Falar “atropelando” as palavras. Alguns pregadores, querendo parecer
pentecostais, tropeçam nas palavras. Não queira “acender o fogo” por conta
própria. Isso é obra do Espírito Santo! Apenas fale a Palavra com clareza,
como fizeram Pedro, Estêvão e Paulo (At 2.22-36; 7.2-56; 17.22-31). Tenha
cuidado, para que todos ouçam a sua voz. A pregação deve ser ouvida
claramente por todo o auditório. Mas, para isso, é preciso ter boa dicção,
pronunciar com clareza as palavras e articular bem as sílabas. O que adianta
o aparelho de som estar bem regulado, se você não pronuncia as palavras
com clareza?
Gritar. Não é preciso fazer isso! Basta falar com a clareza e a
entonação necessárias. O que é entonação? É a elevação e a diminuição da
voz, com ênfase nas expressões e palavras-chave. Digamos que você cite a
passagem de João 14.6. Quando disser que o caminho, a verdade e a vida é
Jesus, faça isso de modo convicto, com expressividade.
Atacar pessoas presentes, de modo “indireto”. O povo vibra quando os
pregadores voltam-se para os obreiros assentados na tribuna e verberam
contra eles. Num culto de que participei, certo animador de auditórios
demonstrou estar tão irritado pelo fato de eu nada sentir durante a sua
performance, que chegou ao ponto de lançar o próprio paletó ao chão e
berrar ao microfone: “Pare de me olhar com cara de delegado! Eu não sou
show-man”. Imagine se fosse…
Falar sem expressividade. As idéias e sentimentos são comunicados
pela voz. O tom baixo expressa coisas graves, tristes, enquanto o alto, prazer,
alegria, entusiasmo. A gesticulação também tem importante papel,
compreendendo a posição, o movimento, a expressão fisionômica e o uso
dos olhos. É preciso ter cuidado para não se adotar o que chamo de
imobilidade sepulcral. Não há necessidade de o pregador ficar olhando para
cada pessoa. No entanto, olhar para o teto ou para o chão o tempo todo é
uma grande barreira da comunicação. Tenha cuidado com isso. Ao pregar,
olhe para a frente; fixe o olhar no auditório. Quando for preciso dirigir-se a
um grupo em específico — por exemplo, o coral ou a mocidade —, olhe
para eles. Veja como Jesus tinha esse cuidado: “E, levantando ele os olhos
para os seus discípulos, dizia: Bem-aventurados…” (Lc 6.20).

 

fonte: Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar – Ciro Sanches Zibordi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *