Esse adágio popular soa aos nossos ouvidos como
um sábio conselho, mas não é. O empreendedor aposta na
possibilidade de alcançar mais que dois pássaros de uma vez.
Ele sabe que aquilo que tem nas mãos está seguro, mas sabe
também que pode alcançar muito mais. Assim, não teme
correr um risco calculado. Pode até não dar certo, mas existe a
possibilidade de dar.
O problema com a frase em questão, considerada uma
pérola de sabedoria é que ela produz incerteza. E sabemos que
a incerteza conduz ao medo. O psicólogo Richard Davidson,
da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, publicou
um excelente estudo sobre o medo condicionado — o
processo pelo qual uma coisa, embora em si mesma não
represente uma ameaça, simboliza sempre algo assustador por
estar associada a alguma palavra negativa em nossa mente.
Quando tais pavores são induzidos, o medo
condicionado pode perdurar por muito tempo. Como poderá
alguém ter ousadia para enfrentar as lutas de um negócio
próprio se pretende agir somente com base na certeza
absoluta? Não são poucos os que desejam mudar de emprego
ou pedir as contas para se tornar patrões, mas na hora aparece
o pensamento: “Mais vale um pássaro na mão do que dois
voando”.
Essa frase tem o efeito de um freio de mão puxado na
alma da pessoa, sempre impedindo suas iniciativas para novos
projetos e oportunidades.

Consequências
A criança ensinada a agir apenas com base na
segurança absoluta pode se transformar naquele adulto que
fica preso a um único emprego de baixa remuneração por
longos anos, sem ter coragem de se arriscar a procurar outro
com medo de perder os dois. Irá morar na mesma cidade a
vida inteira, sem jamais se dispor a ir para outro lugar em
busca de novas alternativas de vida e de renda. Irá casar-se
com a primeira pessoa que namorar, mesmo sabendo não ser
a ideal, por medo de morrer solitário. Perderá muitos negócios
— os mais rendosos — apenas por haver uma possibilidade
mínima de não darem certo.
Consequentemente, deixará passar todos os cavalos
encilhados e não os montará, com medo de que a sela não
seja segura ou que o cavalo seja bravo demais para permitir a
montaria. Será, portanto, um adulto cheio de dúvidas e
indeciso.

O que dizer?
Em vez de ficar recitando o adágio da insegurança,
diga ao seu filho: “As pessoas fazem a própria sorte. A vida é
construída com falhas e acertos. Não podemos ter a garantia
absoluta de que tudo vai dar certo, por isso, em algum
momento, você precisará ter coragem e arriscar um pouco”.
Prefira repetir outro provérbio: “Quem não arrisca, não
petisca”.

FONTE: 50 Coisas que os pais nunca
devem dizer aos filhos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *