3º Trimestre de 2009

 

Data: 05 de Julho de 2009

TEXTO ÁUREO

“Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para instruir em justiça” (2 Tm 3.16).

VERDADE PRÁTICA

Esta carta, divinamente inspirada, é aplicável a todo leitor que deseja ter sua vida no centro da vontade de Deus.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Lc 5.10,11

João, um discípulo que deixou tudo para seguir a Cristo

Terça – Gl 2.9

João, uma das colunas da Igreja

Quarta – 1 Jo 4.9,10

A prova do amor de Deus foi enviar seu Filho ao mundo

Quinta – Jo 1.12,13; 1 Jo 5.1

Os crentes são filhos de Deus mediante a fé

Sexta – 1 Jo 4.7

O novo nascimento nos faz conhecer a Deus

Sábado – 1 Jo 2.24

Conservar-se na Palavra faz-nos permanecer em Deus

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 João 1.1-4

1 – O que era desde o princípio, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida

2 – (porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada),

3 – o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.

4 – Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra.

INTERAÇÃO

Prezado professor, estamos iniciando mais um trimestre de Lições Bíblicas e, nesta oportunidade, nosso estudo será baseado na Primeira Epístola de João. Conhecido como o “apóstolo do amor” — tema recorrente em toda a epístola —, a carta trata de importantes assuntos para a vida cristã: divindade e humanidade de Cristo; a Queda e a expiação; os anticristos, os falsos profetas e o Anticristo; só para citar alguns. O comentário deste terceiro trimestre foi escrito pelo pastor Eliezer de Lira e Silva, conhecido conferencista de Escolas Bíblicas em todo o país e diretor do Projeto Missionário Ide e Ensinai em Moçambique, África.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Enumerar algumas características pessoais do autor da epístola.
Defender os fundamentos doutrinários da fé cristã.
Descrever as principais heresias defendidas pelo gnosticismo e refutadas por João.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Caro professor, mesmo sendo relativamente pequena (5 capítulos, 105 versículos), a Primeira Epístola de João apresenta porções doutrinárias que são fundamentais para o perfeito entendimento da fé cristã. Devido à ênfase sobre a encarnação do Filho e sua preexistência eterna, estudiosos afirmam que a teologia joanina é essencialmente cristológica. Aliás, tal doutrina, tratada também em seu Evangelho, é o ponto central da discussão com os gnósticos. Os temas como justiça, depravação universal, expiação universal, o amor (agape), também recebem especial atenção do apóstolo. Apresente o esboço abaixo, e aprofunde-se nas doutrinas mencionadas.

1 EPÍSTOLA DE JOÃO

Título:1 João
Autor:João
Data e Ocasião:85-95 d.C.
Tema:A Verdade Cristológica e a Conduta Cristã
Propósito:Defender a cristologia (a fé em Jesus Cristo tal como Ele é – verdadeiro homem e verdadeiro Deus) da heresia gnóstica (cristologia deturpada que negava total ou parcialmente as naturezas de Cristo) e, a moral (a conduta própria do cristão) da anomia dos gnósticos (que afirmava ser impossível às ações humanas prejudicar o relacionamento com o divino).
Estrutura:I. Prefácio (1.1-4)
II. A Vida na Luz (1.5-2.29)
III. Viver como filhos de Deus, defendendo a fé cristã e as naturezas de Cristo (3.1-5.13)
IV. Conclusão: A Confiança do Cristão (5.14-21)

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Naturezas de Cristo: Expressão doutrinária que sintentiza o fato de a Pessoa de Jesus Cristo ser plenamente divina e humana.

Quando aceitamos a Cristo como nosso Salvador, nos tornamos filhos de Deus e passamos a usufruir a vida eterna pela graça dEle (Jo 5.24).

Todos os que têm essa confiança, reconhecem a Jesus como seu Senhor e Salvador, amam a Deus, obedecem aos seus mandamentos e não vivem a pecar de forma consciente e voluntária (Gl 2.20). Estas são algumas das facetas da vida cristã, abordadas na primeira carta de João (1 Jo 5.13). Todo cristão, ao ler esta carta, se sente amado por Deus e seguro pela obra da eterna redenção consumada por Jesus Cristo (2 Co 5.17).

I. ENTENDENDO A CARTA DE JOÃO, O APÓSTOLO

Diferente das epístolas escritas pelo apóstolo Paulo, a primeira carta de João não começa nem termina com saudações. Ela também se distingue pelo conteúdo, enriquecido pelas experiências espirituais do autor (1 Jo 1.1-4). Não poderia ser diferente, uma vez que foram três anos de ininterrupta convivência e aprendizagem ministerial com o Mestre. Isto a torna um dos livros da Bíblia mais instrutivos e edificantes para o cristão.

SINOPSE DO TÓPICO (I)

Apesar de a experiência não ser o ponto fundamental da fé cristã, se ela estiver doutrinariamente fundamentada, torna-se um importante instrumento de edificação.

II. CONHECENDO O AUTOR DA CARTA

João, filho de Zebedeu. É o mesmo que escreveu o Evangelho que leva o seu nome (Jo 20.20; comparar 1 Jo 1.1; 5.7 com Jo 1.1), a epístola que vamos estudar neste trimestre e o livro de Apocalipse. Dentre os discípulos de Jesus, foi o mais íntimo (Jo 20.2; 21.20). Algumas peculiaridades comprovam este fato:

a) João compartilhou dos momentos mais difíceis de Jesus (Mc 14.33,34);

b) Foi o único dos discípulos que permaneceu, até ao fim, ao pé da cruz (Jo 19.25,26);

c) Três dias após o sepultamento do Mestre ele foi ao sepulcro em busca do corpo do seu amigo Jesus, que já não estava lá (20.2).

Por tudo isso, mais tarde, entende-se porque Paulo o considera como uma das colunas da igreja (Gl 2.9).

1. Um autor com uma característica singular. João consegue demonstrar em suas cartas que foi transformado pelo amor de Deus, o Pai (Jo 3.16), e de seu Filho, Jesus Cristo (Jo 15.13). O apóstolo reconhece no amor do Eterno pela humanidade a essência da vida cristã e do autêntico cristianismo. É isso que se espera ver no comportamento de todos os que foram alcançados pelo evangelho de Cristo Jesus (2 Jo 5,6).

A verdade de Deus deve ser dita sem rodeios, entretanto, é preciso fazê-lo com amor (Ef 4.15). Esta é outra característica singular de João, ele apresenta verdades incontestáveis e doutrinárias, mas sempre dosadas com amor. Motivado por este atributo de Deus, João mostra o resultado dos que desobedecem às Santas Escrituras (1 Jo 1.10; 2.11,28; 3.14b). Elas são como uma lâmpada através da qual o cristão enxerga e entende para onde está caminhando (Sl 119.105). Contudo, não basta ler e entender a Bíblia Sagrada, é necessário ser membro do Corpo de Cristo, a sua Igreja (Mt 16.18), e submeter-se ao seu pastor local para cuidar do seu crescimento e aperfeiçoamento espirituais (Ef 4.11-13).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

A transformação radical experimentada por João e a quantidade de seus textos dedicada ao tema “amor” demonstram que esta é a principal virtude do cristão.

III. O PROPÓSITO DA CARTA DE JOÃO

Os escritos de João têm como propósito apresentar o Senhor Jesus Cristo como a manifestação do amor de Deus. Outro objetivo é fazer os irmãos saberem, com certeza, que os que crêem no nome do Filho de Deus, têm a vida eterna (1 Jo 5.13; Jo 1.12). Naqueles dias surgiram na grande cidade de Éfeso e região, área sobre a qual o apóstolo exercia seu ministério pastoral, muitos enganadores que, através de falsas doutrinas, intentavam induzir os crentes ao erro, razão pela qual João escreveu as três cartas (1 Jo 2.19,26; 3.2; 2 Jo v.7). Surgiram “anticristos” (1 Jo 2.18), mentirosos (2.22), e falsos profetas (4.1), contudo, João expôs a hipocrisia de todos esses e confirmou a fé dos autênticos crentes.

1. Erro concernente a Cristo. João acusa os hereges de afirmarem “ter” o Pai, mas negar o Filho (2.22-24). Eles ensinavam que Jesus era apenas um homem, filho natural de José e Maria. Em outras palavras, eles não criam em Cristo como o Deus encarnado. Não reconhecer a encarnação de Cristo é negar as profecias do Antigo Testamento e a mensagem do seu cumprimento em o Novo (Is 7.14; 9.6; Jo 1.1,14). Ao dizer que Jesus é o Cristo prometido, João está afirmando que Ele é o Deus encarnado cujo sacrifício resgatou-nos da maldição do pecado. Não considerar esse fato é negar a expiação por Cristo, o Filho de Deus (Is 53.4-10; Jo 4.25,26; 6.69; Mc 15.39). Inclusive, o apóstolo afirmou que a negação deste fato era uma das formas de identificar os “falsos espíritos” (1 Jo 4.3).

2. Auto-engano moral. Os princípios de comportamento e doutrina desses hereges eram totalmente enganosos, pois ensinavam que o corpo é apenas o invólucro do espírito, de maneira que seu comportamento não compromete o aspecto espiritual, ou seja, nada do que a pessoa faz através do corpo pode prejudicar o espírito. O apóstolo previne os cristãos contra este erro e ensina que quem comete pecado é do Diabo, porque o Adversário peca desde o princípio. Entretanto, ele também ensina que o Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras do Diabo (3.8,9).

Ainda hoje há pessoas que se enganam com a falsa premissa de que Deus quer apenas o coração. Não só o apóstolo João, mas Paulo também lutou contra uma falsa doutrina semelhante. Ele nos adverte: o corpo é o templo do Espírito (1 Co 6.19; cf 1 Co 3.16), e seremos julgados por tudo o que fizermos por meio do corpo, bem ou mal (2 Co 5.10). A Bíblia adverte ainda que, para a vinda do Senhor, devemos manter irrepreensíveis espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23).

Jesus com ênfase alertou uma mulher pecadora trazida à sua presença e um paralítico curado sobre “não pecar mais” (Jo 8.11; 5.14), demonstrando-nos que espera um santo viver de quem o aceita como Salvador. O apóstolo João destaca muito bem no capítulo 1, versículos 7 a 10 de sua primeira epístola, a correta atitude do crente em relação ao pecado. O crente não é impecável, mas ele pode triunfar e vencer o pecado, por Nosso Senhor Jesus Cristo (1 Jo 1.7,9; Rm 8.2; 6.12-14). “Meus filhinhos estas coisas vos escrevo, para que não pequeis: e se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo” (1 Jo 2.1).

3. A auto-exaltação espiritual. Esses heréticos a que se refere João se apresentavam como os homens mais entendidos nos mistérios de Deus e tentavam desviar os irmãos efésios das verdades divinas, com falsas revelações extraordinárias e antibíblicas (4.1-3). Como ocorreu no passado, nos dias atuais o espírito maligno do engano continua agindo através dos que se auto-intitulam concessionários de novas verdades doutrinárias, como se a Bíblia não contivesse tudo que o homem necessita para obter a sua salvação e viver uma vida plena em Cristo Jesus (Rm 5.20). Nestes seus últimos dias na terra, a Igreja deve estar atenta a esta investida satânica de falsas doutrinas (1 Tm 4.1,2; 2 Co 11.13-15; 2 Tm 3.1-5). Ela deve andar embasada somente na verdade que é a Palavra de Deus – as Sagradas Escrituras.

SINOPSE DO TÓPICO (III)

O mais eficaz dos métodos de prevenção contra os falsos ensinos é uma sólida instrução bíblica em relação à Pessoa de Jesus Cristo e ao nosso comportamento como cristãos.

CONCLUSÃO

A visão panorâmica da presente lição realça a importância desta carta do apóstolo João que, como toda a Bíblia, é sempre atual. Ela vem ao encontro das necessidades da Igreja de todas as épocas, principalmente a do presente momento, que vem sendo atacada pela oferta de coisas terrenas, cujos valores são ilusórios e passageiros se comparados às riquezas espirituais e eternas que já temos recebido de Deus por meio de seu Filho. Cada cristão deve, além de estar em contato permanente com a Palavra de Deus – condição básica para manter-se fiel até a volta de Cristo -, permanecer na luz e cultivar o seu amor pelos irmãos.

REFLEXÃO

“João ensina que a retidão precisa caracterizar a vida daqueles que alegam ser cristãos” James Montgomery Boice

VOCABULÁRIO

Anomia: Ausência de leis, normas ou regras de organização.

Gnósticos: Adeptos do gnosticismo, uma doutrina do século 2, segundo a qual a salvação vem através de conhecimentos especiais superiores.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BOICE, J. M. As Epístolas de João. RJ: CPAD, 2006.

STRONSTAD, R.; ARRINGTON, F. L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal. RJ: CPAD, 2003.

ZUCK, R. B. (Ed.) Teologia do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008.

EXERCÍCIOS

1. Em que se distingue a epístola de João das de Paulo?

R. Ela não inicia e nem termina com saudações. Além disso, também se distingue pelo conteúdo, enriquecendo pelas experiências espirituais do autor (1 Jo 1.1-4).

2. Descreva algumas características do autor desta carta.

R. O mais íntimo entre os discípulos do Senhor; e que conseguiu apresentar verdades incontestáveis e doutrinárias sem ser austero, antes as ensinava com amor.

3. Segundo a lição, por que Paulo considera João uma das colunas da Igreja?

R. Por João ter compartilhado os momentos mais difíceis de Cristo (Mc 14.33,34); ser seu único discípulo que permaneceu, até o fim, ao pé da cruz (Jo 19.25,26) e, após três dias de sepultamento ter ido ao sepulcro do mestre (20.2).

4. Qual a característica singular do apóstolo João?

R. O amor.

5. Mencione os propósitos da carta de João.

R. Apresentar Jesus como a manifestação do amor de Deus e reafirmar a certeza de salvação que os crentes devem possuir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *