Lição 10 – Bendiga ao Deus Criador

Lição 10 do 2° Trimestre de 2023, Jovens 

dia: 4 de Junho de 2023

TEXTO PRINCIPAL
“Bendize, ó minha alma, ao SENHOR! SENHOR, Deus meu, tu és magnificentíssimo; estás vestido de glória e de majestade. […] Bendize, ó minha alma, ao SENHOR. Louvai ao SENHOR.” (Sl 104.1,35)
 
RESUMO DA LIÇÃO
Deus é majestoso e glorioso, e suas obras revelam a sua magnificência. Por isso, somos chamados a louvá-lo, meditar em seus feitos e bendizê-lo por toda a vida.
 

LEITURA SEMANAL

SEGUNDA – Is 40.22 Deus está assentado sobre o globo da Terra
TERÇA – SI 96.6 “Glória e majestade estão ante a sua face”
QUARTA – At 17.24,28a Nele vivemos, nos movemos e existimos
QUINTA – Ec 3.1-8 O tempo determinado para as coisas
SEXTA – Rm 11.33-36 A sabedoria insondável de Deus
SÁBADO – Zc 12.1; Rm 8.16 A vida interior é uma criação de Deus
 

OBJETIVOS

1- EXPLICAR a glória e a majestade de Deus apresentada no Salmo 104;
2- CONSCIENTIZAR de que Deus governa a criação;
3- SABER que o Salmo 104 é um convite para nos deleitarmos no bem do Senhor.
 

INTERAÇÃO

Professor (a), nesta lição estudaremos o Salmo 104. Veremos que ele é um hino que celebra as obras de Deus.
Enfatize aos alunos que o estudo deste Salmo vai nos trazer uma compreensão ainda maior a respeito do Deus que governa a Criação. Veremos que o Senhor não somente criou todas as coisas mediante o poder da sua palavra, Ele também a sustenta.
Aproveite a temática da lição e promova uma reflexão a respeito dos feitos do Senhor. Mostre que somente o Ele é digno de que venhamos bendizê-lo para sempre. Você verá que esta lição é um convite para, a partir da perfeição da obra de Deus, encontrarmos sentido para superar obstáculos em todas as áreas da nossa vida.
 

TEXTO BÍBLICO

1 Bendize, ó minha alma, ao SENHOR! SENHOR, Deus meu, tu és magnificentíssimo; estás vestido de glória e de majestade.
2 Ele cobre-se de luz como de uma veste, estende os céus como uma cortina.
3 Põe nas águas os vigamentos das suas câmaras, faz das nuvens o seu carro e anda sobre as asas do vento.
4 Faz dos ventos seus mensageiros, dos seus ministros, um fogo abrasador.
5 Lançou os fundamentos da terra, para que não vacile em tempo algum.
9 Limite lhes traçaste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.
10 Tu, que nos vales fazes rebentar nascentes que correm entre os montes.
11 Dão de beber a todos os animais do campo; os jumentos monteses matam com elas a sua sede.
12 Junto delas habitam as aves do céu, cantando entre os ramos.
19 Designou a lua para as estações; o sol conhece o seu ocaso,
20 Ordenas a escuridão, e faz-se noite, na qual saem todos os animais da selva.
21 Os leõezinhos bramam pela presa e de Deus buscam o seu sustento.
22 Nasce o sol e logo se recolhem e se deitam nos seus covis.
23 Então, sai o homem para a sua lida e para o seu trabalho, até à tarde.
24 Ó SENHOR, quão variadas são as tuas obras! Todas as coisas fizeste com sabedoria; cheia está a terra das tuas riquezas.
35 Desapareçam da terra os pecadores, e os ímpios não sejam mais.
Bendize, ó minha alma, ao SENHOR. Louvai ao SENHOR.
 

INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos um hino de louvor que celebra as obras de Deus. Nesse sentido, trataremos a respeito da glória e da majestade divinas. Veremos também como Deus governa a Criação, destacando seu poder criador, ordenador e sustentador. E, finalmente, refletiremos a respeito do convite do salmista a cantar ao Senhor, meditar em seus feitos e bendizê-lo para sempre. Esta lição é um convite para, a partir da perfeição da obra de Deus, encontrarmos sentido para superar obstáculos em nossa vida espiritual
 

I – A GLÓRIA E A MAJESTADE DE DEUS

1. Estrutura do Salmo 104.
O Salmo 104 inicia e encerra com a seguinte expressão: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor!”. Ele é um hino de celebração da criação de Deus, das coisas ordenadas e sustentadas por Ele mesmo. Muitos estudiosos o remontam ao primeiro e ao segundo capítulo de Gênesis.
Por isso, podemos apreciar uma divisão do Salmo 104 parecida com os dias de Gênesis: Primeiro dia: Luz (v.2a); segundo dia: divisão das águas (vv.2b-4); terceiro dia: separação entre a terra e a água (vv.5- 13). vegetação e árvores (vv.14-18); quarto dia: luzeiros como guardião do tempo (w.19-24); quinto dia: criaturas marinhas (vv. 25,26); sexto dia: animais terrestres, o homem (vv.21-24) e alimentos para as criaturas (vv.27-30). Assim, essa estrutura revela a majestade e a glória do Criador e, por isso, somos convidados a deleitar a nossa alma à vista do maravilhoso trabalho manual do Deus Todo-Poderoso.

2. Deus está vestido de glória e majestade.

Os versículos 1 e 2 dizem que Deus está vestido de glória e de majestade, além dos céus serem uma “cortina”, as águas, “o vigamento de sua morada”, bem como os anjos e ministros, “ventos e labaredas de fogo” (vv.3,4). É o Deus que está assentado sobre o globo da Terra (Is 40.22); em que a “glória e majestade” revelam a sua face e o seu santuário revela sua “força e formosura” (Sl 96.6). Logo, os quatro primeiros versículos do Salmo 104 revelam razões preciosas para que os seres humanos exaltem e adorem a Deus.

3. Contemplando a glória de Deus.

É bem possível que você esteja vivendo dias em que não se sinta disposto (a) a bendizer ao Senhor. Pode ser que uma “tormenta” misturada ao “furacão” tenha se abatido sobre a sua vida. Uma decepção com o vestibular ou outra com uma vaga de emprego que não se abriu, uma decepção afetiva ou qualquer outra circunstância que trouxe incômodo à sua alma. Muitas vezes a nossa fé é posta à prova diante de uma experiência de sofrimento.
Uns acabam perdendo a fé nesse processo, mas outros conseguem superá-lo e sair fortalecidos com a força do Espirito Santo. Isso acontece quando eles compreendem que o Deus majestoso revela a sua glória, força e formosura até mesmo em momentos sombrios (Is 40.22; SI 96.6). Ainda que o momento seja de vazio e sem forma, todavia, Deus é poderoso para dar um acabamento perfeito. A ordem e a sustentação da Criação nos revelam um Deus majestoso e formoso que ordena e sustenta a nossa vida por completo (At 17.24,28a).
 

SUBSÍDIO 1

Professo (a), explique que o Salmo 104 é “um hino a respeito da criação de todas as coisas, efetuada por Deus, e do seu providente cuidado concernente a todas as suas obras, Ressalta o seu interesse e cuidado em tudo que Ele criou, pois Ele está presente no mundo e o sustém. Aquilo que Deus continua fazendo no universo revela a sua glória. Todavia, a criação executada por Deus está maculada pelo pecado e pelo mal; por isso, o Salmo termina com uma oração para Deus remover da criação todo mal e todas aqueles que vivem na iniquidade (Rm 8.19-23).
 

II – DEUS GOVERNA A CRIAÇÃO

1. Deus criou.
A questão de apresentar Deus como o Criador é de grande importância para nós, os cristãos. Ela responde às perguntas: “De onde viemos?”, “Qual é a nossa origem?” “Para onde vamos?”. São perguntas que remontam o sentido da vida. Diante de muitas tentativas humanas em responder qual o sentido da vida e às questões do início e do fim da existência, o Salmo 104 afirma que Deus criou a luz (v.2a), dividiu as águas (vv.2b-4). criou a vegetação e as árvores (vv.14-18), criou as criaturas marinhas (vv.25.26), criou os animais terrestres, o homem e os alimentos para as criaturas (vv.21-30).
Nesse sentido, tudo o que vemos na Criação tem a assinatura celestial do Criador. Ora, sem Deus não haveria o sol, a lua, as estrelas, o céu, a terra, os animais. Sem Deus você não existiria.

2. Deus ordenou.

Deus não apenas criou, mas Ele ordenou a sua Criação. Certo filósofo da antiguidade disse que próprio do sábio é ordenar. Deus é todo sábio (v.24; Rm 11.33-36) e, por isso, ordenou a sua criação (vv.19-22). Pense nos ciclos das estações do ano: o verão, o outono, o inverno e a primavera.
Tudo ordenado pelo Criador. Pense no ciclo vital das plantas: germinação da semente, crescimento da planta e produção de novas sementes. Assim também no ciclo vital dos seres vivos: nascem, desenvolvem-se, reproduzem-se e morrem. Pense ainda nas fases de desenvolvimento do ser humano: infância, adolescência, fase adulta e velhice. Tudo na Criação, tanto humana quanto vegetal, tem um tempo estabelecido e ordenado por Deus (Ec 3.1-8). Isso não é aleatório ou por acaso, mas revela um Criador que ordenou, com precisão, o que criou (Gn 1.6-13). Por acaso, a sua vida não pode ser ordenada por Ele?

3. Deus sustenta.

Deus criou, ordenou e não abandonou a sua Criação (v.5). Ele estabeleceu as Leis naturais que garantem o sustento e o desenvolvimento de tudo que formou (vv, 11-15). A respeito do ser humano, a Palavra de Deus diz: “Fala o Senhor […] que forma o espírito do homem dentro dele” (Zc 12.1).
Já parou para pensar que, além do sustento físico, Deus sustenta a vida interior do ser humano?
Você tem dentro de si algumas faculdades cognitivas sem as quais a vida seria impossível:
1) memória;
2) atenção;
3) imaginação;
4) vontade;
5) linguagem etc. É por meio dessas faculdades que a Palavra de Deus comunica para nós a vontade divina e o Espírito Santo esclarecemos a respeito de verdades celestiais (Rm 8.16).
Por isso, o Senhor Jesus afirmou:
“[…] Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4,4). Ora, Ele sustenta você física, emocional e espiritualmente.
 

SUBSÍDIO 2

Professor (a), explique que Deus governa e sustenta a sua criação. “Ele cuida para que eles tenham moradia adequada. Deus concedeu sabedoria aos homens para que construam por si mesmos e para o rebanho que é útil para eles, todavia, há algumas criaturas para as quais Deus provê mais imediatamente abrigo. Algumas aves, por instinto, constroem seus ninhos em arbustos próximos de rios: Nas nascentes que correm entre os moentes, habitam as aves do céu, cantando entre ramos (v. 12). Elas cantam de acordo com sua capacidade para honra de seu Criador e benfeitor, e o canto delas envergonha o nosso silêncio, ‘Nosso Pai celestial as alimenta’ (Mt 6.26), por isso, elas são tranquilas, alegres e não pensam no amanhã.”
 

III – UM CONVITE PARA DELEITAR-SE NO BEM DO SENHOR

1. Cantarei ao Senhor.
Por tudo o que Deus fez e faz, o salmista diz: “Cantarei ao SENHOR enquanto eu viver” (v.33).
É um convite para viver de maneira em que a vida seja digna de louvar a Deus. Assim, cante ao Senhor porque Ele criou você! Cante ao Senhor porque Ele ordena a sua vida! Cante ao Senhor porque Ele sustenta a sua vida! Em Deus, tudo é motivo para louvá-lo.

2. A minha meditação.

Uma vida de louvor a Deus não pode ser dissociada de uma vida de meditação. Por isso, o salmista afirma: “A minha meditação a seu respeito será suave”; e por isso, “eu me alegrarei no Senhor” (v.34). Os judeus sempre tiveram em alta conta a prática da meditação bíblica. No Ocidente, infelizmente, essa prática não é muito comum. A meditação bíblica tem a ver com a ideia de pensar de maneira bem concentrada a respeito de algo bíblico e espiritual. Isso pode ser feito antes de um período de oração e após a leitura de uma porção bíblica.
Por exemplo, nesta lição, estudamos a respeito da majestade de Deus, como Criador, Ordenador e Sustentador da Criação. Seria muito proveitoso parar um pouco e meditar a respeito disso. Algumas perguntas, a partir do texto bíblico lido, ajudam nesse processo: “a visão de Isaías 61-3. ajudamos a contemplara beleza da majestade do Senhor”;
“Como posso contemplar a majestade e glória de Deus?”
O que eu era antes de Deus me criar?”;
“Que impacto tem em mim a verdade de que Deus me criou do nada?”;
“Consigo observar Deus organizando o seu plano em minha vida, na infância, na juventude e na fase adulta?”;

“Percebo os dias bem específicos em que contemplei a provisão de Deus?” Essas perguntas meditativas devem ser feitas em profunda contrição espiritual e quebrantamento de espírito, com uma consciência de que Deus está presente. Quando praticamos isso de maneira disciplinada, somado à nossa vida de oração, o resultado é o seguinte: “eu me alegrarei no Senhor” (v. 34).
Após uma semana de prática, é notória a diferença em nossa vida espiritual. A prática da meditação bíblica tem base na Bíblia e na história da Igreja. Homens de Deus do passado, como John Wesley, praticavam a meditação bíblica. Teremos muito proveito espiritual ao meditarmos em diferentes porções das Escrituras Sagradas.

3. Bendize, ó minha alma, ao SENHOR.

Finalmente, o Salmo encerra-se com o salmista exortando a própria alma a bendizer ao Senhor (v.35). Lembre-se de que a expressão “Bendize, ó minha alma, ao SENHOR” também inicia este Salmo. Fica claro que, independente do que esteja acontecendo em nossa vida, temos muitos motivos para deleitarmos em Deus. Após cantar ao Senhor e meditar em suas obras não há outra coisa a fazer, senão: “Bendize, ó minha alma ao SENHOR” (v. 35).
 

SUBSÍDIO 3

Professor (a), faça a seguinte indagação: “Você já louvou a Deus hoje pela sua criação?” Ouça os alunos com atenção e incentive a participação de todos. Em seguida, explique que “o salmista louvou muito a Deus: ‘Cantarei ao Senhor; LI ao meu Deus, Louvá-lo-ei como Jeová, o Criador; e como meu Deus, o Deus da aliança comigo, e não só agora, mas enquanto eu viver e enquanto existir (v. 33).”
 

CONCLUSÃO

Nesta lição, contemplamos a glória e a majestade de Deus. Aprendemos que esse ser glorioso criou todas as coisas, e não somente as criou: ordenou todas as coisas, e não somente as ordenou; Ele sustenta todas as coisas. Isso é muito consolador, pois entendemos que não fomos deixados sozinhos no mundo. Deus está conosco! Por isso, esse é o tempo em que devemos cantar ao Senhor, meditar em suas obras e bendizê-lo verdadeiramente.
 

HORA DA REVISÃO

1. De acordo com a lição, o que é o Salmo 104?
Ele é um hino de celebração da criação de Deus, das coisas ordenadas e sustentadas por Ele mesmo.
 
2. O que os quatro primeiros versículos do Salmo 104 revelam?
Os quatro primeiros versículos do Salmo 104 revelam razões preciosas para que os seres humanos exaltem e adorem a Deus.
 
3. Segundo a lição, o Salmo 104 apresenta Deus de três formas quanto ao seu governo da Criação. Quais são?
Deus criou: Deus ordenou e Deus sustenta.
 
4. O que a meditação bíblica tem a ver?
A meditação bíblica tem a ver com a ideia de pensar de maneira bem concentrada a respeito de algo bíblico e espiritual. Isso pode ser feito antes de um período de oração e após a leitura de uma porção bíblica.
 
5. Como o Salmo 104 encerra?
O Salmo encerra com o salmista exortando a própria alma a bendizer ao Senhor (v.35).

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *