2º Trimestre 2015

Data: 12 de Abril de 2015

TEXTO DO DIA

“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei” (Gn 12.1).

SÍNTESE

A história e a situação da terra de Jesus hoje testificam o plano de Deus para a nação de Israel e a veracidade das Escrituras.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA — Gn 15.18

Promessa da terra a Abraão

TERÇA — Gn 26.3-5

Promessa confirmada a Isaque

QUARTA — Gn 35.8-15

Promessa confirmada a Jacó

QUINTA — Êx 19.1-8

Promessa confirmada a Moisés

SEXTA — Js 1.1-9

Promessa confirmada a Josué

SÁBADO — 2Sm 5.1-12

Davi conquista Jerusalém

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

COMPREENDER a importância e o propósito da chamada divina de Abraão para a sua descendência;
APRESENTAR a história da formação do Estado de Israel;
CONHECER a situação da terra de Israel na atualidade.

INTERAÇÃO

Professor, interaja com seus alunos, mostrando algumas notícias veiculadas na mídia envolvendo Jerusalém, o Estado de Israel e os palestinos. O objetivo é introduzir a lição e mostrar a atualidade do tema a ser estudado. Ajude a desmistificar muitas inverdades que são propagadas enganosamente na mídia sobre o Estado de Israel e sobre o povo judeu.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, a comunicação eficaz é requisito indispensável para uma boa aula. Por isso, utilize palavras e termos que seus alunos compreendam. Quando eles não souberem o sentido de determinado termo, explique o seu significado. Utilize o quadro abaixo para mostrar a eles as diferenças entre as denominações que designam os descendentes de Abraão.

TEXTO BÍBLICO

Gênesis 12.1-4; 17.5-9.

Gênesis 12

1 — Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.

2 — E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção.

3 — E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.

4 — Assim, partiu Abrão, como o SENHOR lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos, quando saiu de Harã.

Gênesis 17

5 — E não se chamará mais o teu nome Abrão, mas Abraão será o teu nome; porque por pai da multidão de nações te tenho posto.

6 — E te farei frutificar grandissimamente e de ti farei nações, e reis sairão de ti.

7 — E estabelecerei o meu concerto entre mim e ti e a tua semente depois de ti em suas gerações, por concerto perpétuo, para te ser a ti por Deus e à tua semente depois de ti.

8 — E te darei a ti e à tua semente depois de ti a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão, e ser-lhes-ei o seu Deus.

9 — Disse mais Deus a Abraão: Tu, porém, guardarás o meu concerto, tu e a tua semente depois de ti, nas suas gerações.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

INTRODUÇÃO

Constantemente, Israel e o Oriente Médio ocupam lugar de destaque nos noticiários dos principais jornais do mundo. Os fatos que envolvem o país e aquela região são desproporcionais se considerarmos o seu tamanho geográfico em comparação a outros povos e nações. Contudo, tal repercussão não tem natureza geopolítica; ela é de natureza espiritual. Como veremos nesta aula, o plano divino, mediante a chamada de Abraão e sua descendência, é o elemento responsável pela história de Israel e pela situação da terra de Jesus nos dias atuais.

I. A PROMESSA DE UMA GRANDE NAÇÃO

1. A chamada de Abraão e a Terra Prometida. O capítulo 12 de Gênesis contém a magnífica promessa do nascimento do povo de Israel, pela qual Deus garante a Abrão (depois chamado de Abraão, Gn 17.5) que engrandeceria o seu nome e faria dele uma grande nação (vv.1,2). Para tanto, o Senhor estabelece um concerto perpétuo e lhe promete a posse da terra de Canaã (vv.7,8), exigindo, em contrapartida, a sua obediência (Gn 17.1; 26.5). Posteriormente, esse pacto é confirmado aos seus filhos Isaque (Gn 26.3-5), Jacó (Gn 35.8-15) e, também, a Moisés e ao povo de Israel (Êx 19.1-8). Após a morte de Moisés, sob a liderança de Josué, o povo tomou posse da terra de Canaã (Js 1-12), depois da jornada de 40 anos peregrinando no deserto. Isso explica o elo inseparável entre o povo de Israel e a Terra Prometida.

2. Propósito da chamada. Mas, qual foi o propósito da chamada de Abraão? A bênção destinava-se somente a ele e a sua família? De acordo com a Bíblia de Estudo Pentecostal, “a intenção de Deus era que houvesse um homem que O conhecesse e O servisse e guardasse os seus caminhos. Dessa família, surgiria uma nação escolhida, de pessoas que se separassem das práticas ímpias de outras nações, para fazerem a vontade de Deus. Dessa nação, viria Jesus Cristo, o Salvador do mundo, o prometido descendente da mulher”. Israel, portanto, seria um reino sacerdotal, povo santo e canal de bênção para os demais povos (Êx 19.6). A expressão “e em ti serão benditas todas as famílias” (Gn 12.3) revela que a promessa divina estava dentro de um propósito salvífico para a raça humana.

3. O pacto com Israel e o Novo Testamento. Apesar da sua chamada, a nação de Israel foi incrédula, desobediente e rejeitou o Evangelho. Ainda assim, Deus mantém um plano especial para o verdadeiro Israel. Nos capítulos 9 a 11 da carta aos Romanos, o apóstolo Paulo fala sobre o plano divino para o povo escolhido, sua incredulidade atual e acerca da restauração futura. Ele afirma que a promessa divina não falhou, porquanto era destinada só para os fiéis da nação (9.6-8). Com efeito, Deus não rejeitou a Israel (11.1-6), e a incredulidade israelita é apenas parcial e temporária, mantendo-se um remanescente que permanece fiel. Futuramente, todo Israel aceitará a salvação divina em Cristo (11.26; Ap 7.1-8).

Pense!

“Pela fé, Abraão, sendo chamado obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia” (Hb 11.8). Que isso sirva-nos de exemplo, pois sem fé é impossível agradar a Deus!

Ponto Importante

“A promessa de Deus a Abraão e a sua bênção sobre ele, estendem-se, não somente aos seus descendentes físicos, como também a todos aqueles que com fé genuína aceitarem e seguirem a Jesus Cristo, a verdadeira ‘posteridade’ de Abraão” (Gl 3.14,16 — Bíblia de Estudo Pentecostal).

II. A FORMAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL

1. A proteção divina do povo israelita. A história comprova o propósito especial de Deus com a nação de Israel. Desde a chamada de Abraão nos tempos do Antigo Testamento, a conquista da Terra Prometida, passando pelas guerras, a subjugação sob o domínio de vários impérios, a perseguição sofrida, e a sua sobrevivência até o tempo presente, revelam o componente sobrenatural e miraculoso da existência de Israel. Os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó foram escravos no Egito, peregrinaram no deserto e estiveram sob o domínio dos babilônios, medo-persas, gregos, assírios e romanos.

2. A dispersão pelo mundo. Em virtude da desobediência e da idolatria do povo, Deus disse que tiraria a nação israelita da sua terra e a espalharia pelo mundo (Dt 28.63,64; Mt 23.37). Isso aconteceu várias vezes na história, quando foram levados cativos pelos assírios (cf. 2Rs 17.6), babilônios (cf. 2Rs 25.21) e pelos gregos (para Alexandria no século III a.C). Entretanto, a maior dispersão, chamada diáspora judaica, ocorreu em 70 d.C, quando os romanos invadiram Jerusalém e destruíram o templo. Com isso, milhares de israelitas foram dispersos pelo mundo (Lc 21.24), vivendo exilados de sua pátria. Já no Século XX, Adolf Hitler também empreendeu uma perversa perseguição contra os judeus, culminando no Holocausto, o genocídio de cerca de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Nenhum outro povo sofreu tantos ataques quanto Israel, mas Jeová sempre os protegeu com sua forte mão, pois Ele é o seu guarda e Redentor (Sl 121.4; Is 41.14).

3. Retorno à Terra Prometida. Apesar da dispersão, a promessa divina da Terra Prometida ainda estava de pé (Gn 13.15), e o retorno do seu povo escolhido era inevitável (Ez 26.24,28; Os 14.7). Aos poucos, os israelitas começaram a despertar o sentimento de regressar ao lar prometido, o qual ganhou força com o movimento sionista, iniciado em 1897 por Teodoro Herzl. Elienai Cabral capta a essência do movimento ao afirmar que “não era um simples sentimento de um homem ou de um povo, e, sim, um impulso do Espírito de Deus na mente e no coração de cada judeu disperso, em cumprimento da Palavra de Deus (Jr 24.6)”.

O ponto culminante desse regresso foi em 14 de maio de 1948, com a criação do Estado de Israel e a sua declaração de independência, que foi precedida pela aprovação da partilha do território palestino pela ONU em 1947, cuja sessão foi presidida pelo embaixador brasileiro Osvaldo Aranha. Nesse dia, então, cumpriu-se Isaías 66.8; “Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos”.

Pense!

Nenhum outro povo sofreu tantos ataques quanto Israel, mas Jeová sempre os protegeu com sua forte mão, pois Ele é o seu guarda (Sl 121.4) e Redentor (Is 41.14).

Ponto Importante

A criação do Estado moderno de Israel ocorreu em 14 de maio de 1948.

III. ISRAEL NA ATUALIDADE

1. Conflitos com os árabes. Mesmo com a criação do Estado de Israel, as lutas não cessaram. Assim que declarou sua independência, Israel foi imediatamente atacado pelo Egito, Arábia Saudita, Jordânia, Iraque, Síria e Líbano, instaurando-se o conflito entre árabes e judeus. Nessa ofensiva, assim como em outras que se repetiram nos anos de 1990, Israel saiu-se vitorioso. Um desses ataques ocorreu em 1973. Aproveitando-se do feriado religioso judaico do Yom Kipur (“Dia do Perdão”) — ocasião em que grande parte dos soldados israelenses se encontravam de folga — Egito e Síria lançaram um ataque surpresa contra Israel. Entretanto, foram derrotados novamente.

2. A presença histórica na terra. Depois de várias tentativas de paz, o conflito ainda persiste na região. Os palestinos não aceitaram a partilha da terra nos moldes estabelecidos pela ONU em 1947 e mantém uma postura belicosa e baseada no terror contra o Estado Judeu, afirmando que a Terra Santa lhes pertence. Contudo, uma pesquisa histórica mostra o contrário. Em virtude da promessa divina a Abraão, o povo de Israel tem estado presente naquela terra nos últimos 3.700 anos, com maior ou menor intensidade, apesar das invasões e exílios. Eles colonizaram e desenvolveram aquela região, renovando a terra assolada e desértica. Segundo Abraão de Almeida, “trabalhando diuturnamente nas condições mais desfavoráveis possíveis, os novos colonizadores plantaram dezenas de milhões de árvores e drenaram extensos pântanos através de um arrojado programa de recuperação do solo, em que parte do rio Jordão foi desviada, até que o deserto começasse a florescer”, como cumprimento profético (Ez. 36.33-35) (Israel, Gogue e o Anticristo, p.53).

3. Situação atual. Nos dias atuais, o Estado de Israel é uma nação próspera e a única referência democrática do Oriente Médio, que respeita os direitos humanos, inclusive das mulheres, e permite aos cidadãos de todas as crenças praticarem sua religião, livre e publicamente. Ainda assim, vive ameaçado pelos palestinos. Hoje, os cristãos devem orar pela paz na região e interceder pela nação de Israel, pois eles são o relógio escatológico de Deus referente ao mundo, principalmente acerca da Grande Tribulação (Ap 16.12-21). Esse evento escatológico será terrível e indescritível para o povo de Israel. Ele estará mobilizado para a grande batalha do Armagedom. Os reis da terra, isto é, os governantes do mundo todo estarão reunidos com seus exércitos e armas destrutivas para o maior combate já registrado na história mundial; será no clímax dessa batalha que Jesus, o Messias, anteriormente rejeitado pelos israelitas, virá e destruirá os inimigos do seu povo, e implantará o seu reino milenial (Ap 19.11-21).

Pense!

“A nação israelita não constitui apenas o centro geográfico do mundo, mas também o centro nevrálgico da política internacional” (Abraão de Almeida).

Ponto Importante

O conflito entre Israel e palestinos teve início após a criação do Estado de Israel.

CONCLUSÃO

Deus ainda mantém um plano especial para Israel, protegendo aquela nação ao longo dos séculos, sempre livrando-a com mão forte. Isso prova que o Deus a quem servimos é o Senhor soberano que intervém no curso da história. Oremos, pois, pela terra de Jesus nos dias atuais, para que Ele faça cumprir os seus propósitos para o seu povo.

ESTANTE DO PROFESSOR

HAGEE, John. Em Defesa de Israel.
JOSEFO, FLávio. História dos Hebreus.
MERRIL, Eugene H. História de Israel.

HORA DA REVISÃO

1. Qual o propósito da chamada de Abraão?

De acordo com a BEP, “a intenção de Deus era que houvesse um homem que o conhecesse e o servisse e guardasse os seus caminhos. Dessa família surgiria uma nação escolhida, de pessoas que se separassem das práticas ímpias doutras nações, para fazerem a vontade de Deus. Dessa nação viria Jesus Cristo, o Salvador do mundo, o prometido descendente da mulher”.

2. Cite quatro ocasiões da história em que os israelitas foram dispersos.

Quando foram levados cativos pelos assírios (cf. 2Rs 17.6), babilônios (cf. 2Rs 25.21) e pelos gregos (para Alexandria no século III a.C.). Entretanto, a maior dispersão, chamada diáspora judaica, ocorreu em 70 d.C. quando os romanos invadiram Jerusalém e destruíram o Templo. Com isso, milhares de israelitas foram dispersos pelo mundo.

3. Qual foi o ponto culminante do regresso dos israelitas para a Terra Prometida?

Em 14 de maio de 1948, com a criação do Estado de Israel e a sua declaração de independência.

4. O que aconteceu logo após a criação do Estado de Israel?

Israel foi imediatamente atacado pelo Egito, Arábia Saudita, Jordânia, Iraque, Síria e Líbano, instaurando-se o conflito entre árabes e judeus. Nessa ofensiva, assim como em outras que se repetiram nos anos 1990, Israel saiu-se vitorioso.

5. Qual a atual situação do Estado de Israel?

Nos dias atuais, o Estado judeu representa apenas 1/6 de 1% da extensão do que é conhecido como “mundo árabe”, e vive cercado por nações que lutam contra a sua existência.

SUBSÍDIO

Divisão da Terra

“Os israelitas conseguiram sua terra por meio da conquista, e cada tribo e família considerava a sua herança ou porção como vinda de Deus. A maneira como a terra foi dividida acha-se descrita na segunda metade do livro de Josué. A região foi dividida e distribuída por sortes. Uma sorte era literalmente um disco de dois lados que acreditavam estar sob o controle de Deus quando atirado. Os resultados da sorte serviam para descobrir a vontade do Senhor. Um provérbio expressa isso: A sorte se lança no regaço, mas do Senhor procede toda a sua disposição (Pv 16.33). Davi pôde, portanto, agradecer a Deus porque as divisas haviam caído em lugares prazerosos para ele — sua herança não podia ser melhor (Sl 16.6).

Uma vez determinadas, as heranças eram marcadas por uma pilha de pedras, uma característica natural, ou um sulco duplo de terra arada — e o marco não podia mais ser removido, porque isso seria alterar o presente de Deus (Dt 19.14). Pela mesma razão, vender a própria herança era desonrar a Deus. Nabote recusou vender sua vinha ao rei Acabe por essa razão” (GOWER, Raph. Novo Manual dos Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2012, pp.20.21).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *