foi o lugar da vigésima parada dos israelitas durante a viagem
do Egito a Canaã. Mais tarde, seria o porto naval do rei Salomão. A cidade situava-se na
ponta do golfo de Ácaba, que é um braço do mar Vermelho. O local exato era
desconhecido, até que, em 1937, o explorador alemão Fritz Frank descobriu o pequeno
Tell el-Kheleifeh a menos de 800 m da costa. Na superfície, havia fragmentos de
alvenaria. Fritz acreditou serem suficientemente antigos para pertencer a Eziom-Geber.
No ano seguinte, partiu de Jerusalém uma expedição liderada pelo dr. Nelson Glueck,
que entrou imediatamente no uádi el-Arabh, o grande vale de Rift localizado ao sul do
mar Morto. Em muitos lugares, à medida que avançavam para o sul através do vale,
encontraram montões de escória de ferro e de cobre e galerias escavadas em ladeiras
rochosas. Eram os restos de minas que haviam sido abandonadas muito tempo atrás.
Prosseguiram até a extremidade do desértico vale de 170 km de extensão, chegando
finalmente a Tell el-Kheleifeh — montículo de uma cidade que se levantava solitário na
planície sem sombras, 800 m ao norte do golfo de Ácaba. Nos poços de prova, foram
encontrados anzóis de cobre, ladrilhos, vasos de barro e restos de muros. A alvenaria
data dos anos 1000 a 900 a.C., precisamente a época do rei Salomão, que “construiu
navios em Eziom-Geber, que fica perto de Elate, na terra de Edom, às margens do mar
Vermelho” (1Rs 9:26). Durante as três temporadas de escavação que se seguiram, foram
descobertos os restos de um povoado extenso, onde havia numerosos moldes de
fundição, grande quantidade de escória e um grande edifício com manchas verdes nas
paredes. O edifício era um alto forno assombrosamente bem construído. As paredes de
ladrilho no lado norte tinham encravadas duas fileiras de aberturas que funcionavam
como condutores de ventilação. Esses condutores eram habilmente construídos, e
através deles sopravam os incessantes ventos do norte provenientes do uádi el-Arabah,
que serviam de foles para a refinaria — construída de forma semelhante aos sistemas
Bessemer do século XIX. As escavações da cidade com seu distrito residencial e
comercial, com suas paredes em forma de casamata, com sua porta sólida e com seu
grande e alto forno (além de muitas outras descobertas) não somente provam que se
trata da antiga cidade de Eziom-Geber como também levaram o dr. Glueck a escrever:
“Eziom-Geber foi o resultado de uma planificação cuidadosa. Ela foi edificada como
instalação-modelo de notável habilidade arquitetônica e técnica. Na realidade,
praticamente toda a cidade de Eziom-Geber, levando-se em consideração o lugar e a
época, era um fenomenal distrito industrial, sem comparação na história do antigo
Oriente. Eziom-Geber era a Pittsburgh, a Pensilvânia da Palestina antiga e ao mesmo
tempo seu mais importante porto marítimo”.
Ver tb: Nm 33:35, Dt 2:8, 1Rs 9:26, 1Rs 22:49, 2Cr 8:17, 2Cr 20:36

 

fonte: BIBLIA THOMPSON

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *