3º Trimestre de 2007

 

Data: 02 de Setembro de 2007

TEXTO ÁUREO

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17).

VERDADE PRÁTICA

O Espírito Santo transforma o caráter do crente que a Ele se entrega incondicionalmente.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Rm 8.9-11

O Espírito Santo renova a vida do crente

Terça – Rm 8.14-16

O Espírito Santo orienta o crente em suas ações

Quarta – 1 Pe 1.22,23

A verdade alimenta o caráter

Quinta – Sl 101.6

O crente deve buscar a retidão

Sexta – 1 Pe 3.10-12

Retidão, princípio da comunhão com Deus

Sábado – Lc 19.8-10

Jesus, saúde para o caráter

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 Pedro 1.3,4,18,19,22,23; 2.1-3.

1 Pedro 1

3 – Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,

4 – para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós

18 – sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos vossos pais,

19 – mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado.

22 – Purificando a vossa alma na obediência à verdade, para caridade fraternal, não fingida, amai-vos ardentemente uns aos outros, com um coração puro;

23 – sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre.

1 Pedro 2

1 – Deixando, pois, toda malícia, e todo engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações,

2 – desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional não falsificado, para que, por ele, vades crescendo,

3 – se é que já provastes que o Senhor é benigno.

INTERAÇÃO

Professor, como foi a ministração da semana anterior? Os alunos gostaram de estudar a vida e o caráter do apóstolo Paulo? Eles estão motivados? Você tem observado alguma mudança de comportamento por parte de seus alunos? Continue orando em favor de seus educandos, a fim de que o Senhor Jesus realize mudanças profundas no caráter de cada um deles. Deus o abençoe!

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Explicar a mudança do nome de Simão para Pedro.
Descrever o chamado e restauração de Pedro.
Reconhecer que Jesus vocaciona os homens a despeito de suas falhas.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, nesta lição, estudaremos a biografia de um dos apóstolos mais dinâmicos do Novo Testamento. Pedro é proeminente nos Evangelhos e nos doze primeiros capítulos de Atos dos Apóstolos. Escreveu duas importantes epístolas e foi o primeiro a pregar o evangelho aos gentios. Na classe, destaque o caráter e temperamento do apóstolo Pedro. Discuta com os educandos a mudança significativa entre os nomes Simão e Pedro, bem como as características do caráter e temperamento designados por esses nomes. Ressalte a mudança efetuada pelo Espírito Santo na vida de Pedro. Veja um exemplo na tabela abaixo.

COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave

Sincero: Virtude mediante a qual a pessoa, em palavras e atos, se conduz sem a intenção de enganar.

Pedro é, sem dúvida alguma, um dos principais personagens do Novo Testamento. Os Evangelhos e o livro de Atos biografam-no com admirável riqueza de detalhes. Neles, o apóstolo é apresentado como um homem impulsivo, porém, sincero e dinâmico.

I. PEDRO, PESCADOR DE HOMENS (Lc 5.8-10)

1. Simão, o pescador. Simão Pedro e seu irmão André eram pescadores e companheiros de outros dois irmãos, também pescadores: João e Tiago, filhos de Zebedeu (v.10). Pedro era de Betsaida, uma aldeia que ficava ao norte do mar da Galiléia (Jo 1.44). Porém, estabelecera sua residência em Cafarnaum, noroeste do lago. Com ele residia sua esposa, sogra e André (Mc 1.21,29).

2. Pedro, pescador de homens. Após o encontro com Jesus, Simão retornou imediatamente à pesca (Lc 4.38,39; 5.1-3 cf. Mt 4.18-22; Mc 1.16-20; Jo 1.42).

Certo dia, Simão e seus companheiros passaram uma noite inteira pescando e nada apanharam.

Aquela longa e malsucedida vigília fez com que retornassem à praia mais cedo (Lc 5.5). Ao chegarem, depararam-se com Jesus que ensinava à multidão. O Mestre, vendo dois barcos à beira do lago, entrou no que pertencia a Simão, e pediu-lhe que o afastasse um pouco da praia. Sentou-se, e de lá continuou seus ensinamentos (Lc 5.3). Acabando de falar, ordenou a Simão que lançasse a rede em águas mais profundas. O pescador da Galiléia relutou em obedecer ao Filho de Deus, mas, logo depois, decidiu confiar em suas palavras (Lc 5.5). A Bíblia afirma que, naquele dia especial, “pescaram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede” (v.6). Simão ficou tão espantado com o milagre que imediatamente prostrou-se aos pés de Cristo confessando-lhe os pecados (Lc 5.8,9). Então, o Mestre Divino asseverou-lhe: “Não temas; de agora em diante, serás pescador de homens” (v.10).

3. Jesus muda o nome de Simão. Simão é uma abreviatura de Simeão, um dos doze filhos de Jacó (Gn 29.33). Esse patriarca não ficou conhecido exatamente pelo significado de seu nome, “formoso”, mas pelo seu comportamento impulsivo (Gn 49.5-7). Foi em Betânia (Jo 1.42) que Jesus mudou o nome de Simão para Pedro (grego) ou Cefas (aramaico). A partir daí, houve uma profunda renovação de seu caráter e temperamento, como aconteceu com Jacó (Gn 32.28). Simão, que antes era impulsivo e volúvel, tornara-se Pedro, ponderado, constante e firme como pedra (Mt 16.18; Mc 3.16; Lc 6.14; Jo 1.42).

SINOPSE DO TÓPICO (I)

Simão era pescador, casado, discípulo de João, chamado por Jesus para ser pescador de homens e teve seu nome mudado para Pedro.

II. O CARÁTER DE PEDRO

1. Jesus conhecia seus discípulos (Jo 2.25). O Mestre conhecia perfeitamente a personalidade, o temperamento e o caráter de cada um dos discípulos.

Jesus sabia exatamente o que estava fazendo quando escolheu Pedro, cujo caráter precisava de aperfeiçoamento. Ao chamá-lo à sua seara, o Mestre enxergara além de suas fraquezas, pois conhecia suas potencialidades (Mt 16.15-19). Pedro demonstrou seu potencial convincentemente no Dia de Pentecostes, quando cheio do Espírito Santo (At 1.13,15; 2.4) pregou a Palavra, e quase três mil almas aceitaram a Cristo como Salvador (At 2.14-41).

2. Pedro nega a Jesus (Mt 26.69-75). Pedro fora à casa de Caifás a fim de acompanhar o desdobramento da prisão de Jesus (Mt 26.58). Sentado ao pátio, foi prontamente reconhecido por uma criada. Pedro, porém, negou a Jesus. Isso se repetiria por mais duas vezes (vv.71-74). Arrependido, o apóstolo chorou amargamente (v.75; cf. Lc 22.61).

3. Procurado por Jesus ressurreto. Jesus amava tanto Pedro que lhe deu o privilégio de vê-lo ressurreto (Lc 24.34; 1 Co 15.5). Noutra ocasião, deixou-lhe uma mensagem para que se reunisse aos outros discípulos na Galiléia (Mc 16.5-7; Mt 28.10; Lc 24.12). Na terceira aparição, o Mestre perguntou a Pedro por três vezes: “Simão, filho de Jonas, amas-me?” (Jo 21.15-17). Na última reunião com os discípulos, Jesus não se referiu mais a Pedro. Apenas orientou-os a não se ausentarem de Jerusalém e esperarem a promessa do Pai (At 1.4-9).

4. Pedro no Pentecostes (At 2.14-36). O primeiro sermão de Pedro fora feito cinqüenta dias após a ressurreição de Cristo, ocasião em que também foi batizado no Espírito Santo (At 1.8), no Dia de Pentecostes. Pedro, que outrora negara o Senhor Jesus diante de simples serviçais, agora, confessa-o na presença de grandes autoridades.

5. Pedro após o Pentecostes. Dois elementos marcaram o ministério de Pedro: graça para resistir à perseguição e zelo pela integridade da Igreja.

a) Resistindo à perseguição. Certa vez, após curarem um coxo em nome do Senhor (At 3.1-9), Pedro e João foram presos e conduzidos ao Sinédrio para serem interrogados (At 3). Pedro não era mais aquele discípulo de caráter inconstante e inseguro. Agora, regozijava-se por ser considerado digno de sofrer pelo nome do Senhor (At 5.42).

b) Zelando pela integridade. A igreja recém-formada seguia triunfante, entusiasmada e disposta ao sacrifício. Todavia, nem tudo era perfeito. Ananias e Safira, por exemplo, venderam voluntariamente sua propriedade a fim de que o dinheiro fosse doado aos apóstolos para a realização de obras sociais. Porém, em vez de entregarem o valor combinado, guardaram para si uma parte do dinheiro. Eles mentiram acerca do valor do imóvel. Pedro, pelo Espírito Santo, logo percebeu o que havia acontecido. Era um caso explícito de desonestidade! O apóstolo repreendeu-os severamente, e sobreveio-lhes imediata condenação divina (At 5.1-10).

SINOPSE DO TÓPICO (II)

Jesus conhecia perfeitamente cada um de seus discípulos. Porém, convocou Pedro, a despeito de suas falhas, pois conhecia suas potencialidades, muito bem demonstradas após o Pentecostes.

CONCLUSÃO

A exemplo de Pedro, todos precisamos aperfeiçoar nosso caráter. O Senhor Jesus continua trabalhando na vida daqueles que se entregam a Ele de todo o coração, capacitando-os para toda a boa obra.

VOCABULÁRIO

Biografia: Descrição ou história da vida de uma pessoa.
Temperamento: O conjunto dos traços de uma pessoa que lhe determinam as reações emocionais, os estados de humor, o caráter.
Volúvel: Inconstante, mudável, instável; volátil.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

CABRAL, E. A síndrome do canto do galo. RJ: CPAD, 2000.
KENDRICK, M. 365 lições de vida extraída de personagens da Bíblia. RJ: CPAD, 1999.

EXERCÍCIOS

1. Comente sobre a vida de Simão, o pescador.

R. (Livre). Simão era de Betsaida e pescador. Era casado e teve seu nome mudado para Pedro.

2. Descreva o que você entendeu sobre a mudança do nome de Simão para Pedro.

R. (Livre). Foi em Betânia (Jo 1.42) que Jesus mudou o nome de Simão para Pedro. Simão, antes volúvel, tornou-se Pedro, firme como pedra.

3. Por que Jesus convocou Pedro, embora conhecesse suas fraquezas?

R. Porque o Mestre conhecia suas potencialidades.

4. O que aconteceu a Pedro na terceira aparição de Jesus, após a ressurreição?

R. O Mestre perguntou três vezes a Pedro se ele o amava. Com essas indagações, Pedro refletiu sobre seu passado, presente e futuro.

5. Quais os dois elementos que marcaram o ministério de Pedro?

R. A graça para resistir à perseguição e o zelo pela integridade da Igreja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *