4º Trimestre de 2009

 

Data: 11 de Outubro de 2009

TEXTO ÁUREO

“Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu vou a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado” (1 Sm 17.45).

VERDADE PRÁTICA

O desafio de Davi a Golias, o gigante filisteu, representa a luta espiritual que o crente trava com o mundo, a carne e o Diabo.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – 2 Co 10.4

Armas espirituais poderosas

Terça – Ef 6.17

A espada do Espírito

Quarta – Rm 13.12

Armas espirituais da luz

Quinta – Ef 6.13-17

A armadura de Deus

Sexta – Sl 41.2

A proteção divina em meio à batalha

Sábado – Rm 8.37

Mais que vencedores

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 Samuel 17.43-49.

43 – Disse, pois, o filisteu a Davi: Sou eu algum cão, para tu vires a mim com paus? E o filisteu amaldiçoou a Davi, pelos seus deuses.

44 – Disse mais o filisteu a Davi: Vem a mim, e darei a tua carne às aves do céu e às bestas do campo.

45 – Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu vou a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.

46 – Hoje mesmo o SENHOR te entregará na minha mão; e ferir-te-ei, e te tirarei a cabeça, e os corpos do arraial dos filisteus darei hoje mesmo às aves do céu e às bestas da terra; e toda a terra saberá que há Deus em Israel.

47 – E saberá toda esta congregação que o SENHOR salva, não com espada, nem com lança; porque do SENHOR é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão.

48 – E sucedeu que, levantando-se o filisteu e indo encontrar-se com Davi, apressou-se Davi e correu ao combate, a encontrar-se com o filisteu.

49 – E Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; e a pedra se lhe cravou na testa, e caiu sobre o seu rosto em terra.

INTERAÇÃO

Professor, nesta lição, você ensinará a respeito da peleja entre Golias e o jovem Davi. No decorrer da semana, leia o texto bíblico com atenção e medite a respeito da coragem do jovem Davi.

Em classe, pergunte aos seus alunos: “O que é ter coragem?” “Coragem significa ausência de medo?” Depois de ouvi-los, explique que ter coragem não significa ausência de medo; mas sim fazer o que for preciso, apesar do medo. A fé que Davi depositava em Deus lhe proporcionou coragem para aceitar o desafio naquele momento – enfrentar o gigante em nome do Senhor dos Exércitos. Davi recebeu de Deus força, estratégia e coragem para a realização daquela difícil tarefa.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Entender o contexto do conflito entre Davi e Golias.
Associar o desafio de Davi a Golias, à luta espiritual que o crente trava com o mundo, a carne e o Diabo.
Conscientizar-se de que, assim como Davi, devemos resistir o Inimigo e vencê-lo por Cristo.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, para a aula de hoje, sugerimos que o gráfico abaixo seja reproduzido em uma cartolina, pois ele poderá ser utilizado durante todo o trimestre. Ao usá-lo, explique aos seus alunos que, embora Davi fosse “um homem segundo o coração de Deus”, enfrentou muitas tribulações. Ele teve que derrubar muitos “gigantes” e vivenciou experiências boas e ruins, no entanto, sempre manteve uma fé inabalável no Senhor dos Exércitos.

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Vitória: Ato de vencer o inimigo em uma guerra; triunfo brilhante em qualquer campo de ação.

Quem lê o capítulo 17 de 1 Samuel, principalmente os versículos 31 a 50, observa que Davi, ao enfrentar o gigante filisteu, estava cônscio de que aquele combate não era somente físico, mas também espiritual. Todo crente fiel enfrenta essa luta contra os poderes do inferno (Mt 16.18; Ef 6.10-18). A vitória de Davi sobre Golias aponta para a nossa vitória diária na vida cristã através do Filho de Davi, Jesus Cristo, que venceu por nós (2 Co 2.14; Rm 8.37).

I. OS INIMIGOS DO POVO DE DEUS

1. Inimigos numerosos. Os filisteus eram um povo aguerrido, que habitava a planície da costa do Mar Mediterrâneo, desde Jope até o sul de Gaza. Na Bíblia, o país é chamado de Filístia (Sl 87.4), que originou os termos Palestina e palestino. Em Gênesis 10, a Bíblia registra a origem desse povo gentílico (vv.13,14). Em Josué 13.3, está a menção das suas cinco grandes cidades: Gaza, Asdode, Asquelom, Gate e Ecrom. Golias, o guerreiro gigante que desafiou os israelitas, era de Gate (1 Sm 17.4).

O livro de Samuel nos dá a dimensão da grandeza numérica desse povo: “E os filisteus se ajuntaram para pelejar contra Israel: trinta mil carros, e seis mil cavaleiros, e povo em multidão como a areia que está à borda do mar; e subiram e se acamparam em Micmás, ao oriente de Bete-Áven” (1 Sm 13.5). Os inimigos de Israel eram de fato numerosos. Na história se observará que os fiéis a Deus, às vezes, parecem estar em desvantagem pessoal, material, posicional, comunicativa, etc., mas a Palavra do Senhor acerca deles permanece de pé: “Não temas, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o Reino” (Lc 12.32).

2. Inimigos poderosos. De acordo com 1 Samuel 13.20, “todo o Israel tinha que descer aos filisteus para amolar cada um a sua relha, e a sua enxada, e o seu machado, e o seu sacho”. Os filisteus dominavam a técnica que permitia instrumentalizar o ferro. Já Israel era mais um povo agrícola, pastoril. O livro de Juízes, do qual 1 Samuel é uma sequência, relata o desvio espiritual de Israel como povo de Deus (Jz 17.6; 21.25). Israel colheu a má semeadura disso ao ser atormentado pelos filisteus (1 Sm 4.2,10; 7.3). Parecia impossível Israel vencer o seu potente inimigo, mas nas palavras de fé de Davi, temos a devida resposta: “E saberá toda esta congregação que o senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão” (1 Sm 17.47). Somente a provisão divina pode explicar isso!

SINOPSE DO TÓPICO (I)

A vitória de Israel sobre seu potente inimigo só foi possível mediante a confiança de Davi em Deus.

II. O INIMIGO DE DAVI

1. Amedrontava por seu tamanho. A Bíblia descreve a estatura de Golias com os seguintes detalhes: “Então, saiu do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo” (1 Sm 17.4). Golias impressionava por sua grande estatura. Pelo nosso sistema atual de pesos e medidas, isso corresponde a quase 3 metros de altura. Tal informação não é de causar espanto, pois a arqueologia tem descoberto, no Antigo Oriente, esqueletos de gigantes que confirmam o relato bíblico. Aliás, o registro bíblico apresenta outras menções de homens gigantes (Gn 6.4 ; Dt 2.10,20,21; 3.11).

Golias, confiante em sua grande estatura, desafiou e amedrontou o exército de Israel por quarenta dias (1 Sm 17.11,16). Como o gigante, muitos hoje confiam tão somente em sua “estatura” (em vários sentidos), sem cogitarem que sua derrubada está próxima.

O contraste era grande: de um lado um homem guerreiro e campeão, que amedrontava por sua experiência e seu tamanho; do outro, um jovem do campo, pastor de ovelhas (1 Sm 16.11), mas que demonstrou coragem e responsabilidade no cuidado com o rebanho de seu pai (1 Sm 17.34-37). A diferença física entre os dois era muito grande, tanto que aos olhos do gigante Davi era desprezível: “E, olhando o filisteu e vendo a Davi, o desprezou” (1 Sm 17.42). O homem de Deus pode ser depreciado, ignorado e humilhado, mas, se ele é temente ao Senhor, santo, fiel, perseverante e humilde de espírito, sabe que o Todo-Poderoso lhe dará a vitoria final. Apesar de sua zombaria, Golias não sabia que, a despeito de ser novo, aquele moço possuía as qualidades mencionadas em 1 Samuel 16.18: talento musical, coragem, prudência no falar, boa aparência e, o mais importante, tinha comunhão com Deus.

2. Amedrontava por suas armas e discurso persistente. Golias e seu armamento causavam medo a qualquer um. O texto sagrado, ao falar das armas de Golias, registra: “Trazia na cabeça um capacete de bronze e vestia uma couraça de escamas; e era o peso da couraça de cinco mil siclos de bronze. E trazia grevas de bronze por cima de seus pés e um escudo de bronze entre os seus ombros. E a haste da sua lança era como eixo de tecelão, e o ferro da sua lança, de seiscentos siclos de ferro; e diante dele ia o escudeiro” (1 Sm 17.5-7). Imagine Davi desafiando essa fortaleza móvel, com tantas armas, tendo apenas um cajado, uma funda, cinco pedras do ribeiro e uma pequena sacola!

Golias procurava amedrontar o acampamento israelita com seus persistentes discursos que afrontavam o Deus de Israel. A Escritura registra que o gigante desafiava Israel pela manhã e pela tarde, e isso durou um longo período (1 Sm 17.16,23). É evidente que essa era uma forma de impor medo e manter o exército de Israel sob constante pressão. Essa mesma tática o Diabo repetiu ao tentar Cristo por quarenta dias, e, sendo derrotado, afastou-se até o momento oportuno (Lc 4.13). Assim como Davi, nós devemos resisti-lo e vencê-lo por Cristo (Tg 4.7).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

O inimigo de Davi era assustador por causa de seu tamanho, armas e discurso, entretanto, foi derrotado por confiar em sua própria força.

III. A VITÓRIA DE DAVI

1. Davi venceu porque estava sob a direção e autoridade de Deus. Nos dias do patriarca Abraão, Deus firmou uma aliança com ele (Gn 12.1-3; 17.1-11). Essa aliança, o Senhor a confirmou com os descendentes de Abraão: Isaque (Gn 26.3,4) e Jacó (Gn 28.13,14). Herdeiro dessas alianças de Deus com seu povo, Davi sabia que estava sob a proteção do Senhor (2 Sm 7.15,16). Assim, a indignação de Davi não consistia meramente no fato de que Golias estava desafiando os soldados do exército do Povo Escolhido, mas o próprio Deus dos Exércitos de Israel (1 Sm 17.45). O homem segundo o coração de Deus estava convicto de que, assim como havia um exército humano comandado por Saul, existia um exército celestial comandado pelo Senhor!

Na realidade, a vitória de Davi está diretamente relacionada à autoridade espiritual da qual ele estava investido. Ele não lutava em seu próprio nome, mas no nome do Deus de Israel que estava sendo afrontado (1 Sm 17.45). A Bíblia declara que “as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas” (2 Co 10.4). Tal como Davi, o crente é um soldado cristão e jamais deve esquecer que não está lutando contra o sangue e a carne, mas contra os principados e potestades (Ef 6.12), e que, por isso, deve estar sempre revestido de toda a armadura de Deus (Ef 6.11).

2. Davi venceu porque teve fé e confiança em Deus. Quando Saul quis saber como o jovem Davi poderia enfrentar o gigante, ele relatou que já havia matado um leão e um urso, que tinham atacado o seu rebanho (1 Sm 17.34-37). Se ele pôde destruir aqueles animais ferozes, da mesma forma poderia derrotar o gigante filisteu. Quem tem fé e confiança no Senhor costuma ver as coisas por outro ângulo, e foi o que Davi demonstrou ali. Sua confiança em Deus era tão grande e evidente, que logo convenceu tanto Saul como o comandante do seu exército. Só Deus faz estas coisas. Não é sem razão que Davi é um dos componentes da galeria dos heróis da fé (Hb 11.32).

Sempre que a fé está presente, as leis da lógica formal são anuladas. A fé em Deus faz o menor vencer o maior; uma guerra ser vencida sem luta (2 Cr 20.17); a fraqueza virar força (Hb 11.34); e a alegria prevalecer no sofrimento, pois a fé pode crer mesmo contra a esperança (Rm 4.18); ela contempla como existentes coisas que ainda não existem (Hb 11.1). Davi estava tomado por essa fé em Deus, por isso, derrotou o gigante filisteu.

SINOPSE DO TÓPICO (III)

Davi venceu o gigante filisteu porque estava sob a direção e autoridade divinas e teve fé e confiança em Deus.

CONCLUSÃO

A vitória de Davi sobre Golias é sem dúvida alguma um grande divisor de águas na história da nação hebraica. De um simples e pequeno pastor desconhecido, Davi passa a ser uma figura-chave na construção da monarquia de Israel. Tudo isso graças à sua coragem e fé ousada na ocasião em que não temeu o enfrentamento com um inimigo aparentemente invencível. Fica para nós a lição de que nenhum gigante é imbatível, quando o combatemos confiando plenamente no Senhor.

REFLEXÃO

“Pela oração, adoração e prática da fé, treinamos para a missão que Deus coloca diante de nós”. Michael Kendrick

VOCABULÁRIO

Leis da lógica formal: Na tradição clássica, o estudo das formas (juízos, conceitos e raciocínios), e leis do pensamento.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

PFEIFFER, C. F. Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006.

PURKISER, W. T. Comentário Bíblico Beacon. Vol. 2. RJ: CPAD, 2005.

GONÇALVES, J. Por Que Caem os Valentes? RJ: CPAD, 2006.

EXERCÍCIOS

1. De acordo com a lição, o que aponta a vitória de Davi sobre Golias?

R. A vitória de Davi sobre Golias aponta para a nossa vitória diária na vida cristã através do Filho de Davi, Jesus Cristo, que venceu por nós.

2. Faça um breve resumo a respeito dos filisteus.

R. Os filisteus era um povo aguerrido que habitava a planície da costa do Mar Mediterrâneo, desde Jope até o sul de Gaza, e dominavam a técnica que permitia instrumentalizar o ferro.

3. Descreva, de modo resumido, o contraste entre Davi e Golias.

R. O contraste era grande: de um lado um homem guerreiro e campeão, que amedrontava por sua experiência e seu tamanho; do outro um jovem do campo, pastor de ovelhas, mas que demonstrou coragem e responsabilidade no cuidado com o rebanho de seu pai. A diferença física entre os dois era muito grande, tanto que, aos olhos do gigante, Davi era desprezível.

4. Por quanto tempo Golias afrontou o exército de Israel? Qual era seu objetivo ao adotar tal estratégia?

R. Por um longo período. O objetivo era impor medo e manter o exército de Israel sob constante pressão.

5. O que fez com que Davi vencesse Golias?

R. Sua fé e confiança em Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *