Esta pergunta freqüentemente é feita pelo povo de
Deus. Então haverá possibilidade de salvação durante o
período da Grande Tribulação? Respondemos qye sim: haverá!
É claro, portanto, que haverá santos de Deus durante
o período crítico desse sofrimento, porém, não serão
“ membros do Corpo de Cristo” (a Igreja da Graça), pois
este é constituído por aquele grupo que pertenceu à Dispensação
da Graça. Serão crentes individuais, como nos
tempos do Antigo Testamento e, mediante dois dispositivos
(o sangue e a fé), serão capazes de testemunhar acerca
de Cristo e de sua Redenção.
Participarão do reino e gozarão das bênçãos do Senhor,
de maneira maravilhosa, mas não serão incluídos no
Corpo de Cristo, o qual ocupa um lugar bem distinto através
de toda a eternidade.(56)
a. Todas as referências ao Cordeiro de Deus no Apocalipse
implicam em expiação de sua morte. O arrebatamento
da Igreja não limitou todos os métodos da Redenção do
Deus Todo-poderoso. Ele sempre teve (e sempre terá)
“ …seu caminho na tormenta” (Na 1.3).
Na passagem do Apocalipse 7.9 e ss está pintada uma
vasta multidão que se diz ter “ vindo da Grande Tribulação”
. “ Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão,
a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos,
e povos, e línguas…” (57) Devemos ter em mente que esta
vasta multidão que se declara aqui ser “ …de todas as nações”
, não deve ser confundida com Israel e a Igreja. Este é
o poderoso ajuntamento de almas que predissera o profeta
Joel ao dizer que no “ dia do Senhor” todo o que invocasse o
seu nome seria salvo (J1 2.30-32; At 2.16-21).
b. Esta grande multidão vista nesta seção, clama agora
“ salvação a Deus e ao Cordeiro!” Na antevisão (Ap 6.9-
11), a cena se desenrola na terra: visto que, aquelas almas,
mesmo debaixo do altar divino, clamavam por vingança!
Aqui, porém, a cena tem lugar no Céu. Na terra, durante a
Grande Tribulação, sofreram toda a tirania do Anticristo.
Agora, porém, tudo é inverso! Evidentemente, sem
sombra de dúvida, são os convertidos da Grande Tribulação
que são vistos aqui e em outras seções que se seguem.(58)
c. Ora, durante o tempo da Dispensação da Graça (antes
do arrebatamento da Igreja), a salvação era analisada a
posteriori.
Este argumento consiste em partir dos “ efeitos para as
causas” ; das conseqüências ou princípios particulares
para os gerais ou causas primeiras. É, portanto, um processo
indutivo. Mediante esta fórmula, o pecador arrependido
partia de uma premissa menor (o arrependimento)
para uma premissa maior (o aperfeiçoamento) chegado até
sua glorificação. Porém, segundo se depreende, com o arrebatamento
da Igreja, essa fórmula inverte seu padrão, isto
é, ao invés de “a posteriori” (do efeito para a causa), agora é
visto a priori.
Este argumento consiste em partir das causas para os
efeitos; dos princípios gerais para os particulares ou para
as conseqüências. Este princípio também é chamado de
“ dedução” ou “ inferência” . Ora, durante a Grande Tribulação,
os homens (que olharem para Cristo) serão salvos,
não pela ação direta da graça, e, sim, pelo seu efeito!(59)
d. “ …estes são os que vieram da grande tribulação”
(Edição Revista e Atualizada). Esta grande seção, e outras
similares contêm a resposta à pergunta de João feita no
princípio ao Ser superior: o ancião (Ap 7.13). Este ancião
pode ser igual a João, mas na esfera celestial tornou-se
maior! (cf. 1 Jo 3.2). Ele então lhe responde sem hesitação:
“ …são os que vieram da grande tribulação” .(60)
Assim, a Grande Tribulação, segundo Scofield interpreta
na Bíblia, “ será, também, um período de salvação.
A eleição de Israel é selada para Deus (Ap 7.4-8), e,
com uma multidão de gentios (Ap 7.9 e ss), é declarada ter
vindo “ da grande tribulação” (Ap 7.14).
“Esta seção revela que, mesmo fora da Dispensação da
Graça, pode haver salvação, mas sempre baseada na morte
expiatória de Cristo. A Justiça de Deus se exerceu sobre o
Cordeiro, e só através da cruz pode o homem, em qualquer
circunstância, alcançar o perdão” .(61)
A idéia apresentada no que diz respeito à salvação do
homem, agora e depois, combina diversos elementos encontrados
na pessoa de Cristo, e o que Ele significa em to72
das as épocas, tenciona transmitir a idéia de que Cristo é
tudo em todos agora e na eternidade! Mas ninguém deve
valer-se de sua misericórdia para permanecer indiferente.
Pois em qualquer época ou lugar, existiram salvos e perdidos
(cf. Mc 16.16; Rm 11.18-21).

 

fonte: Ecatologia Severino Pedro da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *