Ele mesmo era um dos que tentava se proteger dos midianitas. Certamente, nem passava na mente dele que poderia ser escolhido por Deus para vencer aquele povo

 

É interessante notar como Deus usa pessoas comuns para realizar feitos incríveis em seu nome. No livro de Juízes, no capítulo 6, vemos um homem que foi chamado para lutar por Israel em um período que não havia rei que o governasse. Israel andava como queria e, por causa do seu pecado, Deus permitiu que o povo midianita prevalecesse sobre Israel. Tornou-se então, uma época de clamor.

No entanto, havia alguém com características de homem comum, mas com algo excelente que chamou a atenção de Deus: Gideão. E assim como ele Deus nos chama para defender um povo que clama, um mundo que está sem esperança sendo consumido pelas forças das trevas. É por meio das nossas vidas que o mundo é alcançado, quando tomamos uma posição de “Gideão”.

Gideão foi chamado para cumprir uma tarefa específica e difícil: livrar o povo de Israel. Foi um homem reconhecido pelo Anjo do Senhor como um homem valente, mas, mesmo assim, podemos ver entre os versos 11 ao 17 que Gideão se via numa situação totalmente impossível para cumprir esse chamado. Mesmo que ele não conhecia ou não sabia disso, Deus já tinha visto nele um espírito “valente” porque, sobretudo, ele era escolhido de Deus. Nós somos chamados de valentes porque já fomos ungidos para cumprir o propósito do Senhor.

“Vai nessa tua força!”. Foram as palavras do Senhor para Gideão. Ele poderia até não se sentir autoconfiante, mas Deus sabia que ele era plenamente capaz de cumprir sua tarefa com as qualidades e as imperfeições que ele mesmo possuía. Quando fazemos algo para Deus é necessário que façamos o que está ao nosso alcance, com nossas forças uma vez que a capacitação vem do Senhor.

“E ele lhe disse; Ai, Senhor meu! Com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai” (verso 15). Gideão não era somente o menor da casa e nem pobre, mas o mais pobre. Isso significa que ele se achava capaz porque estava totalmente fora dos “padrões” de um guerreiro daquela época. Posso até imaginar a oração de Gideão a Deus dizendo: “Tudo bem Senhor. O Senhor conhece minhas condições, não tenho a menor idéia como vencer isto, mas se esta for a tua vontade eu farei, só preciso de algumas confirmações. Não sou nada capaz, hein!, mas já que é o Senhor quem vai fazer por mim, já que não vou morrer, tudo bem, eu irei!”. Muitas vezes agimos como Gideão. Porém, glória a Deus que insiste em escolher as coisas loucas desse mundo para confundir as sábias. Para Deus a condição social e física não era importante na vida Gideão porque o Senhor encontrou algo muito mais especial e excelente: um espírito valente.

Prosseguindo para o alvo do Senhor. Para vencer e conseguir cumprir esse propósito precisamos, no entanto, nos preparar para três etapas as quais foram cumpridas por Gideão:

1) Derrubar os altares de Baal que nos impedem de prosseguir. Barreiras que precisam ser destruídas para serem edificados os altares do Senhor para que assim a glória Dele seja vista e manifesta. Gideão temia tanto que fez esse altar à noite para que ninguém o visse, porém, no final, todos souberam o que ele fizera. O homem de Deus é reconhecido de longe, até pelos ímpios. (verso 29). Por mais que ele temesse, Gideão foi reconhecido porque existem situações, coisas que só podem ser feitas por um homem ou uma mulher de Deus.

2) Precisamos ser revestidos. Seguindo orientações de Deus, Gideão se prepara para a guerra. E como valentes para a batalha precisamos ser revestidos. No verso 34, Gideão foi revestido porque do contrário ele não poderia guerrear. Assim somos nós. Mesmo valentes, precisamos buscar em Deus o revestimento de poder para guerrear e vencer toda a força das trevas. Sejamos confiantes! O espírito de valente já o temos em nós. No será necessário, então, buscar de Deus o revestimento de que precisamos. No entanto, preferimos pensar: “Mas Senhor”; “Bem”; “E se” etc. Mas Deus diz: “Não se preocupe, você tem o espírito valente mesmo que você não saiba disso”. É isso o que Deus pensa de nós. Quando pensamos que “não vai dar”, ele diz que “dá sim, afinal, sou eu quem capacito, revisto de poder e envio”.

3) Peça todos os sinais que você precisa e tenha certeza de que Deus é com você. Precisamos atentar à voz do Senhor para quando ele mandar se preparar para a guerra. Gideão fez prova de Deus, porque queria ter certeza da vontade do Senhor e assim vencer. Com sua graça e eterna misericórdia, Deus deu a Gideão todos os sinais que este precisava para prosseguir. Deus também mostra situações e confirma outras quando ele quer cumprir propósitos porque ele viu em nós um espírito valente.

E, por último, vença. Não fique se achando incapaz de cumprir algo que o próprio Deus determinou. Faça tudo conforme as sua forças e limitações humanas. Não é necessário ser um superultra-mega homem ou mulher ungida de Deus. Deus quer apenas um coração que confie inteiramente nele porque somente Deus faz, somente ele realiza e deseja que coloquemos em prática o espírito valente que ele – muito antes de nascermos – já viu em nós.

 Jaqueline Santos