“Pense, acredite e receba” — diz O Segredo. Não são praticamente
esses os passos ensinados por um famoso telemissionário que lidera uma
igreja que tem “graça” no nome, mas despreza a graça de Deus ao pregar a fé
na fé, triunfalista, e não o evangelho de Cristo? Também não é isso que
prega o super-bispo da igreja que, conquanto tenha “Reino de Deus” na
denominação, não busca o Reino de Deus e sua justiça, construindo, antes,
um império na Terra com o dinheiro dos ingênuos fiéis?
O rico e o milionário, quer dizer, o bispo e o missionário, que
começaram juntos, se separaram e comandam os seus próprios impérios. E
agora — ainda que não admitam — disputam para saber quem é o maior
evangelista do século! Um já começou a assumir isso publicamente. O outro
é mais modesto ou menos imodesto. Mas eu tenho para mim que nenhum
dos dois deveria requerer tal título…
Primeiro, porque um homem de Deus de verdade não busca títulos.
Ele sabe que não é o título que faz a pessoa; é esta, com as suas obras, que
faz aquele. E, como dizem as Escrituras, “Louve-te o estranho, e não a tua
boca, o estrangeiro, e não os teus lábios” (Pv 27.2).
Mas, quer saber qual é a principal razão por que nenhum dos dois
pode se considerar sequer um evangelista? Nenhum deles tem pregado a
Cristo! Reúnem multidões, porém são incapazes de anunciar o verdadeiro
evangelho. Por que não fazem como o grande evangelista Pedro, cuja
mensagem, no dia de Pentecostes, começou com “A Jesus Nazareno” e
terminou com “Deus o fez Senhor e Cristo” (At 2.22-36)? Por que não
pregam como Estevão, que, em vez de falar em sua defesa, preferiu falar do
Justo (At 7.52)?
Os pretensos evangelistas deste século buscam a própria glória. Um
deles assume publicamente ser favorável ao assassinato de inocentes. Ao ser
perguntado sobre o porquê de a rede de televisão do tal bispo ser pró-aborto,
um de seus homens fortes declarou: “Foi uma orientação direta do senhor…”
— Ops! Quase citei o nome de novo. — “… que nos pediu que
conscientizássemos a sociedade da importância de a mulher poder decidir
sobre o seu próprio destino” (revista Veja, edição 2.029, de 10 de outubro de
2007, pp.88,89).
Esse mesmo senhor, dono dessa grande emissora, enquanto eu escrevo
esta obra, está construindo uma mansão, um verdadeiro paraíso na Terra, na
cidade de Campos do Jordão, em São Paulo. É uma casa com dois mil
metros quadrados, avaliada em seis milhões de reais! Conforme noticiaram
revistas de circulação nacional, como a Veja, o imóvel possui 35 cômodos,
distribuídos em quatro andares, dezoito suítes, todas equipadas com
banheiras de hidromassagem…
Por meio de uma escada, do seu quarto o famoso bispo terá acesso a
um mirante do qual se descortina uma vista aprazível da cidade. A casa
conta com adega (!), sala de cinema (!), quadra de squash e elevador. Eis a
“humilde” casa do que foi considerado recentemente, num grande
ajuntamento de pessoas, o maior o evangelista do século! Não seria melhor
chamar esse bispo de um dos maiores enganadores de todos os tempos?!
Bem, para eu não perder a inspiração, vou mudar de assunto… No
próximo capítulo quero falar um pouco sobre a necessidade da “hermelética”
na vida do pregador. Você sabe o que é isso?

 

fonte: Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar – Ciro Sanches Zibordi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *