2º Trimestre de 2010

 

Data: 13 de Junho de 2010

TEXTO ÁUREO

“SENHOR, o meu coração não se elevou, nem os meus olhos se levantaram; não me exercito em grandes assuntos, nem em coisas muito elevadas para mim” (Sl 131.1).

VERDADE PRÁTICA

Que a nossa única preocupação seja buscar a glória de Deus para a Sua glória, porque Ele é o Senhor da glória!

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Jr 32.13

Baruque, um servo obediente

Terça – Jr 36.4

Baruque, o fiel escriba

Quarta – Jr 36.13

Baruque, o arauto de Jeremias

Quinta – Jr 43.3

Baruque é acusado

Sexta – Jr 43.6

Baruque tem a vida resguardada

Sábado – Jr 45.2-5

Baruque recebe a divina promessa

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Jeremias 45.1-5.

1 – Palavra que falou Jeremias, o profeta, a Baruque, filho de Nerias, escrevendo ele aquelas palavras, num livro, da boca de Jeremias, no ano quarto de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo:

2 – Assim diz o SENHOR, Deus de Israel, acerca de ti, ó Baruque:

3 – Disseste: Ai de mim agora, porque me acrescentou o SENHOR tristeza à minha dor! Estou cansado do meu gemido e não acho descanso.

4 – Isto lhe dirás: Assim diz o SENHOR: Eis que o que edifiquei eu derribo e o que plantei eu arranco, e isso em toda esta terra.

5 – E procuras tu grandezas? Não as busques, porque eis que trarei mal sobre toda a carne, diz o SENHOR; a ti, porém, darei a tua alma por despojo, em todos os lugares para onde fores.

INTERAÇÃO

Professor, em Mateus 28.18,19 (ARA), Jesus ordena aos onze: “Ide e fazei discípulos de todas as nações”. Seu objetivo é claro: façam discípulos. Jesus não desejava que eles apenas pregassem as Boas Novas, mas que formassem servos semelhantes a eles, que pudessem dar prosseguimento àquela missão, ou seja, discípulo formando discípulo. Fazer discípulo demanda tempo, esforço, dedicação, acompanhamento, aconselhamento, paciência, sabedoria e amor. Essa tarefa não é nada fácil, mas extremamente recompensadora. Portanto, seja fiel até o fim à missão que o Senhor lhe concedeu.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Identificar as características de Baruque.
Analisar o relacionamento de Baruque com Jeremias.
Priorizar o Reino de Deus e a sua glória em vez de o sucesso pessoal.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Para introduzir o último tópico da lição, escreva no quadro-de-giz o seguinte: sucesso ministerial x excelência ministerial. Depois, pergunte aos alunos qual a diferença entre essas duas expressões. Anote as respostas no quadro enquanto são mencionadas. Em seguida, leve-os a compará-las.

É importante ressaltar que nesta atividade não existe resposta certa e errada, uma vez que, logo depois, você estará embasando o assunto na Bíblia.

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Glória: Honra, magnificência, esplendor, prestígio.

Se Baruque esperava um sucesso imediato no ministério, vê-se agora decepcionado. Pois o monarca, tendo apostatado da fé, queima o rolo com as profecias de Jeremias, induzindo o povo a afastar-se ainda mais de Deus. Em seguida, recebe Baruque ordens de registrar novamente as palavras que se achavam no livro destruído pelo rei, agora com vários aditamentos.

Que perspectiva haveria para Baruque? Para quem sonhava com o sucesso, seria obrigado a conviver com um aparente fracasso.

I. QUEM ERA BARUQUE

Poucos são os dados de que dispomos acerca de Baruque, escriba e fiel amigo do profeta Jeremias.

1. Pertencia à nobreza de Judá. Era ele filho de Nerias, irmão de Seraías, camareiro-mor do rei Zedequias (Jr 51.59). Provinha certamente de uma família que o havia educado para ser, em todas as coisas, uma bênção nas mãos de Deus. Aliás, Baruque, em hebraico, significa “abençoado”.

Tem você preparado seu filho para ser uma bênção nas mãos de Deus? Invista em sua vida espiritual para que, mais tarde, não venha ele a dar-lhe aborrecimentos e tristeza sobre tristeza.

2. Era um jovem culto e bem educado. Baruque tanto sabia escrever com perfeição como ler perfeitamente em público. Era um arauto perfeito. Portanto, um jovem graduado que colocara toda a sua formação acadêmica a serviço de Deus.

Querido jovem, estão os seus talentos nas mãos de Deus? “Desperta, faz-te pronto; poucos dias são que restam para o segador”.

SINOPSE DO TÓPICO (I)

Baruque era um jovem culto, nobre, inteligente e hábil na arte de escrever, que trabalhava como secretário particular do profeta Jeremias.

II. A CORAGEM E O ZELO DE BARUQUE

O jovem Baruque era conhecido por seu zelo e coragem. Vejamos de que forma exerceu o seu ministério.

1. Cuidava dos negócios particulares de Jeremias. Como os pastores necessitam de secretários como Baruque! Em Jeremias 32.10, o profeta confia-lhe a escritura de uma propriedade que acabara de adquirir. Mero trabalho burocrático? Simples tarefa? É na execução das pequenas coisas que somos preparados para as grandes.

Talvez, neste momento, esteja você a realizar algo considerado humilde ou pequeno. O que você não sabe, porém, é que, no âmbito do Reino de Deus, jamais devemos desprezar as pequenas coisas (Zc 4.10; Lc 16.10).

2. Registrava fielmente as palavras de Jeremias. Cabia-lhe também o registro das palavras que o profeta, inspirado pelo Espírito Santo, recebia do Senhor (Jr 36.4).

Teria Baruque ciência da relevantíssima tarefa que realizava? Hoje, passados mais de 2.500 anos, ainda nos comovemos com a história de Jeremias, tudo porque um jovem escriba resolvera colocar todo o seu talento a serviço do Reino de Deus.

3. Lia as palavras de Jeremias. Assim como Moisés tinha Arão, e assim como Eliseu tinha a Geazi, tinha Jeremias também o seu escriba e porta-voz: Baruque. Vemo-lo, agora, a proclamar a todo o Judá as palavras que o profeta lhe mandara registrar (Jr 36.8). Primeiro, leu-as diante do povo; em seguida, perante os conselheiros do rei até que, finalmente, foi a mensagem lida diante do mesmo rei pela boca de um príncipe chamado Jeudi (Jr 36.21).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

Baruque cuidava dos negócios de Jeremias, registrava e lia as palavras dele com coragem e zelo.

III. A EXPECTATIVA DE BARUQUE É FRUSTRADA

À semelhança dos outros jovens, tinha Baruque suas expectativas. Conforme podemos depreender do texto bíblico, esperava ele um sucesso imediato na vida ministerial. Afinal, estava a secretariar um dos mais influentes profetas de Israel. Havia, porém, algumas lições que precisava aprender e com urgência.

1. A frustração de Baruque. Para quem esperava um sucesso imediato, eis que Baruque só vê dificuldades e frustrações. E se pensava que, com a leitura da profecia, o povo curvar-se-ia sem detença ao Senhor, tal não acontece. Haja vista como o rei trata a mensagem profética: corta o rolo com o canivete de escrivão, e joga o pergaminho no braseiro (Jr 36.23).

2. A destruição de Jerusalém. Baruque também esperava viver numa cidade na qual viesse a ter possessões e, onde, tranquilamente, pudesse constituir um lar. É claro que tais coisas não constituem pecado. No entanto, tal demanda, naqueles dias, fazia-se proibitiva, pois o Senhor estava para destruir tudo o que plantara (Jr 45.4). Dessa forma, ter a alma como espólio, ou herança, já era um grande negócio.

3. O tratamento recebido por Jeremias. Se esperava ele descansar sob a fama e o prestígio de Jeremias, achava-se enganado. Pois o seu senhor era tratado em Judá como traidor. Haja vista a prisão que o profeta viu-se constrangido a amargar (Jr 38.6).

4. As acusações contra Baruque. Além do mais, pesava sobre Baruque uma gravíssima acusação. Os nobres de Judá supunham que as palavras de Jeremias eram, na verdade, de Baruque. Sendo ele um jovem nobre e culto, pensavam, encontrava-se a induzir o profeta a pronunciar todas aquelas profecias contra Jerusalém e contra o Santo Templo (Jr 43.3).

SINOPSE DO TÓPICO (III)

Baruque sofreu grande frustração em seu ministério e vida pessoal, porquanto esperava sucesso, reconhecimento e prestígio de Jeremias e do povo.

IV. SUCESSO OU EXCELÊNCIA?

Sabe por que há tantos obreiros frustrados? Porque estão atrás apenas do sucesso ministerial. Isso é uma tragédia para o homem de Deus!

1. A efemeridade do sucesso. O sucesso faz o nome do obreiro, todavia não o torna conhecido diante de Deus. Dá-lhe riquezas, porém, não lhe proporciona prosperidade espiritual. Enche-lhe o templo, mas, não raro, de crentes vazios. Confere-lhe prestígio, entretanto, não lhe aumenta a reputação diante daquEle que tudo vê e tudo conhece. Abre-lhe as portas aos poderosos, não obstante, fecha-lhe as do Todo-Poderoso. O sucesso faz a igreja de Laodicéia, mas somente a excelência pode conferir a beleza de Filadélfia e a perseverança de Esmirna.

O sucesso ministerial sem a excelência do Cristo de Deus nada é.

2. A glória da excelência. A excelência! É esta que devemos perseguir até que nos venha buscar o Senhor. Se com ela semeamos com lágrimas, com ela ceifaremos com alegria. Se com ela sofremos, com ela jubilaremos na presença do Rei. Além disso, quando fomos chamados ao ministério, o Senhor não nos disse que teríamos sucesso; através de seu apóstolo, assegurou-nos que excelente coisa estávamos nós almejando (1 Tm 3.1-3). Sabe por que Paulo jamais se sentiu frustrado? Ele perseguia a excelência ministerial no serviço do Senhor, e não o sucesso (Rm 11.13). O sucesso quem procurava era Demas que, no momento mais difícil de Paulo, abandona-o por sentir-se atraído pelo presente século (2 Tm 4.10).

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

Aqueles que militam na obra de Deus devem buscar a excelência da obra e a glória de Deus, e não, o sucesso ministerial.

CONCLUSÃO

Jeremias, agora, exorta ao seu secretário a deixar os sonhos de grandeza, a fim de se dedicar à excelência da obra de Deus. Já não tinha o jovem à alma como despojo ou patrimônio? O que mais buscava?

O que você tem almejado, homem de Deus? O sucesso ou a excelência ministerial no trabalho do Senhor? É hora de reavaliarmos nossas prioridades. A grandeza pertence única e exclusivamente a Deus. É dEle que nos vêm a excelência!

VOCABULÁRIO

Arauto: Emissário, mensageiro.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

KULIGIN, V. Dez coisas que eu gostaria que Jesus nunca tivesse dito. 1.ed. RJ: CPAD, 2008.
ZUCK, R. B. (ed). Teologia do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008.

EXERCÍCIOS

1. Quem foi Baruque?

R. Ele era filho de Nerias e pertencia a nobreza de Judá.

2. Qual era a sua função?

R. Era secretário de Jeremias.

3. Por que se sentiu ele frustrado?

R. Porque o povo não não deu crédito a Palavra do Senhor. O rei cortou o rolo com o canivete e jogou-o no braseiro.

4. Qual a diferença entre a excelência e o sucesso?

R. O sucesso faz o nome do obreiro, todavia não o torna conhecido diante de Deus.

5. Você tem perseguido a excelência no ministério?

R. Resposta pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *