Sempre haverá filhos mais competentes, mais
rápidos, mais espertos ou mais talentosos que os outros. Isso
é natural, porém com muita facilidade nos leva a fazer
comparações injustas. Assim, em vez de se fixar nas
limitações e incapacidades de seus filhos, concentre-se em
perceber seus pontos fortes e suas qualidades.

No entanto, seja cauteloso. Temos a tendência de
projetar nos filhos os nossos desejos que não foram
realizados, tentando fazer com que eles realizem as nossas
expectativas. Com isso, acabamos desrespeitando o potencial
e as habilidades naturais deles.

Cada ser humano é inédito. É uma existência
irreproduzível. Cada pessoa tem sua originalidade e possui
valor singular. Se nossos filhos não fossem diferentes, o tédio
sufocaria a dinâmica da família; a rotina e a mesmice
tornariam a vida um aborrecimento. É muito bom, portanto,
constatar essas diferenças.

O problema está nas comparações indevidas. Fazer
distinção entre os filhos nunca foi uma boa atitude, porque,
como já dissemos, os filhos não são produzidos em série.
Nem mesmo gêmeos são iguais. Nos tempos bíblicos, o
patriarca Jacó, ingenuamente, não atentou para essa realidade.
Fez de José, seu filho predileto, sem se importar com os
ciúmes e ressentimentos de seus outros onze filhos, o que lhe
custou muito caro (Conheça a história em Gênesis 37).

Quantos irmãos não se odiaram a vida inteira
simplesmente porque os pais não tiveram a perspicácia de
considerar e respeitar a individualidade de cada um.

Consequências
Comesse comportamento, você está induzindo seu
filho a também fazer comparações. Quando for adulto, ele terá
a tendência de se perguntar: “Por que não sou como meu
vizinho, que é mais bem-sucedido? ” Ele irá sempre se
comparar com os colegas de profissão ou de classe. A
comparação semeia ódio entre os irmãos: dizer que um filho é
mais inteligente que o outro ou que uma filha é a mais bonita
da casa é subestimar e diminuir os demais. A distinção os
levará à competição. E o espírito de competição dentro de
casa tende a criar um ambiente hostil e insuportável.

O que dizer?
Em vez de incentivar a competição entre seus
filhos, prefira dizer: “Você é excelente com esse seu
jeito de ser.
É criativo e original. Acredito no seu potencial e
naquilo que é capaz de fazer, mas percebo que, às vezes,
você faz coisas que acabam prejudicando a si mesmo.
Você precisa pensar nos outros. “Quando pensamos
somente em nós mesmos, acabamos machucando outras
pessoas”

FONTE: 50 Coisas que os pais nunca
devem dizer aos filhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *