Alguns pais costumam chamar o filho de “peste” ou
têm o hábito de comentar: “Você não sabe a peste que eu
tenho em casa! ”. Peste é uma doença contagiosa, uma
epidemia, algo grave e nocivo que se dissemina, causando
danos e perdas.
É isso que você está dizendo de seu filho. Às vezes, a
expressão é minimizada: “Seu pestinha! ”. Contudo, não
passa de inflexão do substantivo, a força da palavra continua a
mesma. O título original em inglês do filme O pestinha, de
Dennis Dugan, é Problem Child, isto é,
“criança-problema”. O
título brasileiro foi escolhido por-que é assim que chamam as
crianças arteiras, inteligentes e agitadas em nosso país, mas
isso não é correto.
Ao rotular seu filho de peste, você está desistindo de impor
limites, se conformando com a situação. As regras são
necessárias à formação da criança. Será que você jogou a
toalha e justifica sua negligência afirmando que é impossível
lidar com uma peste?

Consequências
Assumir o rótulo de peste é o mesmo que receber
autorização para a anarquia. A criança irá se investir do
sentimento de onipotência em relação ao mal. É como se
recebesse autorização para praticar o que lhe vier à cabeça. Ela
crescerá desdenhando as leis. Irá contestar a autoridade
paterna, dos professores, da pátria, das instituições, dos
chefes, de tudo e de todos. As comunidades terapêuticas para
recuperação de dependentes e delinquentes estão cheias de
pessoas que ouviram esses vaticínios de seus pais.

O que dizer?
Diga ao seu filho: “Existem regras, e você precisa
obedecer a elas. Os limites nesta casa têm de ser respeitados!”.
Faça essas observações olhando de frente, olho no
olho, para seu filho. Toda criança quer saber até onde pode ir.
Na criação de filhos, o “não” tem seu lugar e hora, tanto
quanto o “sim”.
Lembre-se: afeto, normas e exemplo são os três
fundamentos em que se apoia a estrutura psíquica equilibrada.
Até mesmo a auto segurança, o senso de identidade e a
autoestima têm relação direta com os limites impostos pelos
pais.

FONTE: 50 Coisas que os pais nunca
devem dizer aos filhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *