1870

O papa Pio IX proclama a doutrina da infalibilidade papal

O que era a Itália: apenas uma região geográfica ou uma nação unificada?

Quem governava a nova nação?

Em meados do século XIX, essas perguntas ainda aguardavam uma resposta. A Europa assistira a uma série de mudanças em 1848, à medida que a onda de nacionalismo varreria o continente. Na França, na Itália e em uma dezena de outras nações, o povo começara a reivindicar o direito de ter seu próprio país, baseado na língua e na geografia, em vez de ser governado por outras nações. A Sicília procurava uma maneira de libertar-se da monarquia de Bourbon, e o norte da Itália tentava se livrar das restrições do governo austríaco.

O novo papa, Pio IX, apoiava o Risorgimento [Ressurgimento], movimento que pretendia criar um Estado de língua italiana. O papa agradou os liberais italianos quando outorgou uma constituição aos Estados Papais. Isso, contudo, não perdurou muito tempo. Quando os revolucionários assassinaram o novo primeiro-ministro, o papa se retirou dos Estados Papais durante algum tempo. Voltou somente com a ajuda do exército francês. Naquele momento, ele via a ameaça dos liberais e queria encorajar o velho governo absolutista.

Em 1869, o papa, que fora sitiado, convocou o Concilio Vaticano i. As filosofias liberais e o nacionalismo crescente encorajaram um pensamento mais livre na igreja. Muitos sacerdotes e bispos tinham começado a pressionar o poder do papa. Em um mundo que não era mais uniformemente católico, o papado também perdera influência política. A igreja precisava avaliar a si mesma diante dos desafios do pensamento liberal e da diminuição da importância da tradição na igreja.

Em 1854, Pio IX fez um pronunciamento dizendo que a Virgem Maria concebeu sem pecado, a doutrina da Imaculada Conceição. Embora muitos católicos já aceitassem essa proposição havia vários anos, isso, agora, se tornava doutrina da igreja.

Nove anos depois, o papa deu continuidade às declarações com o Sílabo de erros. Em um esforço de deter a onda de liberalismo, ele relacionou coisas às quais nenhum católico poderia jamais dar ouvidos, por exemplo, pensamentos modernos como o racionalismo ou o socialismo, casamentos civis e muitas formas de tolerância religiosa.

O Concilio Vaticano I abordou a questão do papel que o papa desempenhava na igreja. Pio ix procurou estabelecer duas coisas: que o papa, o vigário de Cristo, tinha poder pleno e direto sobre toda a igreja e sobre toda sua hierarquia. Estabeleceu também que, quando fala excathedra (“da cadeira”, i.e., exercendo a função de papa), ele é infalível. A despeito do liberalismo na igreja, o papa saiu vitorioso no Concilio Vaticano i. Essas duas proposições se tornaram doutrina da Igreja Católica.

Embora os liberais tivessem desaprovado isso, para muitas pessoas, como os que favoreciam o absolutismo, essas medidas eram bem-vindas. Eles viviam em uma era de confusão, pois muitas coisas haviam mudado na política e na filosofia. Muitos católicos precisavam ter segurança de que algumas coisas — como o papa e os ensinamentos da igreja — permaneceriam firmes.

O papa não conseguiria manter sua autoridade política, pois, cerca de dois meses depois do Concilio Vaticano i, Vítor Emanuel n conquistou Roma, e seus habitantes aprovaram a formação do reino da Itália. Embora o papa tivesse perdido o poder temporal, ele obteve vitórias no aspecto espiritual. Do Vaticano, ele exerceu mais autoridade do que qualquer um dos mais poderosos prelados da Idade Média.

A Igreja Católica permaneceria praticamente sem alterações até o Vaticano II.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *