3º Trimestre de 2009

Data: 06 de Setembro de 2009

TEXTO ÁUREO

“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores” (Mt 7.15).

VERDADE PRÁTICA

Conhecer a Palavra de Deus e praticá-la todos os dias nos tornará aptos a identificar as falsas doutrinas, bem como identificar os falsos profetas.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – 1 Tm 1.3-7

Advertência contra as falsas doutrinas

Terça – 1 Tm 6.3-10

Os falsos mestres e a busca de riqueza ilícita

Quarta – 2 Tm 2.14-18

Os falsos profetas estão desviados da verdade

Quinta – Gl 1.6-9

O ensino estranho à Palavra é maldito

Sexta – Mq 3.5-11

O castigo dos falsos profetas

Sábado – 2 Pe 2.1-3,12-19

Ainda há falsos profetas entre nós

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 João 4.1-6.

1 – Amados, não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.

2 – Nisto conhecereis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;

3 – e todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que está já no mundo.

4 – Filhinhos, sois de Deus e já os tendes vencido, porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo.

5 – Do mundo são; por isso, falam do mundo, e o mundo os ouve.

6 – Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro.

INTERAÇÃO

Caro professor, vivemos dias em que o falso mostra-se tão bem vestido de verdadeiro, que, se possível fosse, enganaria até mesmo os escolhidos. São falsos milagres, falsos milagreiros, falsos ensinos, falsos mestres, falsas profecias e falsos profetas. Por isso, sua responsabilidade é grande. Você possui a função de fundamentar a fé de seus alunos nos alicerces sólidos da Palavra de Deus, a fim de que, sob estrutura firme, suas casas espirituais não sejam abaladas pelos “ventos de doutrina”.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Definir os termos profeta e profecia.
Explicar como se julgam as profecias e os profetas.
Apontar os falsos ensinos ressaltados na lição.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Utilize o quadro informativo a respeito das quatro peneiras pelas quais a profecia deve ser avaliada para introduzir o tópico 2.

1ª Peneira – O modo como a profecia é expressa – 1 Co 14.29-33,39,40

2ª Peneira – O propósito da profecia – 1 Co 14.3

3ª Peneira – O conteúdo da profecia – 2 Tm 3.16,17

4ª Peneira – O cumprimento da profecia – Dt 18.20-22; Jr 28

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Profecia: Declaração da mente e do conselho de Deus. (VINE)

Sempre houve no meio do povo de Deus impostores, que falavam falsamente em nome do Senhor, isto é, aquilo que o Eterno não falara, conduzindo o povo incauto ao erro. Este assunto é tão atual como o foi nos tempos de Jeremias (Jr 14.14; 23.25; 28.15), de Jesus (Mt 7.15) e dos apóstolos (At 13.6; 20.30; 2 Pe 2.1; 1 Jo 4.1). Que o Senhor, por sua misericórdia, levante homens e mulheres aptos a defender a Igreja contra os falsos profetas desses últimos dias (Mt 24.11,24; 2 Pe 2.1.

I. CONCEITOS

1. Profeta. Na Bíblia, o termo profeta designa aquele que é chamado por Deus para transmitir a mensagem divina ao povo (Jr 1.5,9; Ez 2.1-7; Dt 18.18). Em outras palavras, os autênticos profetas são porta-vozes de Deus; o próprio Senhor os chama “meus profetas” (Sl 105.15; Jr 7.25). Sua responsabilidade é de grande peso (Ez 2.1-7; 3.10,11), uma vez que eles são, na verdade, “homens de Deus”, conforme está dito onze vezes em 1 Reis 4. Estes servos de Deus transmitem a Sua vontade e seus desígnios, além de desvendar o futuro segundo a inspiração do Espírito Santo. Todavia, a própria Palavra de Deus nos orienta que devemos nos acautelar dos falsos profetas (Mt 7.15).

2. Profecia. A profecia, tanto no Antigo como no Novo Testamento, é primeiramente declarativa e, depois, preditiva. A profecia preditiva revela-nos o plano divino em relação a Israel, a Igreja, aos gentios e a plena chegada do Reino de Deus. A maior parte das profecias, porém, é declarativa, pois é constituída de exortação, admoestação, encorajamento, promessa, advertência, julgamento, consolo. Em o Novo Testamento, a profecia é um meio divino de orientar, exortar e edificar a igreja (1 Co 14.3,4).

a) Aspectos da atividade profética. A profecia pode ser vista na Bíblia como um ministério permanente recebido de Deus (2 Rs 17.13; Jr 7.25; Lc 16.16; Hb 1.1); um dom ministerial na igreja (Ef 4.11-13; 3.5); e um dom espiritual na congregação (At 2.17,18; 1 Co 12.10; 14.1-4). O “dom de profecia” é uma capacitação sobrenatural do Espírito Santo concedida para transmitir a mensagem divina.

b) A profecia como dom ministerial em o Novo Testamento. A profecia como ministério profético não é uma pregação comum; é uma mensagem vinda diretamente do Espírito Santo. A pregação habitual, no entanto, é preparada antecipadamente (1 Tm 5.17). Como precisamos deste dom hoje na igreja! Ver Provérbios 29.18; Atos 15.32.

O profeta é um arauto da santidade de Deus; sua missão é expor com unção os padrões da santidade divina para o povo. O seu espírito ferve com santo zelo para anunciar a santidade de Deus e de tudo o que é dEle! O profeta de Deus faz os santos regozijarem-se no Senhor, mas também faz o ímpio estremecer e considerar o seu mau caminho. Ver Atos 24.24,50.

c) O dom de profecia (1 Co 12.10; 14.3,31). A profecia é o principal dom espiritual porque edifica a congregação (1 Co 14.4). Além disso, a profecia é um “sinal” para a igreja, enquanto as línguas são um “sinal” para os infiéis (1 Co 14.22).

d) A natureza da profecia. Devemos discernir a “profecia da Escritura”, a qual é inerrante (2 Pe 1.20), da profecia da Igreja; esta deve ser julgada e só então acatada (1 Co 14.29). A manifestação do dom de profecia durante o culto deve ter limite. “Falem dois ou três profetas” (1 Co 14.29). Isto é, a maior parte do tempo do culto tem de ser destinada à exposição da Palavra de Deus, porque sendo esta soberana jamais poderá ser substituída pelo dom de profecia.

SINOPSE DO TÓPICO (I)

A profecia pode ser vista na Bíblia como um ministério permanente, um dom ministerial e um dom espiritual.

II. A FALSA PROFECIA

Atualmente, observamos diversas pessoas correndo de igreja em igreja em busca de “profecias” e de “revelações”. Tais “crentes”, na verdade, querem respostas para seus problemas pessoais (2 Tm 4.3). Como já vimos em 1 Coríntios 14.3, o propósito divino da profecia é consolar, exortar e edificar. Qualquer profecia que fuja a este propósito não procede de Deus e jamais se cumprirá (Dt 18.22).

1. Julgando as profecias pela Palavra. A profecia na igreja necessita ser julgada (1 Co 14.29), mas quais os parâmetros para o seu julgamento? A resposta é a própria Palavra de Deus, que é nosso modelo áureo e referência plena de fé; o guia da nossa vida, do nosso culto ao Senhor, e do nosso desempenho no seu trabalho (2 Tm 3.16,17). Qualquer profecia na igreja que entre em conflito com os ensinamentos e doutrinas bíblicas não pode vir de Deus.

Os falsos mestres e profetas, como nos tempos do Antigo Testamento, enganam o povo, porque são emissários do Diabo (Jo 8.44). Todavia, a Bíblia declara: “Nenhuma mentira vem da verdade” (1 Jo 2.21). O crente fiel, que sempre ora e lê a Palavra de Deus, compara aquilo que ouve com o que está escrito na Escritura, a fim de comprovar a veracidade das profecias enunciadas na igreja.

2. Julgando o falso profeta pelos frutos. Jesus Cristo nos adverte a respeito de falsos profetas que se infiltram no meio do povo de Deus. Apesar da aparênciade piedade, não passam de agentes de Satanás; sua missão: corromper a fé dos salvos e destruir a unidade da Igreja (Mt 7.15-23). Muitos deles operam sinais e prodígios (Mt 24.24), mas tudo isto fazem sob a eficácia de Satanás (2 Ts 2.9,10). Como identificá- los? Como saber se estão em nosso meio? A resposta é: conhecendo a Palavra de Deus e tendo o discernimento pelo Espírito Santo. Além disso, os seus frutos são uma irrefutável evidência de sua mentira e falsidade (Gl 5.22,23). A árvore má não pode dar frutos bons (Mt 7.16-20).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

As profecias devem ser julgadas de acordo com as orientações expostas na Bíblia, e os profetas, pelos seus frutos.

III. ENSINOS FALSOS

Uma característica dos falsos mestres é ensinar o que as pessoas querem ouvir independentemente se estão erradas ou não (Jr 5.31; 1 Rs 22.12-14). Deus age de forma diferente para conosco. Ele fala, não o que gostamos de ouvir, mas o que precisamos ouvir, e corrige-nos sempre quando estamos errados porque nos ama (Hb 12.4-13).

1. A busca do ser humano pela prosperidade. Desde o princípio, o ser humano luta para adquirir e acumular riquezas, geralmente, de modo ilícito. Atualmente, esta busca tornou-se uma alucinação. A crise econômica mundial, o anseio por manter-se a salvo da miséria, o incentivo da mídia por um consumismo cada vez mais exacerbado e as incertezas do amanhã, formam um ambiente ideal para o surgimento de falsas doutrinas e profecias. O povo não se satisfaz com o que o Senhor garante aos seus filhos (Mt 6.25-33; Pv 30.8,9), mas deseja riquezas que, muitas vezes, são vistas como bênçãos divinas. A Bíblia adverte-nos contra essa busca insensata pelos bens e contra os que a encorajam mediante os seus ensinos (1 Tm 6.6-11, 17-19; Sl 62.10).

2. O menosprezo da glória de Cristo. Os vv.1-3 da “Leitura Bíblica em Classe” são, em primeiro plano, uma refutação ao gnosticismo, um falso credo que negava a divindade de Cristo nos primeiros séculos da Igreja. Os ensinos dos gnósticos negam o sofrimento de Jesus e o valor de seu sacrifício na cruz para expiação dos pecados e salvação dos pecadores. (1 Pe 2.21-24; Rm 5.5-9; 2 Co 5.21).

O sofrimento de Cristo na cruz e sua morte sequencial são dois elementos que comprovam a sua humanidade. Este mesmo Jesus ressuscitou em corpo glorioso e entrou onde estavam os discípulos reunidos a portas fechadas. Os discípulos que tocaram nEle após sua ressurreição viram-no ser assunto aos céus, e os anjos que ali estavam, afirmaram que o Senhor que ascendera aos céus, de lá voltará (At 1.10,11).

Hoje, muitos falsos profetas tentam afastar a Igreja do seu alvo descrito nas Escrituras, mediante a pregação de um evangelho fácil, sem renúncia, sem compromisso, sem santidade; um evangelho que apregoa apenas o apego pelos bens materiais. Assim como um marketing empresarial, tal evangelho emprega a mídia audiovisual com o objetivo de manipular as emoções do homem.

SINOPSE DO TÓPICO (III)

Os ensinos falsos consistem geralmente na busca do ser humano pela prosperidade e no menosprezo da glória de Cristo.

CONCLUSÃO

Deus sempre advertiu seus servos contra os falsos profetas. Portanto, devemos estar prevenidos contra todo e qualquer ensino ou profecia que não esteja em consonância com a Palavra de Deus, sabendo que o fim desses promotores da maldade, que intentam desviar o povo de Deus, é perecer em sua própria corrupção (2 Pe 2.1-22).

VOCABULÁRIO

Acautelar: Ter cuidado.

Incauto: Ignorante.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

EARLE, R. Comentário Bíblico Beacon. RJ: CPAD, 2006.

ZUCKY, R. B. Teologia no Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008.

EXERCÍCIOS

1. Defina o termo profeta.

R. O termo profeta designa aquele que é chamado por Deus para transmitir a mensagem divina ao povo.

2. Qual a diferença entre profecia preditiva e declarativa?

R. A profecia preditiva revela-nos o plano divino em relação a Israel, à Igreja, aos gentios e a plena chegada do Reino de Deus. Já a declarativa é constituída de exortação, admoestação, encorajamento, promessa, advertência, julgamento, consolo.

3. Qual o propósito da profecia no Novo Testamento?

R.O propósito da profecia no NT é orientar, exortar e edificar a igreja.

4. Cite uma característica dos falsos mestres.

R. Ensinar o que as pessoas querem ouvir independentemente se estão erradas ou não.

5. Em que consistem os ensinos dos gnósticos?

R. Os ensinos gnósticos negam o sofrimento de Jesus e o valor de seu sacrifício na cruz para expiação dos pecados e salvação dos pecadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *