O hinduísmo é a religião peculiar dos povos da índia, embora, atualmente, esteja mais espalhado,
por motivos de migração, no Ocidente, onde muitas de suas crenças criaram raízes. Os
hindus chamam sua religião de Sanatana dh arm a que, em sânscrito, sua língua sagrada (de origem
indo-européia), significa “Ordem permanente”.
A origem e o desenvolvimento do hinduísmo vêm dos seus quatro livros sagrados chamados
Vedas e está ligado à invasão dos povos arianos, entre os séculos 13 e 9 a.C.
É uma religião declaradamente politeísta e idólatra, com uma quantidade inumerável de
práticas e crenças. Podemos distinguir dois principais ramos no hinduísmo: um filosófico, praticado
pelas castas mais altas, e um mais idólatra e primitivo, praticado pelas castas mais baixas.
Outra marca registrada do hinduísmo é a crença na reencarnação e no carma. Estas
duas convicções exercem total controle sobre a sociedade da Índia. As diferenças sociais são
explicadas por meio destas doutrinas, o que faz que os cidadãos sintam-se sempre extrema
m ente resignados com sua situação. A ten tativ a d o governo de acabar com o sistem a de castas
n ão teve êxito.
D iante da visão dou trin ária dessa religião, a salvação está inteiram ente ligada ao esforço p ró ­
prio do indivíduo. C ada pessoa deve salvar-se a si m esm a pela autopurificação em sucessivas reencarnações,
pela m editação (ioga) e pelos sofrim entos, naturais ou im postos, que, segundo acreditam
, levam o hom em a expiar seus próprios pecados.
Seu conceito filosófico sobre D eus é o panteísm o, o u seja, D eus é tu d o e tu d o é Deus.
D evido a este conceito de realidade, é difícil para os hindus entenderem u m D eus absoluto
e transcendente, isto é, à parte da Criação, com o o D eus do cristianism o. M esm o assim, possuem
u m a tríade, com posta pelas principais divindades de seu panteão: B rahm a, V ishnu e Siva.
De certo m odo, a cultura h in d u , algum as vezes, reinterpretou Jesus, colocando-o com o um
“avatar”, alguém adiantado com o Buda ou G andi, que reto rn o u a este m u n d o m ais atrasado para
ajudar os hom ens a se elevarem.

 

FONTE: APOLOGETICA ICP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *