Em uma biblioteca de umas dezenas de livros, esperaríamos
encontrar obras de diversos escritores. A Bíblia é uma verdadeira
biblioteca de 66 livros, divididos em duas prateleiras, iguais em valor, não
obstante uma contenha 39 livros e a outra 27. Chamamos estas prateleiras
de Velho Testamento e Novo Testamento. Nesses 66 livros notamos o
trabalho de quarenta pessoas de diversas vocações. Ao escrever, cada
escritor manifesta o seu próprio estilo e características. 0 trabalho de todos
levou uns 1.600 anos — desde 1500 antes de Jesus Cristo, quando Moisés
começou a escrever (Êx. 17:14), entre as trovoadas do Sinai, até 97 A.D.,
quando o apóstolo João, ele mesmo um filho do trovão (Mar. 3:17),
escreveu o seu Evangelho na Ásia Menor. Todos os autores escreveram
inspirados pelo Espírito Santo. Entretanto, há na Bíblia um só plano, que
de fato mostra que havia um só autor divino, guiando os humanos. Isto
garante a unidade de revelação e ensino.
E necessário que fiquemos bem esclarecidos a respeito do autor da
Bíblia, porque, se ela é da autoria de Deus, será para todo homem; porém,
se é dos homens, devemos procurar outro livro melhor. Vamos então
examinar as origens da Palavra de Deus. São duas: a humana e a divina,
ou, por outra, a natural e a sobrenatural.

1. A Origem Natural
Entre os quarenta homens que foram usados pelo Espírito Santo
para escrever as sagradas letras encontramos os nomes de Moisés (Êx.
17:14; 24:3,4,7; Núm. 33:2; Deut. 28:58,60). Jesus Cristo mesmo
testificou que dele Moisés escreveu (João 5:46). Temos referência às
Crônicas de Samuel, Natã e Gade (I Crôn. 29:29). Em Provérbios 1:1 e
25:1, temos referência ao autor. E sabemos que Daniel escreveu a sua
profecia (Dan. 7:1). No Novo Testamento também alguns livros se referem
aos autores; todavia, citaremos somente os de Lucas (Luc. 1:1-8 e At. 1:1).
A vida e o caráter desses homens devem ser estudados para que
possamos compreender mais facilmente o teor dos seus escritos. As
qualificações de cada autor dão variedade de estilo e matéria, e cada um
põe de manifesto a sua própria individualidade no seu escrito.

2. A Origem Sobrenatural
Embora tivesse havido tantos autores humanos, a unidade,
simplicidade e singularidade da Bíblia indicam que houve uma só mente
atrás de todas, e era a divina. «Toda a Escritura é divinamente inspirada»
(II Tim. 3:16). É como a construção dum grande prédio, em que muitos
operários estão empregados. Cada um sabe bem o seu ofício, porém todos
dependem do plano do arquiteto.
Não será fora da verdade dizer que a Bíblia é humano-divina, quer
dizer que contém estes dois elementos. Sendo humana, está sujeita às leis
de língua e literatura, e, sendo divina, pode ser compreendida somente por
homens espirituais. Os autores humanos fornecem variedades de estilo e
matéria. O autor divino garante unidade de revelação e ensino. Os autores
humanos se referem à Bíblia em partes. 0 divino refere-se à Bíblia como
um só livro.

 

Fonte: A Bíblia E Como Chegou Até Nós

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *