a “Pérola do Leste”, é considerada a mais antiga cidade do mundo
a ter história contínua, que começa na época de Uz (neto de Noé) e chega aos nossos
dias. Durante esses longos séculos, Damasco sempre foi “a cidade mais importante da
Síria” e a metrópole dos povos do deserto. Sua longa existência deve-se ao fato de estar
localizada em uma planície de 24 000 ha (689 m acima do nível do mar), que é um dos
oásis mais férteis do mundo. A cidade e a planície circundante devem sua vida e
prosperidade aos famosos rios Farfar e Abana, de reputação bíblica (2Rs 5:12). O
Abana, conhecido atualmente como Barada, divide-se como um leque em sete
tranqüilos braços, que por sua vez se subdividem em muitos riachos, os quais abastecem
os lares, jardins, hortos e vinhas de cerca de 400 mil pessoas de Damasco e arredores.
Esses riachos submergem adiante, nas areias do deserto, uns 29 km na direção leste. O
Farfar, hoje conhecido como Ava, nasce nas colinas ao pé do monte Hermom e flui
cerca de 11 km até o sul de Damasco, onde rega o campo de hortos circundantes. Nessa
cidade, ainda existem ruínas de muros e portas muito antigos, alguns da época romana.
Em dois lugares distintos, é apontada uma janela enladrilhada como aquela através da
qual Paulo foi “baixado numa cesta” (2Co 11:33). Todavia, isso serve apenas para
ilustrar a história, pois a obra de alvenaria que aparece imediatamente ao redor das duas
janelas dificilmente pertenceria à época romana. A rua chamada Direita começa na
porta Oriental e prossegue na direção oeste até atingir o centro da cidade. A casa de
Ananias, conforme pode ser vista hoje, é uma capela baixa, semelhante a uma caverna, a
5 ou 6 m abaixo do nível da rua. Essa é possivelmente a localização correta da casa, mas
a rua Direita estava então em um nível mais baixo, conforme o demonstra a descoberta
das ruínas de outra rua. A rua atual já não é o amplo passeio público de 1,5 km
comprimento e quase 30 m de largura, ao longo da qual “rangiam os carros de guerra
romanos”. Todavia, é bastante reta, e no extremo ocidental estão alguns bazares
telhados que apresentam a cena admirável e variada de um comércio bastante animado,
tão genuinamente oriental quanto poderia ser encontrado em qualquer parte do mundo.
A Grande Mesquita, que quanto ao caráter sagrado só pode ser superada pelas mesquitas
de Meca, Medina e Jerusalém, é o edifício mais antigo e venerado de Damasco.
Representa três períodos da história e as três religiões que a dominaram: o paganismo, o
cristianismo e o islamismo. Os maciços alicerces e as colunatas exteriores pertencem a
um templo grego ou romano. Na opinião de alguns, é provável que seja esse o lugar do templo de Rimom (Hadade), onde Naamã depositou a terra carregada por duas mulas e
ergueu seu altar particular (2Rs 5:17,18). Mais tarde, Acaz viu o altar desse templo e
mandou que o reproduzissem em Jerusalém (2Rs 16:10-13). Sob o domínio dos
romanos, o templo foi dedicado a Júpiter. Depois que Constantino converteu-se ao
cristianismo, no século IV, o templo foi reconstruído e transformado em uma imensa
igreja que Teodósio dedicou a João Batista. Quando os muçulmanos capturaram
Damasco, em 634 d.C., a edificação foi remodelada e convertida em suntuosa mesquita.
O edifício sofreu três incêndios, sendo, porém, restaurado em todas as ocasiões. Em sua
condição atual, a Grande Mesquita consiste de uma estrutura quadrangular de 146 x 99
m, rodeada de excelentes muros de alvenaria e coroada com uma esplêndida cúpula, três
torres elevadas e uma multidão de minaretes (torres pequenas). Um desses minaretes é
conhecido como “o minarete de Jesus”, porque, segundo a tradição islâmica, “Jesus
aparecerá no alto desse minarete no dia do Juízo final”. No lado sul da mesquita, na viga
superior de uma pouco usada mas esplêndida porta, há uma inscrição em grego: “Teu
reino, ó Cristo, é um reino eterno”.
Ver tb: Gn 14:15, Gn 15:2, 2Sm 8:6, 1Rs 11:24, 1Rs 19:15, 1Rs 20:34, 2Rs 5:12, 2Rs
8:7, 2Rs 14:28, 2Rs 16:9, 1Cr 18:5, 2Cr 16:2, 2Cr 24:23, 2Cr 28:5, Is 7:8, Is 10:9, Is
17:1, Ez 27:18, Ez 47:16, Ez 48:1, Am 1:3, Am 3:12, Am 5:27, Zc 9:1, At 9:2, At 9:8,
At 9:19, At 22:6, At 22:11, At 26:12, At 26:20, 2Co 11:32, Gl 1:17

fonte: BIBLIA THOMPSON

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *