Como já vimos, nas Escrituras há pelo menos sete grupos de coisas
que, conquanto não sejam necessariamente pecaminosas, atrapalham a nossa
comunhão, principalmente no caso de um pregador.
Coisas inconvenientes (1 Co 6.12a). Tudo nos é lícito, mas certas
coisas não convém, principalmente a um obreiro. É conveniente um
pregador adotar um “visual” excessivamente moderno, a ponto de levar ele
próprio a se justificar por isso?
Coisas que dominam (1 Co 6.12b). Há atitudes e procedimentos que,
em princípio, não aparentam ser pecaminosos, mas tornam-se dominadores,
como é o caso do cuidado excessivo com a aparência. O que levaria um
pregador do evangelho — que se diz pentecostal — a preocupar-se tanto
com uma questão considerada secundária pelo Senhor Jesus (Lc 12.22-31)?
Coisas que não edificam (1 Co 10.23). Concordo que pode não ser
pecado adotar um “visual” moderninho. Porém, isso edifica? E, se não é
edificante, até que ponto não é pecado? Não quero complicar as coisas,
porém tudo o que um obreiro faz, publicamente, deve visar à salvação de
almas e a edificação do povo de Deus.
Coisas que não passam no crivo de Filipenses 4.8. Tudo o que
fazemos deve ser submetido a esse crivo. Devemos perguntar se o que
fazemos é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, de boa fama, etc. Todos
os pregadores devem se colocar diante do espelho, que é a Palavra de Deus
(Tg 1.22-24).
Coisas que parecem pecado (1 Ts 5.22). Usar certos trajes pode não
ser pecado. Contudo, a nossa comunhão com Deus e o nosso testemunho
diante dos homens são tão importantes quanto a nossa pregação, a ponto de a
Palavra de Deus mencionar a aparência do mal. Se algo que praticamos
parece pecado, o sinal amarelo acabou acender. Cuidado!
Coisas que embaraçam (Hb 12.1; 2 Tm 2.4). O obreiro do Senhor não
pode se deixar embaraçar com as coisas desta vida. E não há dúvidas de que
o assunto do artigo em questão envolve certas circunstâncias um tanto
embaraçosas, não é mesmo?
Coisas semelhantes às mencionadas em Gálatas 5.19-21. Não nos
esqueçamos de que, além das obras citadas diretamente como sendo da
carne, há outras, não mencionadas ali expressamente, porém igualmente
perigosas e pecaminosas, chamadas de “coisas semelhantes a estas” (v.21).
Não estaria o cuidado exagerado com a aparência associado a uma delas?

 

fonte: Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar – Ciro Sanches Zibordi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *