Lição 11- Relacionando-se com sua Igreja Local

MEDITAÇÃO 

Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! (Sl 133.1
 
REFLEXÃO BÍBLICA DIÁRIA 
 SEGUNDA-Atos 2.42-47 
 TERÇA – Colessenses 4.15-18 
 QUARTA-Mateus 18.20 
 QUINTA – Hebreus 11.1-10 
 SEXTA-Mateus 16.13-20 

 SÁBADO – Romanos 16.1-20

TEXTO BÍBLICO BASE 
32 – Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. 
33 – De sorte que, exaltado pela destra de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espirito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. 
36 – Saiba, pois, com certeza, toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. 
37 – Ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, varões irmãos? 
38 – E disse-lhes Pedro: Arrependa-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. 
39 – Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar.
 40 – E com muitas outras palavras isto testificava e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa 
41 – De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e, naquele dia, agregaram-se quase três mil almas. 
42 – E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. 
43 – Em cada alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. 
44 – Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum. 
45 – Vendiam suas propriedades e fazendas e repartiam com todos, segundo cada um tinha necessidade. 
46 – E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, 
47 – louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.

INTERAGINDO COM O ALUNO 

Nesta lição trataremos da igreja local. A Igreja do Senhor é composta de todas as pessoas que, no Antigo e no Novo Testamentos, um dia creram na promessa de Deus e daqueles que aceitaram a Cristo como o Salvador prometido e enviado por Deus. Nós, os crentes do século XXI, que igualmente recebemos a Cristo, fazemos parte dessa Igreja. E a igreja local? Ela é uma instituição restrita a uma determinada localidade. No céu, um dia estaremos todos reunidos, mas como nesta terra não podemos estar em um lugar único, onde todas as pessoas salvas se reúnem, podemos estar com um número menor de pessoas, abrangendo uma localidade, onde podemos desenvolver a comunhão, aprender e praticar a Palavra de Deus e adorar a Deus com nossos talentos e ministérios.
Professor, não esqueça de dizer que os costumes de uma igreja local podem variar de acordo com os hábitos de algumas sociedades de cristãos, mas essas práticas não podem transgredir os princípios da Palavra de Deus, de os membros da igreja se tratarem com respeito e amor, de se dedicarem ao evangelismo, de amar a Deus e de ser testemunhas da graça divina naquela localidade. 
 
OBJETIVOS 
Sua aula deverá alcançar os seguintes objetivos: 
1 Descrever o que é a Igreja do Senhor e o seu propósito para o povo de Deus;
2 Explicar a necessidade que temos de frequentar uma igreja local; 
3 Esclarecer que na igreja local desenvolvemos a comunhão com outros cristãos. 
 
PROPOSTA PEDAGÓGICA 

Professor, comece sua aula perguntando aos seus alunos o que é a Igreja. Explique que há uma distinção entre a Igreja Universal de Cristo, composta de todas as pessoas que receberam a Cristo como seu Salvador em todas as eras e nações, e diga que existe a igreja local, onde as pessoas de um bairro ou localidade se reúnem para cultuar ao Senhor, aprender a Palavra de Deus e desenvolver talentos para o Reino de Deus. Seus alunos deverão entender a importância da igreja local e como podem ser úteis a essa instituição. Lembre-se de que o contato dos seus alunos com a igreja local deve ser o primeiro passo para o ensino sistemático da Palavra de Deus e para o desenvolvimento de uma fé cristã sadia e equilibrada.

 INTRODUÇÃO 

Na lição 8 dissemos que a família é uma instituição criada por Deus. Agora vamos tratar de outra instituição igualmente criada por Deus, desta vez, com o objetivo de receber todos aqueles que um dia, pela fé, entregaram-se a Jesus como seu Salvador e agora precisam ser inseridos em um grupo de pessoas que já foram igualmente salvas e que já estão mais amadurecidos na vida com Deus: a igreja local. Ela oferece a recepção e o abrigo necessários para que o novo convertido ache o ambiente adequado para crescer em sua nova vida com Cristo. 
 
1. A ORIGEM DA IGREJA E SUA COMPOSIÇÃO 
   1.1. A origem da igreja. A Igreja se originou logo depois que Jesus ascendeu aos céus. Durante a festa de Pentecostes, homens e mulheres, que creram em Jesus como Messias, dirigiram-se a um cenáculo para orar, e lá foram cheios do Espírito Santo. Outras pessoas que estavam em Jerusalém, vindas de outras cidades, ouviram os discípulos falando das grandezas de Deus, e creram que Jesus foi enviado por Deus para salvar o seu povo dos seus pecados. O número de judeus que creu em Jesus foi aumentando, e os discípulos do Senhor — aqueles que o acompanharam em seu ministério terreno — se organizaram para se dedicar à oração e à pregação do Evangelho. Muitos desses hebreus saíram de Jerusalém e levaram consigo a mensagem do Evangelho, pregando por onde passavam, mesmo sendo perseguidos. Muitas curas e milagres feitos por Deus aconteceram nessa época, para mostrar a todos que Deus estava apoiando a igreja, e como diz Lucas, “E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar” (Lc 2.47). 
    1.2. Igrejas locais no Novo Testamento. Em o Novo Testamento, vemos que havia diversas igrejas, e mesmo sendo muitas, todas representavam a Igreja de Jesus Cristo. Havia igrejas na Ásia, em Roma, em Jerusalém, Antioquia, Filipos, Éfeso, Colossos. Cada uma dessas igrejas tinha um grupo diferente de pessoas com peculiaridades próprias. Ao todo, o Novo Testamento possui livros escritos especificamente para sete igrejas (Romanos a Tessalonicenses), além de 3 livros para pastores de igrejas (1 e 2 Timóteo e Tito), além de outros textos escritos por apóstolos que também eram pastores. Isso nos mostra a importância que os escritores do Novo Testamento davam às igrejas locais e às suas atividades e convivência, e não raro, esses escritos eram lidos nas igrejas locais: “E, quando esta epístola tiver sido lida entre vós, fazei que também o seja na igreja dos laodicenses; e a que veio de Laodiceia, lede-a vós também” (Cl 4.16). 
    1.3. Deus age por meio de pessoas. A Igreja é composta de pessoas. Deus não preferiu congregar anjos, mas sim pessoas, para nos mostrar como viver como um grupo de pessoas salvas em Cristo. Nem sempre essa convivência traz unanimidade, pois há pessoas diferentes e de todos os tipos na congregação, mas Deus espera que todos na igreja interajam de forma adequada à nova vida que receberam em Cristo Jesus.
   A igreja local deve, dentro de suas possibilidades, ser um local em que se possa reunir de forma adequada, comportando a todas as pessoas daquela localidade. Dizemos isto porque há países em que a Igreja de Cristo Jesus é perseguida pelos governantes e outras autoridades, e mesmo que os crentes não tenham um local apropriado para cultuarem ao Senhor, eles pertencem à Igreja do Senhor Jesus. Ele mesmo disse: “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18.20). Portanto, por mais que seja importante a comunidade dos santos de um determinado lugar possuir seu próprio santuário, não é um santuário que faz com que um grupo seja a igreja de Cristo. O santuário ajuda a congregar as pessoas longe das intempéries, mas apenas a presença do Espírito Santo no grupo faz com que ajam como uma unidade de pessoas santas em torno da adoração e serviço para o Senhor. 
 
AUXÍLIO TEOLÓGICO 1 
“Por definição, a Igreja é o ‘Corpo de Cristo’, a comunidade dos redimidos, de que Ele é a cabeça: ‘E ele é a cabeça do corpo da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência’ (Cl 1.18). O nascimento da igreja foi confirmado pela vinda do Espirito Santo (At 2.1-11), que também propicia o poder para a sua autoperpetuação por meio do testemunho ao mundo (At 1.8).
A igreja invisível é aquele corpo maior de crentes que, durante todos os séculos, confiaram sinceramente em Jesus Cristo como Senhor e Salvador: ‘O Senhor conhece os que são seus’ (2 Tm 2.19). Uma pessoa se torna membro da igreja invisível quando recebe a Jesus Cristo como Senhor e Salvador (Jo 1.12). A igreja visível é a igreja universal da atualidade, composta de grupos locais de cristãos. Nela, há ‘o joio e o trigo’ (Mt 13.25-30) — os verdadeiros redimidos, e muitos que não são. Quando uma pessoa vivência o novo nascimento, torna-se um membro da igreja invisível. Ela deve procurar se identificar imediatamente com uma igreja local que honre o Senhor a sua Palavra, para participar da adoração, da comunhão, evangelização, estudo da Bíblia e oração. Esta é uma responsabilidade que a Bíblia ensina: ‘Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se aproxima aquele dia’ (Hb 10.25)” (GRAHAM, Billy. Billy Graham Responde. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 155,56).
2. A IGREJA DEVE REFLETIR O PADRÃO DE DEUS 

    2.1. O padrão da sociedade. A igreja local é composta de pessoas da sociedade local, só que pessoas salvas em Cristo, feitas novas criaturas e que se esforçam para viver debaixo da orientação da Palavra de Deus e do Santo Espírito. Isso deve nos fazer entender que a sociedade que cerca a igreja deve ser transformada pela igreja e não a igreja transformada pela sociedade. Se a sociedade em torno da Igreja pratica coisas que desagradam a Deus, é necessário que a igreja não se contamine com tais práticas. O Apóstolo Paulo, escrevendo aos coríntios, disse: “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus. E é o que alguns têm sido, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus e pelo Espírito do nosso Deus” (1 Co 6.10,11). O padrão da sociedade é geralmente oposto aos padrões de Deus. 
     2.2. O padrão de Deus. O padrão de Deus é oposto ao padrão do mundo, e isso deve ser notado de imediato na igreja local. Por mais que a sociedade de nossos dias considere uma coisa normal o relacionamento extraconjugal, a Palavra de Deus condena tal prática, e a igreja não pode admitir essa prática como algo normal e aceitável. Não temos autorização para relativizar o que a Palavra de Deus diz que é um absoluto.
O padrão de Deus para uma igreja local é que ela respeite e honre seu pastor, que faça da oração e do ensino da Palavra atividades frequentes, que oriente as famílias em todas as faixas etárias, que socorra os necessitados, que evangelíze, que adore, que seja sal e luz.
Há igrejas que possuem práticas variadas no tocante à liturgia, cultos, administração e escolha de ministros, mas essas diferenças não podem ofuscar o padrão divino para a Igreja Cristo. 
 
AUXÍLIO DIDÁTICO 2
 Caro professor, neste tópico é importante explicar ao aluno de que o batismo é a primeira ordenança para a Igreja do Senhor, e a igreja local o realiza ao longo do ano. Essa é uma ocasião em que a pessoa dá seu testemunho público de que, por meio do batismo, está sepultando sua velha natureza e ressuscitando com uma nova natureza, já transformada pelo Senhor.
Alguém pode perguntar se o batismo salva. A salvação não vem do batismo, e sim da fé no sacrifício de Cristo, do crer em Jesus: “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Mc 16.16). Se uma pessoa crer em Jesus e aceitá-lo pela fé, arrependendo-se de seus pecados, receberá a salvação, independente do batismo. Entretanto, a pessoa deve buscar ser batizada pelo fato de que o batismo é uma identificação com Cristo. Vejamos o exemplo de Jesus: ele não pecou, mas foi batizado para que pudesse se identificar com os pecadores que Ele ia salvar posteriormente. 
 
3. A IGREJA LOCAL É UM AM ­ BIENTE TERAPÊUTICO 
     3.1. Ambiente de ensino. A igreja iocal é um ambiente em que o ensino deve ser um ministério constante. Não é possível que uma igreja cresça e seja fortalecida sem que ela se dedique a ensinar a Palavra de Deus aos cristãos e não cristãos que entram em suas portas. E a melhor forma de a igreja local cumprir o ide de Jesus (“ide e ensinai”, e não apenas ide) é por meio da Escola Dominical. Nela os alunos têm ensino sistemático e focado para sua formação espiritual, para o serviço cristão e para a vida em sociedade, Na Escola Dominical, a igreja pode despertar talentos para diversos ministérios, e agir como uma agência evangelizadora na localidade em que está inserida. Ela pode, por meio da Escola Dominical, evangelizar crianças, despertar obreiros para missões e desenvolver outras pessoas vocacionadas ao ministério do ensino. A igreja que ensina é uma igreja que investe na leitura da Palavra de Deus, e tem nela a sua regra de fé e prática. 
    3.2. Ambiente de cura. Deus espera que a igreja local seja um ambiente de cura, onde pessoas e famílias possam ser restauradas. Isso significa que receberemos na igreja local pessoas que aceitaram a Jesus como seu Salvador, mas que chegam cheias de problemas para serem resolvidos, e Deus quer usar a igreja como um grupo de pessoas que podem ajudar outras pessoas. Deus nunca despede de mãos vazias aqueles que se aproximam dEle pela fé mostrando suas necessidades. 
    3.3. Ambiente de comunhão. Nenhuma igreja local é perfeita, mas foi com essas limitações que Deus nos reuniu para que juntos pudéssemos adorá-lo, e ao mesmo tempo crescer juntos no Espírito e na prática da demonstração de amor e perdão de uns para com os outros. Não há possibilidade de crescimento na vida cristã sem que haja comunhão de uns para com os outros. Além disso, entendemos que a Igreja local faz parte da Igreja Universal de Cristo, a Noiva do Cordeiro. Como poderíamos dizer para Jesus: Amo o Senhor, mas não gosto de sua noiva! E o Novo Testamento sempre vai incentivar a comunhão dos santos no santuário, e excepcionalmente, fora dele, como no caso das prisões de Paulo, mas sempre haverá a predominância da reunião para a adoração a Deus e para a oração e estudo da Palavra.
 
 AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO 3
 “A Ceia do Senhor é a segunda ordenança de Cristo para sua Igreja, e a igreja local a celebra diversas vezes ao longo do ano. E esse evento é de extrema importância. Cada nome que usamos para este sacramento lhe dá uma dimensão diferente. É a Ceia do Senhor, porque comemora a refeição de páscoa que Jesus fez com seus discípulos; É a eucaristia (ação de graças) porque nela agradecemos a Deus pela obra que Cristo fez por nós; é o sacramento da comunhão porque, por meio dela, temos comunhão com Deus e com outros crentes. Quando comemos o pão e bebemos o vinho, devemos refletir silenciosamente, relembrando a morte de Jesus e a sua promessa de vir novamente, agradecidos pelo maravilhoso dom de Deus para nós, e alegres, por nos encontrarmos com Cristo e com o corpo de crentes.
   A Ceia do Senhor nos lembra de que Cristo morreu por nós. A Ceia do Senhor (11.20) é uma representação visível das boas novas da morte de Cristo pelos nossos pecados. Ela nos lembra da morte de Cristo a da gloriosa esperança de seu retorno. A nossa participação nela fortalece a nossa fé pela comunhão com Cristo e com outros crentes. Quando a Ceia do Senhor era celebrada na igreja primitiva, incluía um banquete ou refeição comunitária, seguida do sacramento da comunhão. Na igreja em Corínto, a refeição comunitária havia se tornado uma ocasião em que alguns comiam e bebiam em excesso, enquanto outros passavam fome… Paulo condenou esses atos e lembrou a igreja do verdadeiro propósito da Ceia do Senhor” (Manual da Bíblia de Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2014, pp. 106,07). 
 
CONCLUSÃO 

Não podemos desprezar a igreja do Senhor. Lembremo-nos de que ela foi fundada por Deus para que possamos crescer juntos na graça, na comunhão, no perdão, na adoração e no ensino. Sejamos fiéis à congregação onde servimos ao Senhor, e com certeza teremos experiências edificantes para contar uns aos outros e teremos o testemunho de quão prazeroso é que os irmãos convivam em união.

VERIFIQUE O SEU APRENDIZADO

 1 . De acordo com a lição, como a Igreja se originou? 
 A Igreja se originou logo depois que Jesus ascendeu aos céus. Durante a festa de Pentecostes, homens e mulheres, que creram em Jesus como Messias, dirigiram-se a um cenáculo para orar, e lá foram cheios do Espírito Santo. 
 
2 . Em o Novo Testamento, existia uma única igreja local ou várias igrejas locais? 
 Várias igrejas locais. 
 
3 . Por quais tipos de pessoas a igreja local é formada? 
 Pessoas diferentes e de todos os tipos. 
 
4. Cite as três características mencionadas na lição que fazem da igreja local um ambiente terapêutico.  Ambiente de ensino, de cura e de comunhão. 
 
5 . O que devemos lembrar acerca da Igreja estabelecida por Cristo? 
 Devemos Lembrar de que ela foi fundada por Deus para que possamos crescer juntos na graça, na comunhão, no perdão, na adoração e no ensino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima