Os discípulos do Senhor lhe perguntaram: “Que sinal haverá
da tua vinda?” (Mt 24.3). E, ao lhes responder sobre os sinais da
Segunda Vinda, o Mestre não fez distinção entre o Arrebatamento
da Igreja e a sua manifestação em poder e glória, indicando que os
acontecimentos previstos serão cada vez mais intensos, até o fim
da Grande Tribulação. A cada dia, haverá mais ataques terroristas,
guerras, revoluções, terremotos, coisas espantosas, ódio, egoísmo,
violência, fomes, epidemias, degradação moral, etc.
Desde a profecia do Senhor Jesus, de que haveria terremotos em
vários lugares, têm ocorrido inúmeros abalos sísmicos em diversas
partes do mundo. Os ateus, agnósticos, ateóiogos e teólogos liberais
vêm afirmando que os tais não podem ser considerados sinais
da Segunda Vinda, posto que são corriqueiros, comuns, em razão
do deslocamento constante das placas tectônicas. No entanto, ao
estudarmos os sinais da volta de Jesus e do fim do mundo, vemos
que não são as ocorrências em si que apontam para a chegada de
um evento escatológico, e sim a intensificação delas.
Em Lucas 21.11, o Senhor asseverou: “haverá, em vários lugares,
grandes terremotos, e fomes, e pestilências; haverá também
coisas espantosas e grandes sinais do céu”. Além dos abalos sísmicos
considerados comuns, decorrentes do deslocamento das placas
tectônicas, é preciso observar a proliferação de terremotos e a sua
magnitude. Deve-se considerar que sismos têm ocorrido até mesmo
em áreas distantes do deslocamento das aludidas placas. Eles vêm
acontecendo até mesmo no Brasil, o que, há algum tempo, estava
fora de cogitação. Não é isso um indicador da Segunda Vinda?
Juntamente com terremotos, fomes e pestilências, Jesus vaticinou
que haverá “coisas espantosas”. Que coisas seriam essas? A
Palavra de Deus não as especifica. Contudo, assim como o apóstolo
Paulo, ao falar das obras da carne, empregou a expressão “coisas
semelhantes a estas” (Gl 5.21), o Senhor Jesus preferiu omitir
as catástrofes similares aos sinais mencionados. Ou seja, podem
estar implícitos na aludida expressão os furacões, os tufões, os
tornados, as erupções vulcânicas, as quedas de meteoros e outros
acontecimentos terríveis semelhantes aos mencionados.
Em Lucas 21.25, o Senhor Jesus disse: “E haverá […] angústia
das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas”.
Essa passagem alude ao fim da Grande Tribulação, quando
o Senhor aparecerá com poder e grande glória (v. 27). Nesse caso,
o terremoto ocorrido em 26 de dezembro de 2004, no fundo do
Oceano Índico — atingindo nove graus na escala Richter, devastando
boa parte dos países Indonésia, Sri Lanka, índia, Tailândia,
Malásia, Maldivas e Bangladesh — , foi mais do que um sinal da
Segunda Vinda. Sem dúvidas, aquele tsunami pode ser considerado
uma amostra do que acontecerá na Terra quando Deus julgar a
Besta e seus adoradores (Ap 6.12; 8.5; 11.13,19; 16.18).

 

fonte: Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *