Devemos observar um fato importante e também curioso,
é que devemos procurar a Histórica raiz da pretensão
e do irreconciliável antagonismo de Roma com Jerusalém.
A Roma pagã era, durante os primeiros séculos após e
também antes de Cristo, um inimigo de Jerusalém, porque
Israel, como propriedade peculiar de Deus, adorava o Deus
único e não os deuses de Roma e seus derivados. Antisemitismo
era, portanto, naquele tempo, antideus.
Quando, entretanto, no ano 313 d.C., o César Romano
Constantino elevou o cristianismo à categoria de religião
estatal romana, o anti-semitismo não era mais antideus, e
sim anticristo. Com isso, porém, o cristianismo foi confundido
com política e estatizado, sendo que por isso, muitos
cristãos verdadeiros daquela época, concebiam 0 cristianismo
como já tendo sido enganado por falsos cristos (Mt
24.24, etc).
a. Uma advertência. Após a Segunda Guerra Mundial,
ou seja, em 1948, três cidades surgem no campo visuai
do mundo como pretendentes do domínio mundial:
Primeiramente Roma! Com a fundação do Conselho
Mundial das Igrejas, e com isso surge o Movimento Ecumênico,
que é um enorme passo para a definitiva unificaçào
com o sistema político mundial de Roma.
Em segundo lugar, Moscou (outro inimigo mortal de
Israel), que também cobiça o domínio mundial. Os moscovitas
e seus satélites solidificaram e ampliaram neste ano,
com um enorme golpe, sua corrida em direção ao domínio
mundial. Naquela época Mao Tsé-tung conquista o Norte
da China. Na Techoslováquia ocorreu o golpe de estado comunista.
Na Alemanha Oriental foi concluída a reforma
agrária e um ano depois foi fundada a República Democrá-
ti ca Alemã.
Em terceiro lugar, quase como descreve o profeta
Isaías em uma seção de seu livro: (53.2), levanta-se Israel
no cenáculo mundial “ …como raiz duma terra seca; não tinha
parecer nem formosura…” Porém, é evidente que,
mais uma cidade (Jerusalém) apareceu no campo visual do
mundo! Por quê? Porque naquele tempo, ao lado da ascenção
de Moscou por meio da China, simultaneamente com o
Movimento Ecumênico, foi fundado o Estado de Israel.
Moscou rangeu os dentes com ira mortal, pois havia concentrado
um enorme poderio na Transjordânia, e queria
aproveitar a confusão reinante na Palestina para invadi-la.
Mas segundo dados históricos bem vividos, Harry S.
Truman, o então presidente dos Estados Unidos da América
do Norte (EUA), antecipou, porque exatamente onze
minutos após a proclamação dos Estados de Israel mandou
divulgar por todo o mundo reconhecimento por parte dos
EUA. Assim, imediatamente uma potência mundial estava
com sua proteção diante de Israel.
b. E os romanos? Estes, portanto, também se sentiram
diminuídos e, movidos, talvez, por um sentimento de
anti-semitismo, escrevem na véspera da fundação do Estado
de Israel, no dia 14 de maio de 1948, o seguinte: “ O Israel
moderno não é herdeiro do Israel bíblico. A Terra Santa
e seus lugares sagrados pertencem unicamente ao cristianismo,
o verdadeiro Israel” .
Não podemos deter o cumprimento da palavra profé-
tica. E sim, estarmos atentos! E, necessariamente, é isto
que adverte o apóstolo Pedro em sua Segunda Carta: “ E
temos mui firme a palavra dos profetas, à qual bem fazeis,
em estar atentos…” (2 Pd 1.19a). Nossa época está indo ao
encontro do fim. Quão importante é, portanto, em vista
desses fatos, que nós cristãos nos renovemos em tudo!
Pois, como sabemos, “ o mistério da injustiça já opera!” .
Mas pela infinita bondade de Deus, ainda há “ um que resiste!”
(O Espírito Santo – usando a Igreja).

 

fonte: Ecatologia Severino Pedro da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *