Lição 4 – CRENDO NO DEUS TRINO

MEDITAÇÃO

 “E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu, e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu Filho amado; em ti me tenho comprazido” (Lc 3.21,22). 
 
REFLEXÃO BÍBLICA DIÁRIA 
 SEGUNDA – Gênesis 1.26; João 1.1-3 
 TERÇA – Lucas 3.21 -22; 4.17-19 
 QUARTA – João 3.16 

 SÁBADO-Gênesis 1.1,2

TEXTO BÍBLICO BASE 

1 – No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 
2 – Ele estava no princípio com Deus. 
3 – Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. 
4 – Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens; 
5 – e a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. 
6 – Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. 
7 – Este veio para testemunho para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele. 
8 – Não era ele a luz, mas veio para que testificasse da luz. 
9 – Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo, 
10 – estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu, 
11 – Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 
12 – Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que creem no seu nome,
13 – os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. 
14 – E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade.

INTERAGINDO COM O ALUNO 
Caro professor, provavelmente o seu aluno já ouviu falar da expressão Santíssima Trindade? Mais provável ainda que ele seja oriundo de uma tradição católica, e ao menos tenha feito a 1a Comunhão. Essas informações são importantes porque você nem sempre partirá do zero com o seu aluno que é um novo convertido. Se esta é a realidade do seu aluno, valorize a experiência de aprendizado que ele teve, perguntando o que ele aprendeu e entende sobre o tema em questão. A doutrina da Santíssima Trindade é uma doutrina preciosa das Escrituras, pois sabemos que o Deus Trino está conosco consolando-nos o coração e apaziguando os nossos ânimos. 
  O propósito desta lição é que o novo convertido compreenda a expressão amorosa, comunitária e solidária de Deus manifestada na Santíssima Trindade. Esta traduz a verdade que as Pessoas do Pai, do Filho e do Espírito Santo relacionam-se integralmente. À luz dessa relação verdadeira, como Igreja do Senhor, somos chamados a relacionarmos uns com os outros em amor.

OBJETIVOS 
Sua aula deverá alcançar os seguintes objetivos: 
1 Apresentar as evidências bíblicas da doutrina da Santíssima Trindade. 
2 Refutar os equívocos quanto à doutrina da Santíssima Trindade. 

3 Conscientizar os alunos sobre a maneira amorosa, servidora e comunitária que o Deus Trino opera em nós.

PROPOSTA PEDAGÓGICA 

Caro professor, tenha em mente que o ensino das Escrituras sobre a Santíssima Trindade mostra-nos que as pessoas trinitárias e divinas trabalham de maneira comunitária em favor da criação e do ser humano. 
  Inicie a aula perguntando o que os alunos compreendem sobre a Santíssima Trindade. Ouça as respostas atenciosamente. A partir das respostas dos alunos, comece a expor as evidências bíblicas da doutrina da Santíssima Trindade. Antes de chegar ao conceito final de Trindade, procure demonstrar as evidências bíblicas, com foco principal no Novo Testamento. Você perceberá que, embora na perspectiva lógica pareça difícil entender, as Escrituras dão conta da manifestação da Trindade, e ilógico seria não identificar essa manifestação do Deus Trino na Bíblia.
Não se preocupe em explicar pormenorizadamente a dinâmica da Trindade, pois isso nem as mentes mais brilhantes da Igreja o conseguiram. Seja apenas fiel ao texto bíblico. Não há outra interpretação possível, por exemplo, em Mateus 3.13-17. Aqui, há a pessoa do Pai, a pessoa do Filho e a Pessoa do Espírito Santo interagindo uns com os outros. O Deus Trino agindo!

 INTRODUÇÃO 
Nesta lição, estudaremos uma das mais tradicionais e importantes doutrinas da Igreja Cristã: a Santíssima Trindade. O Pai, o Filho e o Espírito Santo; três pessoas, um só Deus. É bem verdade que esta doutrina bíblica é um grande mistério da Fé Cristã. Trata-se, pois, de uma doutrina pela qual as Escrituras dão testemunhos com muita clareza, mas a cognição humana tende a resistí-la. Entretanto, o nosso objetivo não é explicar Deus, pois ser humano algum pode ter tal pretensão. Desejamos apenas mostrar a você que as Sagradas Escrituras dão testemunho do Deus Pai, de Jesus Cristo, o seu Filho, e do Espírito Santo. E mostra também que as três Pessoas da Santíssima Trindade trabalham e agem em eterna e profunda comunhão, denotando assim, o exemplo de como o Corpo de Cristo, a Igreja, deve ser integrado. 
 
1. EVIDÊNCIAS BÍBLICAS DO DEUS TRINO 
   1.1. No Antigo Testamento. O Antigo Testamento apresenta um só Deus que se revela aos seres humanos por intermédio dos seus nomes, atributos e modo de agir. As Escrituras do Antigo Testamento lançam algumas luzes sobre o aspecto trino do Deus Único: “ Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gn 1.26). Atente para os pronomes plurais grifados no versículo. Tais pronomes destacam uma comunicação entre mais de uma pessoa. Essas pessoas envolvidas na comunicação não poderiam ser anjos ou seres não-identificados, pois não há margem para isso no texto. Portanto, Deus Pai estava se comunicando com o Filho e o Espírito Santo quando da Criação do ser humano (cf. Jo 1.1-3,10; Gn 1.2). Outros lugares do Antigo Testamento destacam a comunicação e a distinção entre as pessoas da Santíssima Trindade (Is 48.16; 61.1; 63.9,10; Zc 12.10). 
     1.2. Em o Novo Testamento. Se no Antigo Testamento a revelação sobre a Santíssima Trindade foi por intermédio de algumas luzes não muito claras, em o Novo Testamento essa revelação é muito maior. O apóstolo João inicia o seu Evangelho revelando a parceria do Deus Pai e do seu Filho, Jesus Cristo, no início de todas as coisas: “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1.1). Apenas o trecho bíblico de João 1.1-14 bastaria para compreendermos a revelação trinitária de Deus. No entanto, o Novo Testamento é abundante nos destaques da revelação trinitária do Deus Uno (Mt 11.27; Fp 2.10; Jo 8.58; 10.30; Cl 1.17; Hb 1.8; Ap 3.14). 
    1.3. No ministério de Jesus Cristo. Para além dos textos do Antigo e do Novo Testamento, uma maneira honesta e convincente de atestarmos a revelação trinitária do Deus Único é estudando o ministério terreno de Jesus. Em primeiro lugar, Jesus foi enviado ao mundo pelo Pai (Jo 3.16). Em segundo, quando iniciou o seu ministério, submeteu-se ao batismo no Rio Jordão. Ali aconteceu a manifestação simultânea e incontestável das três Pessoas da Santíssima Trindade (Lc 3.21,22). O Filho foi ungido pelo Espírito Santo para anunciar as boas novas e o ano da graça de Deus (Lc 4.17-19). O ministério terreno de Jesus revelou o Pai incriado, o Filho incriado e o Espírito Santo incriado. O Pai incomensurável, o Filho incomensurável e o Espírito Santo incomensurável. O Pai eterno, o Filho eterno e o Espírito Santo eterno. 
Portanto, “nós adoramos um Deus em Trindade, Trindade na Unidade; sem confundir as pessoas, sem dividir a Substância. Porque há uma Pessoa do Pai, outra do Filho, e outra do Espírito Santo. Mas a divindade do Pai, do Filho, e do Espírito Santo é uma só: a glória igual, a majestade, coeterna”. Eis o mistério da fé! 
 
AUXÍLIO HISTÓRICO E TEOLÓGICO 1 
“Tertuliano, o ‘bispo pentecostal de Cartago’ (160 – c. de 230), fez contribuições de valor inestimável para o desenvolvimento da ortodoxia trinitária. Adolph von Harnack, por exemplo, insiste que foi Tertuliano que preparou o terreno para o desenvolvimento subsequente da doutrina trinitariana ortodoxa. A tarefa de Tertuliano foi criar um meio por onde fluíssem as implicações inerentes da teologia trinitariana na consciência da Igreja. Embora Tertuliano seja tido como o primeiro erudito a empregar o termo ‘Trindade’, não é correto dizer que ele ‘haja inventado’ a doutrina, mas, que ‘escavou’ na consciência da Igreja e retirou daí os pensamentos trinitarianos inerentes que já estavam presentes. B. B. Warfield comenta: ‘Tertuliano tinha de… estabelecer a divindade verdadeira e completa de Jesus… sem criar dois deuses… E considerando o sucesso que conseguiu nesse aspecto, deve ser reconhecido como o pai da doutrina eclesiástica da Trindade’. Tertuliano torna explícito o conceito de uma ‘Trindade econômica’ (semelhante ao conceito de Irineu, mas com uma definição mais explícita). Enfatiza a unidade de Deus, ou seja: que existe uma só substância divina, um só poder divino – sem separação, divisão, dispersão ou diversidade – há, porém, uma distribuição entre as funções, uma distinção entre as Pessoas” (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp.167-68). 
 
2. EQUÍVOCOS QUANTO À DOUTRINA DA SANTÍSSIMA TRINDADE 
   2.1. As Pessoas da Trindade não têm uma relação de subordinação. Durante a história da Igreja Cristã, alguns crentes cometeram equívocos doutrinários em relação à doutrina da Santíssima Trindade. Um desses equívocos era a crença de que as pessoas da Trindade estão subordinadas uma a outra – o Subordinacionismo. Nessa doutrina, o Pai é maior que o Filho; o Filho não é Deus; o Espírito Santo não é uma Pessoa, nem muito menos Deus, mas uma energia ativa. Então, o Pai é maior que o Filho; o Filho maior que o Espírito; e o Espírito, o último da hierarquia. 
  A ideia de um Deus isolado não honra as Escrituras. As três Pessoas da Santíssima Trindade trabalham em comunhão. A encarnação do Filho revela que Deus é Pai (Jo 1.1,2,14), e o Filho possui a mesma natureza e essência com o Pai (Mt 11.27). O Espírito Santo, enviado pelo Pai em nome do Filho (Jo 14.26) e pelo Filho da parte do Pai (Jo 15.26), revela que o Espírito é com o Pai e o Filho a mesma divindade.
 2.2. As Pessoas da Trindade não são modos diferentes do Deus Altíssimo se revelar. O Modalismo é a crença na doutrina de que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são modos ou modalidades diferentes de o Deus Único se manifestar. Essa doutrina afirma que, no Antigo Testamento, Ele se manifestou como o Pai; em o Novo, como o Filho; nos dias atuais (o tempo da Igreja), como o Espírito Santo. 
  As Escrituras ensinam que as Pessoas da Santíssima Trindade, da mesma forma que têm a mesma natureza e essência, também operam dentro da divindade (1 Co 8.6; 1 Co 12.11), embora, tenham operações distintas no Plano de Salvação. Entretanto, o Deus Altíssimo não se revelou em modalidades diferentes. O Pai, o Filho e o Espírito Santo operam gloriosamente na vida do crente. 
    2.3. As Pessoas da Trindade não são três deuses. O Triteísmo é a crença que afirma que as Pessoas da Santíssima Trindade são deuses distintos, separados e autônomos. A Bíblia condena a idolatria! Por isso, a natureza e a essência de Deus jamais dariam margem para o triteísmo. A Igreja de Cristo afirma e reafirma a existência objetiva de três Pessoas da Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Entretanto, não os crê separados e não-relacionados, mas como unidade perfeita na Trindade. Assim é o Deus da Bíblia! 
  As Escrituras Sagradas afirmam com clareza: “Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR” (Dt 6.4; cf. Mc 12.30). O Deus Único é o Deus Trino que opera em nossa vida. A Ele glória eternamente! 
 
 AUXÍLIO TEOLÓGICO 2 
Os maiores equívocos em relação a doutrina da Trindade se dá quando se começa fazer especulações em relação a natureza da relação, pois “as distinções entre os membros da Deidade não se referem à sua essência ou substância, mas ao relacionamento. Noutras palavras: a ordem de existência na Trindade, no tocante ao ser essencial de Deus, está espelhada na Trindade salvífica. ‘São, portanto, três, não na posição, mas no grau; não na substância, mas na forma; não no poder, mas na sua manifestação” (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, p.177). 
 
3. O DEUS TRINO OPERA EM SUA VIDA 
    3.1. De uma maneira amorosa. Deus é amor! O Pai provou o seu amor pelo mundo quando enviou o seu Filho em nosso lugar (Jo 3.16). O Filho provou o seu amor por nós quando, espontaneamente, obedeceu o Pai e doou-se para a humanidade, morrendo em nosso lugar para nos redimir, regenerar, justificar e salvar (Rm 8.1-11). O Espírito Santo prova o seu amor por nós quando convence-nos do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.7-11). A Santíssima Trindade, o Deus Trino, opera amorosamente em nossa vida. As pessoas da Trindade se relacionam baseadas neste amor. À luz desse amor é que somos convidados por Deus a nos amarmos uns aos outros com um amor espontâneo, livre e sem interesses (1 Co 13.4-7). O Pai deu o seu Filho só por amor. O Filho aceitou essa missão, por amor. O Espírito Santo cumpre essa missão. 
     3.2. De uma maneira servidora. A natureza do ministério de Jesus Cristo é servidora: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor” (Lc 4.18,19). O Deus Trino trabalha de maneira servidora em favor das pessoas. Não podemos jamais esquecer esse aspecto de serviço pelo qual aprendemos com a operação das pessoas da Trindade em nossa vida. Tudo o que fazemos na igreja local, o corpo visível de Cristo, em nossa família ou em quaisquer esferas da vida, deve visar a natureza servidora apresentada no ministério de Jesus. Devemos priorizar as pessoas! 
    3.3. De uma maneira comunitária. A Santíssima Trindade é por natureza comunitária porque as pessoas trinitárias não vivem separadamente, pois são inseparáveis, indivisíveis, trabalhando eternamente unidas pela Igreja. O Pai, o Filho e o Espírito Santo vivem em comunidade, isto é, em eterna e profunda comunhão. Por isso, somos encorajados a viver uma comunhão profunda com os nossos irmãos. Ajudar o outro, chorar com o outro, cantar com o outro, orar com e pelo outro. Termos um ânimo pronto, buscar a vontade de Deus e nos aproximarmos mais do seu Reino. Portanto, eu e você somos parte dessa grande comunidade dos santos, a Igreja de Deus. E somos chamados a expressar essa comunhão trinitária e multiforme para o mundo. 
 
AUXÍLIO DIDÁTICO 3 
Professor, ao encerrar esta lição é interessante que você teça um comentário sobre o limite da razão. Quando estudamos a doutrina da Trindade, temos a impressão que a razão se vê diante de uma “pedra de tropeço”. Nessas horas devemos lembrar o que bem falou o reformador Martinho Lutero: “ posto que se baseie claramente nas Escrituras, a razão precisa conservar-se em silêncio sobre o assunto; devemos tão somente crê” (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostai 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, p.157). 
 
CONCLUSÃO 

Nesta lição, estudam os a Santíssima Trindade. Você deve ter notado que não se trata de um assunto simples, e sim complexo. Não se preocupe em compreender os pormenores nesse momento. Agora, o importante é compreender a essência de tão misteriosa doutrina da nossa fé. Você terá muito tempo para estudar a Santíssima Trindade em excelentes manuais de Teologia Sistemática. Entretanto, adianto-lhe uma verdade: Ela é mistério da fé! Mas podemos aprender verdades essenciais da fé cristã: a profunda comunhão da Igreja; a natureza servidora dos discípulos de Cristo; a capacidade de se doar ao próximo; a maneira como Deus se revela, etc. A doutrina da Santíssima Trindade encoraja-nos a vivermos a comunhão cristã.

VERIFIQUE O SEU APRENDIZADO 

1 . Como o Antigo Testamento apresentanos Deus?
 O Antigo Testamento apresenta um só Deus que se revela aos seres humanos por intermédio dos seus nomes, atributos e modo de agir. 
 
2 . Cite o versículo que lança luz sobre o aspecto trino de Deus no Antigo Testamento.
 “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gn 1.26). 
 
3 . Cite o texto bíblico do Novo Testamento que basta para entendermos a doutrina da Santíssima Trindade.’ 
 João 1.1-14. 
 
4. Cite os três principais erros concernentes à doutrina da Trindade. 
 Subordinacionismo, Modalismo e Triteísmo. 
 
5 . De que maneira o Deus Trino opera em sua vida? 
 De maneira amorosa, servidora e comunitária.

2 comentários em “Lição 4 – CRENDO NO DEUS TRINO”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima