, e lá me puseram: e olhei para baixo e vi os produtos daquele lugar,
que jamais foram conhecidos.
2 E vi as mais doces árvores floridas e olhei seus frutos e os alimentos
que produziam, e todos exalavam as mais doces fragrâncias.
3 E no meio daquelas árvores, a da vida, naquele lugar onde Deus
descansa quando vai para o paraíso; e essa árvore é de uma qualidade e
fragrância inefáveis, e mais adornada do que qualquer coisa que existe; e
de todos os lados é como o ouro e o cinabre e o fogo, e ela tudo cobre e há
proveito de todos os frutos.
4 Sua raiz está no jardim no fim da terra.
5 E o paraíso está entre corruptibilidade e a incorruptibilidade.
6 E de suas fontes brotam mel e leite, e de seus jorros saem óleo e
vinho, e eles se separam em quatro partes e vão dar no Paraíso Do Éden,
entre a corruptibilidade e a incorruptibilidade.
7 E dali elas vão à terra sofrem uma revolução em seu círculo,
transformando-se até em outros elementos.
8 E aqui não há árvore; sem frutos, e todo o lugar e abençoado.
9 E há trezentos anjos muito brilhantes que guardam o jardim, e com
um incessante, doce canto, e com vozes que nunca silenciam, servem o
Senhor todas as horas e todos o dias.
10 E eu disse: “Quão doce é este lugar!” E aqueles homem me
disseram:
Capítulo 9
De como mostraram a Enoque o lugar dos justos e dos mansos.
“Este lugar, ó Enoque, é preparado para os justos, o que se abstêm de
todas as formas das ofensas que vêm daqueles que exasperam sua alma,
que preservam seus olho da iniqüidade e que fazem julgamentos justos,
que levam pão aos famintos e cobrem de vestes os nus e levantam os que
caíram, que ajudam os órfãos e que andam sem mácula diante do Senhor,
e somente a Ele servem. E para estes é preparado este lugar de herança
eterna.”
Capítulo 10
4
Aqui eles mostraram a Enoque o lugar terrível e as várias torturas.
1 E aqueles dois homens me tomaram e me conduziram ao Norte, e me
mostraram um lugar terrível onde havia todas as maneiras de torturas:
trevas e escuridão sufocantes, nenhuma luz havia lá, mas um fogo escuro
constantemente ardia no alto. E havia um rio de fogo que corria, e por
todo o lugar havia fogo, e por todo lugar havia geada e gelo, sede e
tremores, enquanto que as penas eram muito cruéis. Os anjos temíveis e
impiedosos portavam armas terríveis e infligiram torturas tenebrosas, e eu
disse:
2 “Ai, ai, quão terrível é este lugar!”
3 E aqueles homens me disseram: “Este lugar, ó Enoque, é preparado
para os que desonram Deus, que na terra praticam o pecado contra a
natureza, que corrompem a criança pela sodomia, feitiçaria demoníaca e
encantamentos. E aqueles que apregoam seus feitos maldosos, roubo,
mentiras, calúnias, inveja, rancor, fornicação, assassinato, e aqueles que,
amaldiçoados, roubam as almas dos homens, que, vendo os pobres, tiramlhes seus bens; aqueles que, sendo capazes de satisfazer o vazio,deixam os
famintos morrer à míngua. sendo capazes de vestir, despem os nus; e
aqueles que não conheceram seu criador, e curvaram a cabeça para deuses
sem vida, que não podem nem ver nem ouvir, deuses vaidosos, que
também moldaram imagens com muito esforço e curvaram-se a obras
imundas; para todos estes é preparado este lugar, em meio aos outros
lugares, para a herança eterna.”
Capítulo 11
Aqui tomaram Enoque e o levaram ao quarto céu, onde está o curso do
sol e da lua.
1 Aqueles homens me tomaram e conduziram-me ao quarto céu e me
mostraram os sucessivos acontecimentos, e todos os raios da luz do sol e
da lua.
2 E eu medi seus movimentos e comparei suas luzes, e vi que a do sol é
maior que a da lua.
3 Seu ciclo e suas órbitas, nos quais eles sempre se movimentam, como
um vento de uma velocidade maravilhosa, e o dia e a noite têm um rápido
trânsito.
4 Sua passagem e seu retorno são acompanhados por quatro grandes
5
estrelas, e cada estrela tem sob seu controle mil outras estrelas, à direita
da órbita do sol, e quatro à esquerda, cada uma tendo o controle de mil
estrelas, ao todo oito mil, seguindo continuamente com o sol.
5 E de dia, quinze miríades de anjos o assistem e à noite, mil.
6 E seis alados seguem com os anjos diante da órbita do sol em suas
chamas flamejantes, e cem anjos acendem o sol.
Capítulo 12
Os muitos e magníficos elementos do sol.
1 E eu olhei e vi outros elementos voadores do sol, cujos nomes são
Fênix e Chalkydri, maravilhosos e magníficos, com pés e caudas na forma
de leão, cabeça de crocodilo, e sua aparência escarlate é como o arco-íris;
seu tamanho é de novecentas medidas, suas asas são como as dos anjos,
cada um tem doze, e atendem e acompanham o sol dando calor e orvalho
tal como lhes foi ordenado por Deus.
2 Assim, o sol gira e vai, e levanta sob a terra, e seu curso vai embaixo
da terra com a luz incessante de seus raios.
Capítulo 13
1 Os anjos tomam Enoque e o põem no leste, nos portais do sol.
Estes homens levaram-me para o leste e me puseram nos portais do sol,
para onde o sol se dirige de acordo com a regulamentação das estações e
do circuito dos meses do ano todo, e o número de horas do dia e da noite.
2 E vi seis portões abertos, cada um com sessenta e um estádios e um
quarto de um estádio, e eu realmente o medi, e entendi o porquê desse
tamanho tão grande, através do qual o sol se dirige para o oeste, equilibrase e se levanta durante todos os meses e torna a voltar aos seis portões de
acordo com a sucessão das estações; assim o período de um ano completo
termina depois da volta das quatro estações.
Capítulo 14
Levaram Enoque para o oeste.
1 E outra vez aqueles homens conduziram-me às paragens do oeste e
me mostraram seis grandes portões, que correspondem aos portões do
leste, lado oposto onde o sol se põe de acordo com o número de dias,
trezentos e sessenta e cinco e um quarto.
2 Assim, outra vez eleva vai para os portões do oeste e retire sua luz, a
grandiosidade de seu brilho, e vai para baixo da terra e enquanto a coroa
6
de seu brilho está no céu com o Senhor guardada por quatrocentos anjos,
o sol gira em sua órbita de baixo da terra, e fica sete horas da noite, e
passa metade de seu curso debaixo da terra, quando então vem do lado
leste na oitava hora da noite, traz sua luz, a coroa do brilho e o sol ardem
em chamas mais que o fogo.
Capítulo 15
Os elementos do sol, as Fênix e Chalkydri irromperam em uma canção.
1 Então os elementos do sol, chamados Fênix e Chalkydri, irromperam
em um canção; conseqüentemente, cada pássaro bateu suas asas,
rejubilando-se por aquele que dá a luz, e irromperam em um cântico ao
comando do Senhor.
2 O que dá a luz vem para dar claridade ao mundo todo, e a sentinela da
manhã toma forma, que são os raios do sol, e o sol dá terra nasce, e ela
recebe o brilho que a ilumina toda, e eles me mostraram os cálculos do
caminho do sol.
3 E os portões nos quais ele entra, estes são os grandes portões do
cômputo das horas do ano; por essa razão o sol é uma grande criação,
cujos circuitos duram vinte e oito anos, para recomeçar do início.
Capítulo 16
Tomaram Enoque outra vez e o puseram ao leste, no curso da lua.
1 Aqueles homens mostraram-me outro curso, o da lua; doze grandes
portões, coroados de oeste a leste, pelo qual a lua vai e vem nos tempos
usuais.
2 Ela entra no primeiro portão do lado oeste do sol, pelo primeiro
portão com trinta e um dias exatamente, pelo segundo portão com trinta e
um dias exatamente, pelo terceiro com trinta e um dias exatamente, pelo
quarto com trinta e um dias exatamente, pelo quinto com trinta e um dias
exatamente, pelo sexto com trinta e um dias exatamente, pelo sétimo com
trinta e um dias exatamente, pelo oitavo com trinta e um dias exatamente,
pelo nono com trinta e um dias exatamente, pelo décimo com trinta e um
dias exatamente, pelo décimo primeiro com trinta e um dias exatamente,
pelo décimo segundo com vinte e oito dias exatamente.
3 E ela vai através do portão do oeste na ordem e número do leste, e
cumpre os trezentos e sessenta e cinco dias e um quarto do ano solar,
enquanto que o ano lunar tem trezentos e cinqüenta e quatro dias, e ficam7
lhe faltando doze dias do ciclo solar, que são as fases lunares de um ano.
4 Assim, também, o grande ciclo tem quinhentos e trinta e dois anos.
5 O quarto de um dia é omitido por três anos, e o quarto ano o completa
exatamente.
6 Por isso, eles são tirados do céu por três anos e não são adicionados
ao número dos dias porque eles acrescentariam dois novos meses a um
ano, no sentido de complementação, e tirariam outros dois, no sentido de
diminuição.
7 E quando os portões do oeste terminam, ela volta e vai ao leste para a
luz, e vai desse modo pelos ciclos celestes dia e noite, mais baixo que
todos os ciclos, mais rápido que os ventos dos céus, e espíritos e
elementos e anjos voando; cada anjo tem seis asas.
Capítulo 17
Dos cânticos dos anjos, que é impossível descrever.
No meio dos céus eu vi soldados armados, servindo o Senhor, com
tímpanos e órgãos, com vozes incessantes, com doces vozes, com doces e
incessantes vozes e vários cânticos, que é impossível de descrever, e que
assombra qualquer inteligência, de tão magnífico e maravilhoso que é o
cântico daqueles anjos, e eu estava encantado ouvindo-o.
Capítulo 18
De como Enoque foi levado ao quinto céu.
1 Os homens levaram-me ao quinto céu e lá me puseram, e vi muitos e
incontáveis soldados, chamados Grigori, de aparência humana, e eram
maiores que os maiores gigantes e suas faces eram sem viço e o silêncio
de suas bocas, perpétuo, e não havia qualquer serviço no quinto céu, e eu
disse aos homens que estavam comigo:
2 “Por que eles são tão sem viço e suas faces melancólicas, suas bocas
silenciosas, e por que não há serviço neste céu?”
3 Eles me disseram: “Estes são os Grigori, que com seu príncipe
Satanail rejeitaram o Senhor da Luz, e atrás deles estão os que são
mantidos nas grandes trevas do segundo céu, e três deles foram para a
terra vindos do trono do Senhor, para o Ermon, e quebraram seus votos
nas encostas da colina do Ermon e viram como eram bonitas as filhas dos
homens e tomaram-nas por esposas e sujaram o mundo com suas obras, e
durante todo o tempo de sua estada cometeram ilegalidade e
8
promiscuidade, e nasceram gigantes e impressionantes homens grandes e
grandes inimizades.
4 E por isso Deus julgou-os com um grande julgamento e eles choraram
por seus irmãos e serão punidos no grande dia do Senhor.
5 E eu disse aos Grigori: “Eu vi vossos irmãos e suas obras e seus
grandes tormentos, e rezei por eles, mas o Senhor condenou-os a estar
embaixo da terra até o céu e a terra se acabarem”.
6 E eu disse: “Por que razão esperais, irmãos, e não servis diante da
face do Senhor e por que não pusestes vossos serviços diante da face do
Senhor, para que o Senhor não se enraivecesse tanto?”
7 E eles ouviram minhas admoestações e falaram para as quatro ordens
do céu, e vede! enquanto eu estava com esse dois homens, quatro
trombetas soaram juntas bem alto, e os Grigori irromperam em um
cântico uníssono, e suas vozes foram até o Senhor cheias de piedade e
afeição.
Capítulo 19
De como Enoque foi levado ao sexto céu.
1 E então aqueles homem tomaram-me e me puseram no sexto céu, e lá
vi sete grupos de anjos, muito brilhantes e gloriosos, e suas faces
brilhavam mais que o sol resplandecendo e não havia diferenças em sua
faces, comportamento ou maneira de vestir-se; e eles fazem as ordens e
aprendem o movimento das estrelas, a alteração da lua ou a revolução do
sol e o bom governo do mundo.
2 E, quando eles vêem coisas ruins, fazem os mandamentos e dão
instruções e cânticos doces e altos, e todos são cânticos de louvor.
3 Esses são os arcanjos, que estão acima dos anjos, e eles avaliam toda
a vida no céu e na terra e os anjos que estão designados para as estações
do ano, os anjos que cuidam dos rios e dos mares, e os que cuidam dos
frutos da terra, e os que cuidam de toda a vegetação, dando comida para
todos, e os anjos que anotam todas as almas dos homens e todos os seus
feitos e todas as suas vidas diante da face do Senhor; em meio deles estão
seis Fênix e seis querubins e seis com seis asas, continuamente com uma
voz cantante, e não é possível descrever seus cânticos e seu júbilo diante
do Senhor, aos pés do Senhor.
Capítulo 20
9
Então levaram Enoque para o sétimo céu.
1 E aqueles dois homens levaram-me até o sétimo céu, e lá vi uma
grande luz e as flamejantes hostes dos grandes arcanjos, milícias
incorpóreas, e dominações, ordens e governos, querubins e serafins,
tronos e alguns de muitos olhos, nove regimentos, as estações de luz
Ioanitas, e tive medo, e comecei a tremer com grande terror, e aqueles
homens tomaram-me e me conduziram e me disseram:
2 “Tem coragem, Enoque, não temas”, e mostraram-me o Senhor ao
longe, sentado em seu trono muito alto. Pois o que haverá no décimo céu,
se o Senhor aqui habita?
3 No décimo céu está Deus, na língua hebraica ele é chamado Aravat:
4 E todas as hostes celestes viriam e ficariam nos dez degraus, de
acordo com sua posição, e se curvariam ao Senhor e novamente voltariam
aos seus lugares em alegria e felicidade, entoando cânticos na luz
ilimitada com vozes suaves, servindo-o com glória.
Capítulo 21
De como os anjos deixaram Enoque ali no fim do sétimo céu e se
foram.
1 E os querubins e serafins que estavam perto do trono, os de seis asas e
muitos olhos não se afastaram da face do Senhor, fazendo sua vontade e
rodeando seu trono, cantando com doces vozes diante da face do Senhor:
“Santo, Santo, Santo, Senhor Soberano de Sabaoth, céus e terra estão
pleitos de tua glória”.
2 Quando vi essas coisas, aqueles homens disseram-me: “Enoque, foinos ordenado que viajássemos até aqui contigo”, e esses homens se foram
e não mais os vi.
3 E fiquei só no fim do sétimo céu e fiquei com medo e caí de face no
chão e disse a mim mesmo: “Ai de mim, que será de mim?”
4 E o Senhor enviou-me um de seus gloriosos, o arcanjo Gabriel, e ele
me disse: “Tem coragem, Enoque, não temas, levanta-te diante da face do
Senhor na eternidade, levanta-te e vem comigo”.
5 E eu lhe respondi e disse para mim mesmo: “Meu Senhor, minh’alma
saiu de mim pelo terror e pelos tremores”, e chamei pelos homens que me
haviam conduzido a esse lugar, eu havia confiado neles, e com eles estive
diante da face do Senhor.
10
6 E Gabriel pegou-me como a uma folha que é apanhada pelo vento e
colocou-me diante da face do Senhor.
7 E eu vi o oitavo céu, que é chamado na língua hebraica de Muzaloth,
o que muda as estações, a seca e a umidade e os doze signos do zodíaco,
que estão acima do sétimo céu.
8 E eu vi o nono céu, que é chamado em hebraico Kuchavim, onde
estão as casas celestes dos doze signos do zodíaco.
Capítulo 22
1 No décimo céu, Aravoth, vi como era a face do Senhor, como o ferro
que arde no fogo e que, ao sair, emite faíscas e queima.
2 Assim vi a face do Senhor, mas a face do Senhor é inefável,
maravilhosa e muito sublime e muito terrível.
3 E quem sou eu para falar sobre o inexprimível ser do Senhor e sua
magnificente face? E não posso contar a quantidade de suas muitas
instruções e várias vozes, o trono do Senhor muito grande, que não foi
feito por mãos, nem a quantidade daqueles que o rodeiam hostes de
querubins e serafins nem seus cantos incessantes nem sua imutável
beleza, e quem pode falar da grandiosidade de sua glória?
4 E devo inclinar-me e reverenciar o Senhor, e o Senhor com seus
lábios, disse-me:
5 “Tem coragem, Enoque não temas, levanta-te diante de minha face na
eternidade”.
6 O arquigeneral Miguel levantou-se e conduziu-me diante da face do
Senhor.
7 E o Senhor disse aos seus servos pondo-os à prova: “Deixa que
Enoque se ponha diante de minha face na eternidade”, e oi gloriosos
curvaram-se ante o Senhor e disseram: “Que Enoque vai segundo tua
palavra”.
8 E o Senhor disse a Miguel: “Vai e despoja Enoque de suas vestes
terrestres e ungem com meu doce bálsamo, e veste o com os vestidos de
minha glória”.
9 E Miguel assim o fez, tal qual o Senhor lhe ordenara. Ele me ungiu,
vestiu-me, e o aspecto daquele bálsamo é mais que a grande luz, é como o
doce orvalho e seu perfume, suave brilhante como um raio de sol e olhei
para mim mesmo, e eu estava como seus gloriosos.
11
10 E o Senhor convocou um de seus arcanjos chamado Pravuil, mais
forte em sabedoria do que qualquer outro arcanjo, que escrevera todas a
obras, do Senhor, e o Senhor disse a Pravuil:
11 “Traz aqueles livros de meus depósitos e uma pena de escrita rápida,
e dá-os a Enoque e incumbe-o da escolha dos livros.”
Capítulo 23
De como Enoque escreveu, como ele escreveu sua maravilhosa jornada
e as aparições celestiais, e ele escreveu trezentos e sessenta e seis livros.
1 E ele me falava sobre todas as obras do céu, terra e mar, e todos os
elementos, suas passagens e cursos, e o tremendo ruído do trovão, o sol e
a lua, os cursos e as mudanças das estrelas, das estações, anos, dias e
horas, de como se formam os ventos, o número dos anjos e a formação de
seus cânticos, e todas as coisas humanas, a língua de cada cântico e vida
humana, os mandamentos, instruções, e os doces cânticos, e todas as
coisas que são feitas para serem aprendidas.
2 E Pravuil disse-me: “Todas as coisas que te disse, temo-las por
escrito. Senta-te e relaciona todas as almas da humanidade, ainda que
muitas delas já tenham nascido, e os lugares preparados para elas na
eternidade; pois que todas as almas são preparadas para a eternidade,
antes mesmo da formação do mundo”.
3 E tudo se repetiu por trinta dias e por trinta noites, e eu escrevi todas
as coisas com exatidão, e escrevi trezentos e sessenta e seis livros.
Capítulo 24
Os grandes segredos de Deus, que Deus revelou e contou a Enoque, e
falou lhe face a face.
1 E o Senhor chamou-me e disse-me: “Enoque, senta-te à minha
esquerda com Gabriel”.
2 E eu curvei-me diante do Senhor, e o Senhor falou-me: “Enoque,
amado, tudo que vês já pronto, eu te digo que já era mesmo antes do
início, pois que tudo isso eu criei do não-ser, as coisas visíveis do
invisível.
3 “Ouve, Enoque, e aceita minhas palavras, pois nem a meus anjos
contei meus segredos, e não lhes contei sobre seu surgimento, nem faleilhes do meu reino infinito nem entenderam meu ato de criação, que hoje
conto a ti.
12
Capítulo 25
Deus conta a Enoque como de trevas tão baixas emergiram o visível e o
invisível.
1 “Nas partes mais baixas, ordenei que as coisas visíveis descessem do
invisível, e Adoil desceu muito grande, olhei-o e ele tinha um ventre de
grande luz.
2 “E eu lhe disse: `Parte-te, Adoil, e deixa que o visível saia de ti.
3 “E ele partiu-se e uma grande luz saiu dele. E eu .estava em meio à
grande luz; e como a luz se faz da luz, nasceu uma grande era, e mostrou
toda a criação, que eu havia pensado em criar.
4 “E eu vi que era bom.
5 “E dispus para mim um trono e sentei-me nele, e disse para a luz: Vai
mais alto e firmaste acima do trono, sê um princípio para as coisas
elevadas.
6 “E nada há acima da luz, e aí eu me inclinei e olhei de meu trono.
Capítulo 26
Pela segunda vez Deus chama Archas, pesado e vermelho, para que ele
saia do mais baixo.
1 “E eu chamei o mais baixo pela segunda vez e disse: Deixa que
Archas saia com força do invisível.
2 “E Archas veio, duro, pesado e muito vermelho.
3 “E eu disse: Abre-te, Archas, e deixa nascer de ti, e ele abriu-se e uma
era nasceu, muito grande e muito escura, causando a criação de todas as
coisas mais vulgares, e que vi que era bom e disse-lhe:
4 ‘Vai para baixo e estabelece-te, torna-te base para as coisas vulgares’,
e aconteceu que ele desceu e fixou-se e tornou-se a base para as coisas
vulgares, e abaixo das trevas nada mais há.
Capítulo 27
De como Deus fez a d’água e rodeou-a de luz, e estabeleceu nela sete
ilhas.
1 “E ordenei que fosse retirado da luz e das trevas, e disse: Torna-te
espesso, e assim foi, e o espalhei com a luz, e ele tornou-se água, e o
espalhei nas trevas, abaixo da luz, e tornei as águas sólidas.
“Eu as fiz sem fundo, tendo como base a luz. E criei sete círculos a
partir do interior, e tornei a água parecida com o cristal úmido e seco,
13
igual ao vidro e formei um círculo de águas e outros elementos. E mostrei
a cada um deles o seu caminho e ordenei o movimento de cada uma das
sete estrelas em seu céu, e vi que isto era bom.
2 “Dividi a luz das trevas. E disse para a luz que ela seria dia e as trevas
noite, e houve noite e manhã no primeiro dia.
Capítulo 28
A Semana na qual Deus mostrou a Enoque toda a sua sabedoria e poder,
durante os sete dias, de como ele criou todas as forças celestiais e
terrestres e todas as coisas que se movem, até chegar ao homem.
1 “Tornei então sólido o circulo celeste e ordenei às águas que estavam
abaixo do céu, que se juntassem em um mesmo lugar, em um todo, e que
o caos se tornasse seco, e assim se fez.
2 “Das ondas criei pedras grandes e sólidas, e da pedra juntei o árido, e
chamei o árido terra, e o centro da terra chamei de abismo, ou seja, o sem
fundo. Juntei os mares num mesmo lugar, e uni-os com uma cadeia.
3 “E disse ao mar: Vê, donde teus limites eternos, e tu não haverás de
libertar-te de tuas partes constituintes.
4 “E assim criei depressa o firmamento. A este dia eu próprio chamei de
primeiro criado.”
Capítulo 29
Depois veio a noite, e outra vez a manhã, e foi o segundo dia. A
Essência Ígnea.
1 “Para todas as hostes celestes imaginei a imagem e a essência do
fogo, e meu olhar olhou a pedra muito dura e, do lampejo do meu olhar, o
relâmpago recebeu sua natureza maravilhosa, que é tanto fogo na água
como água no fogo, a água não apaga o fogo, nem o fogo seca a água, no
entanto o relâmpago é mais luminoso do que o sol, mais suave que a água
e mais firme do que a pedra.
2 “E da pedra extraí um grande fogo, com o qual criei as ordens de dez
hostes de anjos incorpóreos, e suas armas são de fogo e seus trajes, uma
chama candente, e ordenei a cada um que se colocasse em sua posição.
De como Satanail foi, com seus anjos, precipitado das alturas
3 “E um dos anjos, tendo saído de sua hierarquia e se desviado para
uma hierarquia abaixo da sua, concebeu um pensamento impossível:
colocar o seu trono acima das nuvens que se encontram sobre a terra, para
14
que seu poder se igualasse ao meu.
4 “Precipitei-o do alto com seus anjos, e ele pôs-se a voar por cima do
abismo, continua-mente.
Capítulo 30
“E então criei todos os céus,e assim se fez o terceiro dia”.
1 “No terceiro dia, ordenei à terra que produzisse grandes árvores
frutíferas e montanhas e sementes para a semeadura, e implantei o Paraíso
e cerquei-o com guardiões armados, como anjos flamejantes, e deste
modo criei a renovação.
2 “E veio a noite, e da manhã se fez o quarto dia.
3 “Neste dia ordenei que se fizessem grandes luzeiros nos círculos
celestes.
4 “No círculo mais elevado, coloquei a estrela Kruno, no segundo
círculo coloquei Afrodite, no terceiro Áries, no quinto Zeus, no sexto
Hermes, no sétimo a lua adornada com as estrelas menores.
5 “E no círculo inferior, coloquei o sol para iluminar o dia, e a lua e as
estrelas para iluminar a noite.
6 “E para que o sol pudesse deslocar-se de acordo com cada animal do
zodíaco, decretei a sucessão de doze meses com seus nomes e duração,
seus trovões, suas marcações de tempo e sua seqüência.
7 “E da noite e da manhã se fez o quinto dia.
8 “No quinto dia, ordenei ao mar que produzisse peixes, e criei aves
emplumadas de muitas espécies e todos os animais que rastejam sobre a
terra, os de quatro patas que andam na terra e criei aqueles animais que
levantam vôo, ambos macho e fêmea, e toda alma respirando o espírito da
vida.
9 “E da noite e da manhã se fez o sexto dia.
10 “No sexto dia fiz uso da minha sabedoria para criar o homem de sete
graus de densidade: um, a sua carne da terra; dois, o seu sangue do
orvalho; três, os seus olhos do sol; quatro, seus ossos da pedra; cinco, a
sua inteligência da vivacidade dos anjos e da nuvem; seis, suas veias e seu
cabelo das plantas da terra; sete, a sua alma do meu sopro e do vento.
11 “E dei-lhe sete naturezas: a carne para a audição, os olhos para a
visão, a alma para o olfato, o sangue para o tato, os ossos para a
resistência, e a inteligência para a doçura e o regozijo.
15
12 “Formulei uma máxima adequada: criei o homem da natureza
invisível e visível. De ambas provêm sua morte, sua vida e imagem, ele
conhece o poder da palavra como algo criado, pequena na grandeza e
grande na pequenez. E coloquei na terra um segundo anjo, nobre, grande e
glorioso, e o designei como governante na terra para que tivesse a minha
sabedoria. E não havia ninguém igual a ele entre todas as criaturas
existentes.
13 “Dei-lhe um nome baseado nas quatro partes componentes, do leste,
oeste, sul e norte, e designei-lhe quatro estrelas especiais, e o chamei pelo
nome de Adão e mostrei-lhe os dois caminhos, o da luz e o das trevas, e
disse-lhe:
14 “`Isto é bom e isso é mau, para saber se ele nutre amor ou ódio por
mim, para saber quem dentre sua gente me ama.
15 “Pois conheço sua natureza, mas ele próprio não enxergou, portanto,
por não tê-la enxergado, ele pecará mais, e eu disse: Além do pecado, que
há senão a morte?
16 “Mandei-lhe um sono profundo e ele dormiu. Tirei-lhe uma das
costelas, e com ela criei uma mulher para que a morte lhe viesse através
desta sua mulher, e tomei sua última palavra e pus-lhe o nome de mãe de
todos os viventes, ou seja, Eva.
Capítulo 31
Deus dei a Adão o Paraíso e capacita-o a ver os céus abertos e os anjos
entoando a canção da vitória.
1 “Adão irá viver na terra, e eu criei um jardim no éden, ao leste, para
que ele pudesse cumprir o testamento e manter a ordem.
2 “Fiz com que os céus se abrissem diante dele para que pudesse ver os
anjos cantando o hino da vitória e a luz resplandecente.
3 “Ele permaneceu no paraíso, e o demônio entendeu que eu queria
criar outro mundo porque Adão era senhor m terra, para comandá-la e
controlá-la.
4 “O demônio é o gênio do mal das regiões inferiores, como um
fugitivo, ele criou Sotona a partir dos céus, por ser seu nome Satanail, por
isso ele se tornou diferente dos anjos, mas a sua natureza não modificou a
sua inteligência quanto ao entendimento do certo e do errado.
5 “E ele entendeu sua condenação e o pecado que cometera, por essa
16
razão, alimentou ressentimentos contra Adão, de tal forma que entrou em
seu mundo e seduziu Eva mas não atingiu Adão.
6 “Amaldiçoei a ignorância, mas o que eu havia abençoado
anteriormente, isso eu não amaldiçoei, nem amaldiçoei o homem, nem a
terra nem as outras criaturas, mas o fruto e as obras ruins do homem.
Capítulo 32
Depois do pecado de Adão, Deus devolve-o à terra “de onde eu o tomei,
mas não pretendo destruí-lo nos anos que virão”.
1 “Disse-lhe: Tu és terra e à terra da qual te tirei, tu hás de tornar, não te
destruirei mas devolver-te-ei de onde te tomei.
2 “‘Então, poderei tomar-te de volta na minha segunda vinda’.
3 “E abençoei todas as minhas criaturas, visíveis e invisíveis. E havia
cinco horas e meia que Adão estava no paraíso.
4 “Abençoei o sétimo dia, o Sábado, quando descansei de todas as
minhas obras.
Capítulo 33
Deus mostra a Enoque a idade deste mundo, sua existência de sete mil
anos, e oito mil anos é o fim, nem anos nem meses, nem semanas, nem
dias.
1 “E designei o oitavo dia como sendo o primeiro dia criado após a
minha obra, e os sete primeiros como sendo ciclos de sete mil, e no início
dos oito mil, estipulei um tempo incontável, infinito, não medido por
anos, meses, semanas, dias, ou horas.
2 “E agora, Enoque, todas as coisas das quais te falei, tudo que
entendeste, tudo que viste das coisas celestes, tudo que viste na terra e
todas as coisas que escreveste neste livro pela minha grande sabedoria,
todas essas coisas eu idealizei e criei do mais alto ao mais baixo, e aqui
não há conselheiro ou herdeiro de minhas criações.
3 “Sou eterno e não criado por mãos e sem mudanças.
4 “Meu pensamento é meu conselheiro, minha sabedoria e minha
palavra são feitas, e meus olhos observam todas as coisas como aqui são e
como tremem de terror.
5 “Se viro minha face, então todas as coisas serão destruídas.
6 “Por isso usa a tua inteligência, Enoque, conhece aquele que te fala, e
cuida dos livros que escreveste.
17
7 “Dou-te os anjos Samuil e Raguil, aqueles que te trouxeram a mim, e
desce à terra, diz a teus filhos todas as coisas que te contei e tudo que
viste, do céu mais baixo até o meu trono aqui em cima, e todas as hostes.
8 “Pois criei todas as forças, e nenhuma se opõe ou deixa de se
submeter a mim. Todos se submetem à minha autoridade e obedecem ao
meu poder, e trabalham sob meu comando.
9 “Dá-lhes os manuscritos e eles irão lê-los e saberão que sou o criador
de todas as coisas, e entenderão que não há outro Deus além de mim.
10 “E deixa-os distribuir teus manuscritos, de filho para filho, de
geração para geração, de raça para raça.
11 “E dar-te-ei, Enoque, meu mediador, o arquigeneral Miguel, pois os
manuscritos de teus pais Adão e Seth, Enos, Caim, Mahaleleel e Jared, teu
pai, não serão destruídos até o fim dos tempos.
12 “Revelei a meus anjos Drioch e Marioch como mapeei a terra e
ordenei que as gerações fossem preservadas, e que os manuscritos de
vossos pais fossem preservados, de forma a não perecerem no dilúvio que
eu lançarei sobre os homens.
Capítulo 34
Deus condena os idólatras e fornicadores sodomitas e, por isso, faz
recair sobre eles o dilúvio.
1 “Eles rejeitaram meus mandamentos e meu jugo, tornando-se, assim,
sementes inúteis, não temendo a Deus, não me reverenciando, mas
abaixando a cabeça a deuses vaidosos, e negaram minha unidade, e
encheram a terra com mentiras, ofensas, luxúrias abomináveis, a saber,
uns com os outros, e toda a sorte de sujas maldades, que seriam
desagradáveis de serem nomeadas.
2 “E por essa causa farei recair sobre a terra um dilúvio e destruirei
todos os homens, e toda a terra sucumbirá às trevas.
Capítulo 35
Deus deixa um justo da tribo de Enoque e toda a sua casa, porque ele
fora obediente à vontade de Deus.
1 “Vê, de suas sementes levantar-se-á outra geração, muito mais para
diante, mas muitos dentre eles serão insaciáveis.
2 “Aquele que criar essa geração deverá revelar aos seus esses
manuscritos de seus pais, para aqueles aos quais será mostrada a custódia
18
do mundo, aos fiéis a mim, que não usam meu nome em vão.
3 “E eles deverão contar às outras gerações, que ao lerem serão
glorificadas, depois, mais que as primeiras.
Capítulo 36
Deus ordena a Enoque que viva na terra por trinta dias. para que dê aos
seus filhos instruções, e aos filhos de seus filhos. Depois dos trinta dias
tornará a ser levado ao céu.
1 “Agora, Enoque, dou-te o prazo de trinta dias para que o passes em
tua casa, e digas aos teus filhos e aos de tua casa, que todos deverão ouvir
diretamente de minha face, que não há outro Deus além de mim.
2 “E que eles deverão sempre manter meus mandamentos, e começar a
ler e crer nos teus manuscritos.
3 “E depois de trinta dias, mandarei meu anjo para tirar-te da terra e de
teus filhos, para que venhas a mim.”
Capítulo 37
Deus convoca um anjo.
1 E o Senhor chamou um dos anjos mais velhos, terrível e ameaçador, e
colocou-o a meu lado; ele era branco como a neve, suas mãos como o
gelo, assemelhava-se à geada, e ele congelou minha face, porque eu não
podia agüentar o terror que sentia pelo Senhor, assim como não podia
agüentar o fogo do fogão, e o calor do sol e a geada.
2 E o Senhor me disse: “Enoque, se tua face não congelar aqui, nenhum
homem será capaz de olhar tua face”.
Capítulo 38
Matusalém continuou a manter sua esperança e a esperar por seu pai
Enoque noite e dia ao pé de seu leito.
1 E O Senhor disse a esses homens que me haviam levado até ele:
“Deixai que Enoque desça à terra convosco e esperai por ele até o dia
determinado”.
2 E, à noite, eles me puseram em meu leito.
3 E Matusalém, que esperava minha volta, mantendo-se vigilante à
minha cabeceira, ficou maravilhado quando me ouviu chegar, e eu lhe
disse: “Que os de minha casa se reúnam, pois vou-lhes contar tudo”.
Capítulo 39
A piedosa admoestação de Enoque aos seus filhos, com lágrimas e
19
grandes lamentos enquanto ele falava.
1 Oh meus filhos, meus amados, ouvi as admoestações de vosso pai,
pois essa é a vontade do Senhor.
2 Foi-me concedido estar convosco para vos anunciar, não de meus
lábios, mas dos lábios do Senhor, tudo que é e que foi e tudo que é agora,
e tudo que será até o dia do julgamento.
3 Pois o Senhor permitiu que eu viesse até vós, portanto, ouvi as
palavras de meus lábios, mas sou aquele que viu a face do Senhor, e como
o ferro no fogo, ela lança centelhas que queimam.
4 Vós olhais meus olhos agora, os olhos de um homem que para vós é
grande, mas vi os olhos do Senhor, brilhando como os raios do sol e
enchendo os olhos do homem com terror.
5 Meus filhos, vós vedes a mão direita de um homem que vos auxilia,
mas eu vi a mão direita do Senhor preenchendo todo o céu quando ele me
ajudou.
6 Vós vedes a extensão da minha obra da mesma forma que vedes a
vossa, mas eu vi a extensão ilimitada e perfeita da obra do Senhor.
7 Vós ouvis as palavras da minha boca, da mesma forma que eu ouvi as
palavras do Senhor, parecendo-se a um trovão violento e incessante, como
nuvens que se arremessam umas contra as outras.
8 Agora, ouvi as declarações do pai da terra. E sabeis quão temível é
apresentar-se diante do governante da terra. Pensai quão terrível e
impressionante é apresentar-se diante do governante do céu, o senhor dos
vivos e dos mortos, e das hostes celestiais. Quem poderia suportar essa
dor infinita?
Capítulo 40
Enoque admoesta seus filhos sobre todas as coisas que ouviu dos lábios
do Senhor, de como ele viu e ouviu e escreveu.
1 Ouvi, agora, meus filhos, aquelas coisas que chegaram a mim pelos
lábios do Senhor e o que meus olhos viram do início ao fim.
2 Eu sei de todas as coisas e escrevi sobre elas em livros referentes aos
céus e seu fim, sua plenitude, seus exércitos e seus avanços.
3 Medi e descrevi as estrelas, a imensa multidão delas.
4 Que homem já viu suas revoluções e seu surgimento? Nem mesmo os
anjos sabem quantas são; contudo, registrei todos os seus nomes.
20
5 E medi a órbita do sol, medi seus raios, contei as horas, anotei tudo
quanto existe na terra, como as coisas são alimentadas, como todas as
sementes produzidas pela terra são semeadas ou rejeitadas, sobre todas as
plantas, cada erva e cada flor, a respeito de suas suaves fragrâncias, seus
nomes, e sobre o lugar onde residem às nuvens, sua composição e suas
asas e como elas produzem pingos de chuva.
6 E escrevi sobre o curso seguido pelo trovão e pelo raio, e eles me
mostraram suas chaves e seus guardiões, sua origem, seu movimento. O
trovão e o raio são liberados por uma cadeia de justa proporção para que
uma cadeia de violência selvagem e precipitada não lance nuvens
ameaçadoras e destrua todas as coisas na terra.
7 E escrevi sobre os depósitos preciosos de neve, do frio e dos ventos
glaciais, e observei como o guardião das chaves de todas as estações supre
as nuvens com neves e ventos mas nunca exaure as reservas.
8 E escrevi sobre os lugares de descanso dos ventos e observei e vi
como os guardiões das chaves dominam balanças e medidas; primeiro,
eles pesam as estações nos pratos da balança e as distribuem habilmente
sobre toda a terra, para que um sopro violento não sacuda a terra.
9 E conferi as dimensões de toda a terra, de suas montanhas, colinas,
campos, árvores, pedras, rios. Registrei a altura da terra até o sétimo céu e
até o inferno mais abissal, o local do julgamento, o imenso e cavernoso
vale das lágrimas.
10 E vi quanto padecem seus cativos, à espera do julgamento sem
limites.
11 E registrei todos aqueles que foram julgados pelo juiz, todas as suas
punições, e todas as suas obras.
Capítulo 41
De como Enoque lamentou o pecado de Adão.
1 E vi os antepassados de todos os tempos com Adão e Eva, e lamentei
e chorei, comentando sua ruína e desonra.
2 Ai de mim pela minha fraqueza e pela de meus antepassados”, e
pensei em meu coração e disse:
3 “Abençoado o homem que não nasceu, ou nasceu e não pecou diante
da face do Senhor, que não veio a esse lugar, nem trouxe desgraça a esse
lugar.”
21
Capítulo 42
De como Enoque viu os guardiões das chaves e os guardas nos portões
do inferno.
1 Eu vi os guardiões das chaves e os guardas dos portões do inferno,
como grandes serpentes, e suas faces como luzeiros apagados, e seus
olhos como fogo, seus dentes afiados, e vi todas as obras do Senhor, como
são justas, enquanto que as dos homens algumas são boas, outras ruins, e
em suas obras são conhecidos os que mentem maldosamente.
Capítulo 43
Enoque mostra a seus filhos como ele mediu e escreveu os julgamentos
de Deus.
1 Eu, meus filhos, medi e escrevi cada obra e cada medida e cada
julgamento justo.
2 Como cada ano é mais ilustre que o outro, assim também um homem
é mais ilustre que o outro, alguns por grandes posses, alguns por
sabedoria no coração, alguns pelo intelecto, alguns por argúcia, um pelo
silêncio de seus lábios, outro pela retidão, um pela força, outro pelo
comportamento, um pela juventude, outro pela articulação rápida, um pela
forma do corpo, outro pela sensibilidade, mas nenhum é melhor do que
aquele que teme a Deus, pois que será mais glorioso no tempo que advirá.
Capítulo 44
Enoque instruiu seus filhos para que não injuriem qualquer homem,
pequeno ou grande.
1 O Senhor tendo criado o homem com suas mãos, à sua semelhança,
fê-lo pequeno e grande.
2 Aquele que injuriar a face do que comanda, e odiar a face do Senhor e
desprezá-la, e aquele que soltar sua raiva sobre alguém, sem ter sido
injuriado, a grande raiva do Senhor o consumirá, aquele que cuspir
injuriosamente na face de um homem, será condenado no grande
julgamento.
3 Bendito é o homem que não dirige seu coração com maldade contra
homem algum, e ajuda os injuriados e condenados, e levanta os que estão
caídos, os que fazem caridade aos necessitados, porque no dia do
julgamento cada peso, cada medida e cada adicional estarão como no
mercado, ou seja, estarão nas balanças e ficarão no mercado, e cada um
22
conhecerá sua própria medida, e de acordo com essa medida terá sua
recompensa.
Capítulo 45
Deus mostra como ele não quer sacrifícios dos homens, nem sacrifícios
pelo fogo, mas corações puros e contritos.
1 Quem se apressar para fazer oferendas diante da face do Senhor, de
sua parte, também vai apressar aquela oferenda aceitando sua obra.
2 Mas aquele que aumentar sua luz diante da face do Senhor e não fizer
um julgamento verdadeiro, o Senhor não aumentará seu tesouro no reino
do altíssimo.
3 Quando o Senhor pede pão, ou velas, ou gado, ou qualquer outro
sacrifício, isso não é nada; mas Deus pede corações puros, com isso
somente quer testar o coração do homem.
Capítulo 46
De como um governante terreno não aceita do homem presentes
execráveis e sujos, assim também Deus não pode aceitá-los, com maior
razão, mas rejeita-os com raiva.
1 Ouvi, meu povo, e aceitai-o dos meus lábios.
2 Se alguém traz qualquer presente para um governante terreno, com
pensamentos desleais em seu coração, e o governante o percebe, não
ficará ele com raiva e não o porá sob julgamento?
3 Ou se um homem se faz de bom a outro pelo ardil de sua língua,
porém, com a maldade no coração, será que o outro não perceberá a
maldade que vem do coração, e não será ele condenado, desde que sua
mentira ficou visível?
4 E quando o Senhor mandar uma grande luz, então haverá julgamento
para o justo e o injusto, e aí ninguém escapará à observação.
Capítulo 47
Enoque transmite a seus filhos as instruções vindas dos lábios de Deus
e lhes entrega este livro.
1 E agora, filhos, guardai bem as palavras de vosso pai, pois todas
vieram dos lábios de Deus.
2 Pegai e lede estes livros escritos pelo vosso pai.
3 Através destes livros, todos aprendereis sobre todas as obras do
Senhor, desde o início da criação até o fim dos tempos.
23
4 E se os observardes atentamente, não pecareis contra o Senhor. Não
há outro igual a Deus no céu, na terra, nas regiões abissais, e nem em toda
a base una.
5 O Senhor estabeleceu as bases no desconhecido e jogou para fora do
céu o visível e — o invisível. Ele assentou a terra sobre as águas e criou
incontáveis criaturas, e quem já contou a água e as bases do que é móvel,
ou o pó da terra ou a areia do mar ou as gotas da chuva ou o orvalho
matutino ou os sopros do vento? Quem povoou a terra e o mar e o inverno
indissolúvel?
6 Ele arrancou as estrelas do próprio fogo e decorou com elas o céu e o
colocou no meio delas.
Capítulo 48
Da passagem do sol através dos sete círculos.
1 O sol percorre sete círculos celestiais, que são a designação de cento e
oitenta e dois tronos, e ele desce em um dia curto e outra vez cento e
oitenta e dois, e desce em um dia longo, e ele tem dois tronos nos quais
ele descansa, evoluindo de cá para lá acima dos tronos dos meses, do
décimo sétimo dia do mês Tsivan ele desce ao mês Thevan, do décimo
sétimo do Thevan ele sobe.
3 E assim ele se aproxima da terra, e a terra se alegra e faz com que
nasçam seus frutos, e quanto ele se vai, então aterra se entristece, e as
árvores e os frutos não florescem.
4 Tudo isso mede em horas, com precisas medições de horas, e fixada
uma medida pela sua sabedoria, do visível e do invisível.
5 Do visível ele faz todas as coisas visíveis, sendo ele mesmo invisível.
6 Por isso, deixo-vos claro, meus filhos, distribuí os livros a vossos
filhos, para que passem às gerações, e entre todas as nações que têm
temor a Deus, que eles os recebam, e que possam vir a amá-los mais que
qualquer alimento ou doçuras terrenas, que eles os leiam e os apliquem
em si mesmos.
7 E aqueles que não entenderem o Senhor, que não temerem a Deus,
que não o aceitarem, mas o rejeitarem, que não receberem os livros, um
terrível julgamento os aguarda.
8 Bendito o homem que suportar seus encargos e arrastá-los com eles,
pois que serão aliviados no dia do grande julgamento.
24
Capítulo 49
De como Deus pede que sejamos humildes, que suportemos as
agressões e os insultos, e que não ofendamos as viúvas e os órfãos.
1 Registrei por escrito toda obra realizada pelo homem e nenhum ser
nascido na terra pode permanecer escondido e nem suas obras ocultas.
Vejo todas as coisas.
3 Portanto, meus filhos, na paciência e na humildade, vivei os dias de
vossa existência para que possais herdar a vida eterna.
4 Pelo amor ao Senhor, suportai toda ofensa e insulto, toda
maledicência e agressão.
5 Se atos de injustiça forem cometidos em relação a vós, não retribuais
ao próximo ou ao inimigo, pois o Senhor o fará por vós e será o vosso
vingador no dia do grande julgamento, para que não haja ato algum de
vingança entre os homens.
6 Aquele dentre vós que gastar ouro ou prata pelo amor a seu irmão
receberá grandes recompensas no mundo vindouro.
7 Não injurieis as viúvas, os órfãos ou os estrangeiros, para que a ira de
Deus não se abata sobre vós.
Capítulo 50
Enoque instrui seus filhos a não esconder tesouros na terra, mas pedelhes que dêem esmolas aos pobres.
1 Estendei a mão aos pobres de acordo com vossa capacidade.
2 Não escondais vossa prata na terra.
3 Ajudai o homem fiel na sua aflição, e a aflição não vos encontrará na
hora do seu infortúnio.
4 E suportai qualquer provação dolorosa e cruel que se abater sobre vós
pelo amor ao Senhor, e tereis assim a vossa recompensa no dia do
julgamento.
5 E bom dirigir-vos de manhã, ao meio-dia e à tarde à morada do
Senhor, para a glória do vosso criador.
6 Porque todo elemento que respira o glorifica, e toda criatura visível e
invisível dirige-lhe louvores.
Capítulo 51
Deus instrui seus fiéis de como eles devem louvar seu nome.
1 Bendito é o homem que abre seus lábios para louvar o Deus Sabaoth e
25
louva o Senhor com seu coração.
2 Maldito o homem que abrir seus lábios para trazer desonra e calúnia a
seu próximo, porque ele traz Deus à desonra.
3 Bendito aquele que abre seus lábios bendizendo e louvando a Deus.
4 Maldito é aquele diante do Senhor todos os dias de sua vida, que abre
os lábios para amaldiçoar e abusar.
5 Bendito aquele que bendiz todas as obras do Senhor.
6 Maldito aquele que trouxer desonra à criação do Senhor.
7 Bendito aquele que olhar para baixo e levantar os que caíram.
8 Maldito aquele que espera ansioso pela destruição daquilo que não é
seu.
9 Bendito aquele que mantém os princípios de seus pais, construídos
com firmeza desde o começo.
10 Maldito aquele que perverte as leis de seus antepassados.
11 Bendito aquele que implanta paz e amor.
12 Maldito aquele que perturba aqueles que amam a seu próximo.
13 Bendito aquele que fala com humildade e coração a todos.
Capítulo 52
Não devemos dizer: “Nosso pai está diante de Deus, ele tomará nossa
defesa no dia do julgamento”, pois que nenhum pai poderá ajudar a seu
filho, nem o filho a seu pai.
1 E agora, meus filhos, não digais: “Nosso pai está diante de Deus,
rezando pelos nossos pecados”, pois não há quem possa ajudar aquele que
pecou.
2 Vistes como escrevi todas as obras de cada homem, antes de sua
criação, tudo que é feito no meio dos homens, em todos os tempos, e
ninguém pode relatar meus manuscritos, porque o Senhor vê toda a
imaginação dos homens, como eles são vaidosos, como mentem em seus
corações.
3 E agora, meus filhos, guardai bem todas as palavras de vosso pai, que
vos fala para que não vos arrependais, dizendo: “Por que nosso pai não
nos disse?”
Capítulo 53
Enoque instrui seus filhos para que passem seus livros a outros.
1 Naquele tempo, não entendendo isto, deixai que esses livros que vos
26
deixei sejam a herança de vossa paz.
2 Dai-os a todos aqueles que os quiserem, e ensinai. os a eles, para que
vejam as grandes e maravilhosas obras do Senhor.
Capítulo 54
Aqui Enoque diz aos filhos, entre lágrimas: “Meus filhos, a hora de eu
voltar ao céu se aproxima: olhai, os anjos estão diante de mim.
1 Meus filhos, olhai, o dia do meu prazo chegou.
2 Pois os anjos estão diante de mim e apressam-me para que me aparte
de vós; estão diante de mim aqui na terra, esperando pelo cumprimento do
que lhes foi dito.
3 Assim, amanhã irei para o céu, à suprema Jerusalém, para a minha
eterna herança.
4 Por isso, peço que só deis prazer diante da face do Senhor.
Capítulo 55
Matusalém pede a bênção de seu pai, e que ele possa fazer comida para
que Enoque coma.
1 Respondendo a seu pai Enoque, diz Matusalém: “Que é agradável a
teus olhos, pai, que possa eu fazer-te, para que abençoes nossa casa e teus
filhos, e para que tua família seja glorificada por teu intermédio, para que
depois disso possas apartar-te de nós, como disse o Senhor?”
2 Enoque respondeu a seu filho Matusalém e disse: “Ouve, filho, desde
o dia em que o Senhor ungiu-me com o bálsamo de sua glória, para mim
não há mais comida, e minh’alma não se lembra mais das alegrias
terrenas, nem tampouco desejo nada que seja terreno.
Capítulo 56
Enoque pede a seu filho Matusalém que reúna todos os seus irmãos.
1 Meu filho Matusalém, reúne todos os teus irmãos e todos os de tua
casa e os anciãos, que devo falar-lhes e partir, como foi planejado para
mim.
2 E Matusalém apressou-se a reunir seus irmãos Regim, Riman, Uchan,
Chermion, Gaidad e os anciãos para que fossem ter com Enoque; e ele
abençoou-os, dizendo:
Capítulo 57
O ensinamento de Enoque a seus filhos.
1 Ouvi-me hoje, meus filhos.
27
2 Naqueles dias, quando o Senhor desceu à terra por causa de Adão, e
visitou todas as suas criaturas, as quais ele mesmo criou, antes de Adão, o
Senhor chamou todos os animais da terra, todos os répteis, e todos os
pássaros que voam no ar, e trouxe-os diante da face do nosso pai Adão.
3 E Adão deu nome a todas as coisas vivas da terra.
4 E o Senhor fê-lo o governante de tudo, e submeteu todas as coisas a
ele, e os fez embotados e estúpidos, para que fossem comandados pelo
homem, sujeitos e obedientes a ele.
5 Assim também o Senhor criou cada homem senhor de todas as suas
possessões.
6 O Senhor não julgará uma única alma de animal por causa do homem,
mas condena as almas dos homens por causa de seus animais neste
mundo; pois o homem tem um lugar especial.
7 E como cada alma do homem é contada em números, da mesma
forma os animais não perecerão, nem todas as almas dos animais que o
Senhor criou, até o grande julgamento, e eles irão acusar o homem, se ele
não cuidar bem deles.
Capítulo 58
De como o Senhor chama Enoque, e o povo resolve beijá-lo em um
lugar chamado Achuzan.
1 Quando Enoque falou essas palavras para seus filhos, todas as pessoas
que moravam longe e perto dali ouviram falar que o Senhor estava
chamando Enoque, e decidiram ir e dar-lhe um beijo, e dois mil homens
se reuniram e foram a Achuzan, onde estavam Enoque e seus filhos.
2 E os anciãos e toda a assembléia foram até lá e reverenciaram e
beijaram Enoque dizendo:
3 “Nosso pai Enoque, que possas tu ser abençoado pelo Senhor, aquele
que governa eternamente, e agora abençoe teus filhos e todo o povo, pare
que possamos ser glorificados hoje diante de tua face.
4 “Pois tu serás glorificado diante da face do Senhor para todo o
sempre, desde que o Senhor te escolheu entre todos os homens na terra, e
designou-te para que escrevesses sobre toda a sua criação, visível e
invisível, e designou-te como o redentor de todos os pecados do mundo, e
aquele que ajuda os de sua casa.”
Capítulo 59
28
As instruções de Enoque a seus filhos.
1 E Enoque respondeu a todos dizendo: “Ouvi, meus filhos, antes de
todas as criaturas terem sido criadas, o Senhor criou o visível e o
invisível.
2 “E Ele criou o homem à sua imagem e semelhança, e pôs nele olhos
para ver, ouvidos para ouvir, coração para refletir, e intelecto para
deliberar.
3 “E o Senhor viu as obras do homem, e criou todas as suas criaturas, e
dividiu o tempo, e do tempo ele fixou os anos, e dos anos os meses, e dos
meses. Ele fixou os dias, e dos dias os sete.
4 “E deles, designou as horas, mediu-as com exatidão, para que o
homem possa refletir sobre o tempo e contar os anos, meses e horas, suas
alternâncias, início e fim, e para que ele possa contar sua própria vida,
desde o início até a morte, e refletir sobre seu pecado e ver se sua obra foi
boa ou má; porque nenhuma obra ficará oculta diante do Senhor, e todos
os homens deverão conhecer suas obras e jamais transgredir seus
mandamentos, e manter meus manuscritos de geração para geração.
5 “Quando as criações visíveis e invisíveis, tais como o Senhor as criou,
acabarem e cada homem for para o grande julgamento, e os tempos
perecerem e os anos, por isso mesmo, não mais existirem, e nem mais os
meses, os dias, as horas, pois que ficarão todos juntos e não poderão ser
contados.
6 “Haverá um éon, e todos os justos que escaparem do grande
julgamento do Senhor serão punidos em um grande éon, pois para ás
justos o grande éon começará, e viverão eternamente, e entre eles não
haverá trabalho braçal, doença, humilhação, ansiedade, necessidade,
violência, noite, trevas, mas sim a grande luz.
7 “E eles terão uma grande e indestrutível muralha, e um brilhante e
incorruptível paraíso, pois que todas as coisas corruptíveis passarão e
haverá vida eterna.”
Capítulo 60
O Senhor enviou trevas à terra, que cobriram o povo e Enoque, e ele foi
levado às alturas, e a luz tornou ao céu outra vez.
1 Quando Enoque falou ao povo, o Senhor enviou as trevas para a terra,
e as trevas se estabeleceram, cobrindo aqueles homens que ali se
29
encontravam falando com Enoque, e Enoque foi levado para o céu mais
elevado, onde se encontra o Senhor, que o recebeu e o colocou diante de
sua face, e as trevas deixaram a terra, e a luz voltou novamente.
2 Mas o povo viu e não entendeu como Enoque foi levado para
glorificar a Deus, e eles encontraram um pergaminho enrolado no qual
estava escrito: “O Deus invisível”, e todos foram para casa.
Capítulo 61
1 Enoque havia nascido no sexto dia do mês Tsivan, e viveu trezentos e
sessenta e cinco anos.
2 Ele foi levado ao Céu no primeiro dia do mês Tsivan e permaneceu ali
sessenta dias.
3 Ele anotou todos esses sinais de toda a criação, criada pelo Senhor, e
escreveu trezentos e sessenta e seis livros, entregou-os a seus filhos e
permaneceu na terra trinta dias, sendo novamente levado para o Céu no
sexto dia do mês Tsivan, no dia e na hora exata em que nascera.
4 Durante sua vida, o homem vê sua própria natureza como algo
velado, obscuro, e assim também o são sua concepção, nascimento e sua
despedida desta vida.
5 Na mesma hora em que ele é concebido, ele nasce, naquela mesma
hora também morre.
6 Matusalém e seus irmãos, todos filhos de Enoque, foram e ergueram
um altar na praça chamada Achuzan, donde Enoque fora levado ao céu.
7 E todas as pessoas foram convocadas, levaram bois sacrificiais e os
sacrificaram diante do Senhor.
8 Todas as pessoas, incluindo os anciãos, e toda a assembléia vieram à
festa, trazendo presentes aos filhos de Enoque.
9 E deram uma grande festa, regozijando-se e festejando durante três
dias, louvando a Deus que lhes havia enviado um sinal através de Enoque
que conseguira a graça perante a Deus. Todas as pessoas se regozijaram,
pois que este sinal poderia ser transmitido a seus filhos, de geração para
geração e de era para Livro da Ascenção de Isaías era.
10 Amém. Fim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *