3º Trimestre de 2009

 

Data: 12 de Julho de 2009

TEXTO ÁUREO

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1.1).

VERDADE PRÁTICA

A sustentação da fé cristã consiste não só no fato de que Cristo vive, mas de que Ele é eterno.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Jo 1.18

Jesus Cristo, eterno como o Pai

Terça – Is 9.6

Jesus, nascido de mulher, mas eternamente divino

Quarta – Mt 3.17

Jesus é apresentado ao mundo como o Filho de Deus

Quinta – Mt 27.54

Jesus, reconhecido na terra como Filho de Deus

Sexta – Hb 1.8

Jesus Cristo, O Rei Eterno

Sábado – Ap 3.21

O vencedor reinará com Cristo na glória

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 João 1.1-4; João 1.1-4; Colossenses 1.16,17.

1 João 1

1 – O que era desde o princípio, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida

2 – (porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada),

3 – o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.

4 – Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra.

João 1

1 – No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

2 – Ele estava no princípio com Deus.

3 – Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

4 – Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens.

Colossenses 1

16 – porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, ções, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele.

17 – E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.

INTERAÇÃO

Estimado professor, com a atual onda do evangelho antropocêntrico, nada mais especial que estudar sobre Jesus, o Filho Eterno de Deus. Aproveite a aula de hoje para falar aos alunos acerca desse perigo. Relembre-os que o Evangelho de Jesus Cristo é a mensagem de salvação, e não de bênçãos materiais como hoje se vê. Peça-lhes que prestem à atenção nas mensagens e hinos que ouvem, êem e reproduzem em suas pregações e testemunhos.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Entender a filiação de Cristo como uma forma de identificá-lo como Deus e de demonstrar o seu relacionamento com o Pai.
Demonstrar a eternidade de Jesus com exemplos do AT e NT.
Assumir as responsabilidades inerentes ao fato de ser participante da natureza de Cristo.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Estimado professor, ciente de que a aula de hoje traz um tema essencialmente cristológico, é imprescindível fazer a distinção entre filiação como título/relação (Jesus Cristo), filiação por eleição (Israel), filiação por adoção (gentios) e filiação consanguínea (Isaque, filho de Abraão). O fato de Jesus ser chamado de “Filho de Deus” (Jo 5.25), “unigênito do Pai” (Jo 1.14) ou “primogênito de toda a criação” (Cl 1.15), não significa, em hipótese alguma, que Ele tenha sido criado ou gerado pelo Eterno, pois, assim como Deus, preexiste eternamente e, por isso, Isaías o chama de “pai da eternidade” (Is 9.6). O próprio contexto de Colossenses demonstra perfeitamente a eternidade e divindade do Senhor Jesus (1.13-18).

Expressões Parentais aplicadas ao Senhor Jesus

1) Filho2) Unigênito3) Primogênito
Identificação demonstrativa de que Ele é “igual a Deus” (Jo 5.18)”Natureza, caracter e tipo” e “relacionamento exclusivo” (Jo 1.14)”Primeiro em categoria” (Cl 1.15-19)

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Filho Eterno de Deus: Expressão doutrinária que demostra o relacionamento eterno de Jesus com Deus, bem como a sua divindade.

Nesta lição, alguns aspectos doutrinários a respeito da divindade e da eternidade de Jesus Cristo serão destacados. O esclarecimento desse assunto foi importante para os nossos irmãos do primeiro século e consiste em doutrina relevante para os dias atuais. Seu conhecimento reforça a convicção do futuro da Igreja, pois é através de Jesus que fomos salvos e nos tornamos participantes da vida eterna.

I. O PROPÓSITO DO AUTOR DA EPÍSTOLA

João inicia sua primeira epístola tratando de sua responsabilidade em solidificar a convicção de seus leitores a respeito da eternidade de Jesus Cristo, o Filho de Deus. A Igreja, naquela época, sofria o ataque direto dos gnósticos que, em síntese, pregavam que Jesus era mais um dos salvadores do ser humano, e que Ele apenas tinha algo divino em seu ser. Eles ainda ensinavam que, pelo fato de Jesus ter nascido neste mundo de corrupção, seria impossível Ele ser Deus perfeitamente e, portanto, eterno. Paulo já havia prevenido a igreja em Colossos contra essa heresia (Cl 2.9; 1.19).

João é enfático ao afirmar que o eterno Filho de Deus, nosso Salvador, veio a este mundo através do nascimento (1 Jo 5.6; 4.1,2). Ele tornou-se humano, mas sem pecado e sem abrir mão da sua divindade (Mt 28.19), do seu poder (Mt 9.6), de sua onisciência (Mt 9.4) e do seu atributo de ser eterno (Rm 9.5).

SINOPSE DO TÓPICO (I)

Jesus tornou-se humano, mas sem pecado e sem abrir mão da sua divindade, do seu poder, de sua onisciência e do seu atributo de ser eterno.

II. A VIDA ETERNA MANIFESTA EM CRISTO

João discorre sobre a eternidade de Jesus, reafirmando sua deidade e a vida eterna que Ele concede aos que lhe pertencem. Ele foi testemunha dos ensinos de Cristo (1 Jo 1.1-4), teve comunhão pessoal com Jesus e, por isso, possui idoneidade suficiente para expressar-se sobre a vida plena e atemporal do Filho de Deus. O apóstolo do amor refere-se à vida de Cristo na eternidade, antes da criação dos “mundos” e de todas as coisas que neles existem, incluindo o homem (Jo 1.1-4,14; cf. Hb 11.3). Entretanto, é bom lembrar que, uma vez que todos somos feituras de suas mãos, Jesus transcende toda e qualquer consideração de tempo que alguém tente fazer a seu respeito. Ele está acima da vida física e espiritual (Cl 1.16).

As palavras de João – “no princípio era o verbo” -, no início de seu Evangelho, referem-se a Cristo, que é a Palavra de Deus manifesta (Jo 1.1). Elas conduzem o leitor ao momento da criação, para que se certifique de que o Verbo divino não é somente distinto do que foi criado, mas o próprio Criador (Jo 1.3; Gn 1.1-31).

João, ao dizer em sua primeira epístola, “O que era desde o princípio” (1.1), refere-se a Jesus Cristo que é desde o princípio (Jo 1.1; Gn 1.1; 1 Jo 2.7,13,14,24; 3.11). Em continuidade, ele diz: “o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida” (1 Jo 1.1). Essa expressão reafirma que Jesus, o Deus Filho, veio em carne (Lc 2.10-12) e que nesta condição habitou entre nós; não só revelando o Pai (Jo 1.18; 14.9) e o seu amor, mas também oferecendo a sua vida (Jo 19.30) como única condição de salvar a todos quantos crêem em seu nome (Jo 1.12; Hb 9.26-28).

1. O que vimos com os nossos olhos (1.1). João demonstra ter sido atencioso em todos os momentos em que esteve com Jesus. Ao dizer: “o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado”, João dá ênfase ao fato de os discípulos terem convivido com Jesus fisicamente – experiência que o apóstolo Paulo não teve (no caminho de Damasco, quando Cristo lhe falou em meio a um resplendor de luz, Ele já havia retornado ao céu (At 9.3-6). Aqui João está afirmando que Jesus tinha um corpo físico tal qual profetizou Isaías (Is 53.3-7) e Davi (Sl 22.14,17). Para os apóstolos de Jesus, foi um privilégio; para nós, que não o vimos, mas cremos, é uma bem-aventurança (Jo 20.29).

2. O que ouvimos (1.3). João e os demais apóstolos presenciaram tudo o que Jesus realizou enquanto estiveram com Ele, porque foram convocados pelo Senhor, justamente a fim de que o vissem e ouvissem e depois testificassem, para o engrandecimento do Reino de Deus (Mt 28.18-20).

3. O que temos contemplado e as nossas mãos tocaram (1.1). O apóstolo investe a sua atenção ao usar todos os seus recursos para certificar seus leitores da presença física do Senhor entre os onze. Aqui pode estar incluído o momento em que Jesus apareceu-lhes no cenáculo onde estavam reunidos, e convidou-os a tocá-lo e constatarem que, se Ele fosse apenas um espírito, não teria carne nem ossos. Para consolidar suas convicções, pediu-lhes o que comer e, recebendo, comeu (Lc 24.36-43; cf Jo 20.20-24).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

Por ser eterno e estar acima da vida física e espiritual, Jesus transcende toda e qualquer consideração de tempo que alguém tente fazer a seu respeito.

III. CRISTO – A VIDA SE MANIFESTOU

Visto que no Verbo está a vida, Ele “se fez carne e habitou entre nós”, a fim de oferecer a vida eterna ao homem (Jo 1.14; 3.16). Quando João escreve que o Verbo se fez carne, está dizendo que Deus planejou e tornou realidade a encarnação do seu Eterno Filho para que, na condição de homem, vivesse entre nós (Is 7.14; Mt 1.23). Nessa forma, ao sacrificar-se, Jesus oferece a vida eterna aos que o aceitam como seu salvador (Jo 3.16), os quais, por isso, tornam-se participantes da natureza divina (Jo 15.4,5). João anuncia estas verdades chamando a atenção da Igreja para as obrigações concernentes ao que está recebendo, pois, ao tomar conhecimento de doutrinas tão essenciais para a vida cristã, nos tornamos responsáveis diante de Deus pela aceitação e observância destas (Jo 5.39; Lc 12.48).

SINOPSE DO TÓPICO (III)

Ao recebermos a vida eterna, tornarmo-nos não somente participantes da natureza divina, mas também responsáveis pela observância das doutrinas essenciais da vida cristã.

IV. JESUS ETERNO E ATUANTE DESDE O PRINCÍPIO

1. No Antigo Testamento. Jesus sempre esteve presente e ativo antes e depois da sua vinda a este mundo como homem. Por Ele, todas as coisas foram criadas (Gn 1.26; Cl 1.16.17; Rm 11.36). O Antigo Testamento relata algumas de suas aparições, em forma humana, antes mesmo da encarnação. A Abrão, Ele apareceu acompanhado de dois anjos nos carvalhais de Manre e ainda se alimentou (Gn 18.1-8); no vau de Jaboque mudou o nome de Jacó para Israel (Gn 32.22-30) manifestou-se a Josué antes da destruição de Jericó (Js 5.13-15), e apareceu aos pais de Sansão (Jz 13.2-22).

2. No Novo Testamento, após sua morte redentora. A caminho de Damasco, Paulo teve a maior e melhor de todas as suas experiências com o Senhor Jesus, momento em que foi salvo e incumbido de levar o Evangelho ao mundo inteiro (At 9.1-8).

Quando o próprio João esteve em grande dificuldade na ilha de Patmos, o Senhor Jesus lhe apareceu para confortá-lo e lhe confiou revelações que, além de edificar-lhe, ofereceram sustentação doutrinária à Igreja do Senhor (Ap 1.17-22.21). A variedade de registros a respeito da ressurreição de Cristo realizada pelos escritores do Novo Testamento é a mais evidente prova de que o Senhor Jesus está e permanecerá vivo eternamente.

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

As aparições de Jesus antes de sua encarnação, o fato de Ele ter participado da criação de todas as coisas, bem como a variedade de registros a respeito de sua ressurreição pelos escritores do NT, indicam que Ele vive eternamente.

CONCLUSÃO

O nascimento de Jesus, seu ministério, morte, sepultamento, ressurreição e ascensão, são as expressões máximas de sua perfeita humanidade e divindade. Sua onipresença em toda a história, sua indispensável estada, na forma humana, por um breve período no universo dos homens, e a direção da sua Igreja, são a prova de que Ele está conosco (Mt 28.20). Bem aventurados os que crêem assim.

REFLEXÃO

“No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.”

VOCABULÁRIO

Feitura: Efeito do trabalho; obra, produto.

Idoneidade: Qualidade de idôneo; aptidão, capacidade, competência.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BERGSTÉN, E. Teologia Sistemática. RJ: CPAD, 2004.

EXERCÍCIOS

1. Qual o propósito de João ao escrever sua primeira epístola?

R. Solidificar a convicção de seus leitores a respeito da eternidade de Jesus Cristo, o filho de Deus.

2. Mencione uma referência bíblica que comprove a manifestação do filho de Deus em carne.

R. (1 Jo 1.1).

3. Mediante quais expressões joaninas fica evidente a ênfase do autor ao fato de que os apóstolos haviam convivido com Jesus?

R. “O que vimos com os nossos olhos”, “o que temos contemplado”, “nossas mãos tocaram” e “o que vimos e ouvimos”.

4. Cite algumas referências bíblicas que comprovam a aparição de Jesus em forma humana no AT.

R. Gn 18.1-8; 32.22-30; Js 5.13-15; Jz 13.2-22.

5. Em relação ao Novo Testamento, qual é a prova mais evidente de que Jesus está vivo?

R. A variedade de registros a respeito de sua ressurreição realizada pelos escritores do Novo Testamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *