No início deste argumento procuramos definir cada
significado do pensamento, no que diz respeito à Morte e à
Ressurreição. Por exemplo, os termos “anhistêmi” e “egeirõ”
eram usados no grego antigo como “anástasis” e “é-
gersis” que, em si traziam a idéia de “levantar”, “erguer”,
“surgir”, “sair de um local ou de uma situação para outra”.
Já o termo latino “ressurectio” indica o ato de ressurgir,
voltar à vida. reanimar-se. Biblicamente, entende-se o
termo como o mesmo que ressurgir dos mortos (Mt
22.28.30).
A expressão – ressurreição do corpo ou da carne não se
encontra graficamente nas Escrituras que usam pelo menos
três fórmulas de expressões para denotar o sentido do
argumento.
a. A ressurreição “D E ” mortos. Esta ressurreição
compreende a seguinte ordem:
Primeiro: Antigo Testamento: O filho da viúva de Sarepta
de Sidom (1 Rs 17.21,22).
Segundo: O filho da Sunamita (2 Rs 4.34,35).
Terceiro: O homem que tocou os ossos do profeta Eliseu
(2 Rs 13.43,44).
Quarto: Novo Testamento: O filho da viúva de Naim
(Lc 7.11-17).
Quinto: A filha de Jairo (Lc 8.54,55).
Sexto: Lázaro de Betânia (Jo 11.43,44).
Sétimo: A jovem Tabita (At 9.40,41).
Oitavo: Um jovem por nome Êutico (At 20.9-12). Este
gênero de ressurreição é denominado: ressurreição natural.(
‘)
b. .4 ressurreição “D E N T R E ” os mortos. Esta ressurreição
segundo se depreende compreende a seguinte ordem:
como diz Paulo: “ …cada um por sua ordem” (1 Co
15.23):
Primeiro: Cristo, as primícias (1 Co 15.20,23).
Segundo: Os que ressuscitaram por ocasião da ressurreição
de Jesus (Mt 27.52,53), isto é, o grupo de santos visto
por Mateus, foram incluídos na palavra “primícias”,
153
dita a respeito da ressurreição de Cristo: “Cristo, as primicias”,
isto não pode ser “um só” (singular) e sim, “um feixe”
(plural), conforme passagens de Levítico 23.10; 1 Samuel
25.29 e alhures. A passagem de Mateus 27.51,52 diz
claramente que aqueles santos só “saíram” de suas sepulturas
“depois” da ressurreição de Jesus, e, portanto, têm
de seguir a ordem da ressurreição de Jesus, pois na ordem
de colheita, Ele foi o primeiro exemplar.(1,9)
Terceiro: Os que são de Cristo, na sua vinda (1 Co
15.23,24).
Quarto: As duas testemunhas escatológicas (Ap
1 1 . 11 , 1 2 ).
Quinto: Os mártires da Grande Tribulação (Ap 20.4).
Podemos denominar as duas últimas como: ressurreição
em regime especial.
c. A ressurreição “D O S” mortos. Esta ressurreição
compreende todos os seres humanos que morreram em
seus delitos e pecados. Ela é geral e abrangente (Dn 12.2;
Jo 5.28,29; Ap 20.5). Dar-se-á por ocasião do Juízo Final.
O expressivo: Todos ali “postos em pé” na passagem
do Apocalipse 20.12. Fica assim subentendida “ a segunda
ressurreição”.(14″)

 

fonte: Escatologia Severino Pedro da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *