Lição 11 – CRENDO NAS ORDENANÇAS DE CRISTO À IGREJA

MEDITAÇÃO 

“Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mt 28.19,20). 
 
REFLEXÃO BÍBLICA DIÁRIA 
 SEGUNDA-Mateus 3,1-12 
 QUINTA-Lucas 22.14-23 

 SÁBADO – 1 Coríntios 11.23-34

TEXTO BÍBLICO BASE 

13 – Então, veio Jesus da Galileia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele. 
14 – Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de batizado por ti, vens tu a mim? 
15 – Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o permitiu. 
16 – E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. 
17 – E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Mateus 28 19 – Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 
19 – E, tomando o pão e havendo dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei Isso em memória de mim. 
20 – Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós. 
23 – Porque eu recebi do Senha- o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão;
24 – e, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. 
25 – Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. 

26 – Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha.

INTERAGINDO COM O ALUNO 

Para introduzir esta lição inicie a aula informando as duas cerimônias consideradas essenciais na vida da Igreja: o batismo nas águas e a Ceia do Senhor. Estas são duas cerimônias ordenadas pelo Senhor, confirmadas pelos apóstolos e quem delas participar deve ter em mente o pleno conhecimento do significado e do que representam essas duas cerimônias ordenadas diretamente por Jesus. Por isso, os termos ‘sacramento’ e ‘ordenança’ devem ser bem definidos no primeiro tópico da lição, pois a igreja evangélica adota o batismo em águas e a Ceia do Senhor como ordenanças e não sacramentos. Você deve deixar claro para o seu aluno que o batismo e a Ceia do Senhor não podem ser considerados cerimônias que manifestam “poderes salvíficos”. O batismo é uma mensagem dramática que reflete a realidade de quem foi salvo em Cristo. A Ceia é uma mensagem dramatizada que reflete a comunhão do crente com Deus e com os irmãos. É a certeza de que somos membros da Noiva do Cordeiro. Portanto, deixe bem claro o caráter de ordenança do batismo e da Ceia do Senhor. 

OBJETIVOS 

Sua aula deverá alcançar os seguintes objetivos: 
1 Demonstrar a diferença entre sacramento e ordenança. 
2 Apresentar o significado e o propósito do batismo em águas.

3 Expor o significado e o propósito da ceia do Senhor.

PROPOSTA PEDAGÓGICA 

Para concluir a aula, leia o seguinte texto para os alunos: “O batismo nas águas é o rito de ingresso na igreja cristã e simboliza o começo da vida espiritual. A ceia do Senhor é o rito de comunhão e significa a continuação da vida espiritual. O primeiro sugere a fé em Cristo, e o segundo a comunhão com Cristo. O primeiro é administrado somente uma vez, porque pode haver apenas um começo na vida espiritual; o segundo é administrado habitualmente, para ensinar que a vida espiritual deve ser alimentada” (Myer Pearman – pastor e teólogo pentecostal//n memorian). Esse texto deve ser usado em sala de aula após a ministração de toda a lição. Tais informações solidificarão o entendimento do aluno quanto ao batismo em águas e a Ceia do Senhor. Por isso, leia o texto e discuta-o com a classe. Ouça a opinião dos seus alunos, o que eles têm a contribuir, suas impressões e considerações.. 

  A lição dessa semana é de caráter especial porque é a oportunidade de os alunos desenvolverem a iniciativa de pedirem o batismo: sem dúvidas e questionamentos, mas com convicção e certeza de que estão fazendo a coisa certa. Portanto, prepare-se bem para essa aula, e peça ao Senhor orientação e capacidade para ajudar adequadamente os alunos em tudo o que for preciso. 

INTRODUÇÃO

 O tema da presente lição versa sobre duas ordenanças que o Senhor Jesus deixou para a Igreja: o batismo e a Ceia do Senhor. Por mais de 20 séculos a Igreja tem observado essas duas ordens, embora cada denominação tenha diferentes entendimentos sobre a interpretação espiritual desses dois atos. Para esclarecermos a você o porquê desses desentendimentos, iniciaremos a nossa lição conceituando duas palavras importantes, ordenança e sacramento, para, então, compreendermos o nosso tema. E informaremos a tradição que segue a igreja evangélica no Brasil. Em seguida, analisaremos a simbologia do batismo e da Ceia do Senhor. Com esse estudo, o nosso objetivo é que cresça em você o desejo profundo de declarar a todos a fé que abraçou.

1. ORDENANÇA, NÃO SACRAMENTO 

    1.1. O que é sacramento? Derivado do latim, sacramentum, o termo referia-se a uma soma de dinheiro considerada sagrada aos deuses pagãos. Mais tarde, “sacramento” passou a designar o “juramento” dos novos recrutas do exército de Roma. Em seguida, os cristãos adotaram esse termo para dar importância aos votos de obediência e consagração a Deus. A partir de então, o termo é usado pela Igreja Católica Romana com a pretensão de transmitir graça espiritual, ou melhor, graça salvífica para os seus fiéis. Assim, na tradição católica romana, o batismo e a Ceia do Senhor – mais a crisma (confirmação da fé católica), o casamento, a ordenação, penitência e a extrema unção (ou unção dos enfermos) – são sacramentos que produzem salvação para quem os recebem desde a infância até a hora da morte. 
    1.2. O que é ordenança? O termo também deriva do latim, ordo, que significa “uma ordem”. Assim, a palavra “ordenança” sugere que o batismo e a Ceia do Senhor foram cerimônias sagradas instituídas pelo mandamento de Cristo. Nosso Senhor ordenou que a Igreja as observasse, não como cerimônias transmissoras de poderes místicos ou salvíficos, mas porque simbolizam o que de fato aconteceu na vida daqueles que aceitaram a obra salvífíca de Jesus Cristo (Mt 3.14,15; Lc 22.19,20).
 1.3. A igreja evangélica crê na ordenança de Jesus. Por isso, nós evangélicos cremos que o batismo e a Ceia do Senhor são cerimônias que não trazem salvação, mas evidenciam a nova vida com Cristo e a nossa comunhão eterna com Ele. Portanto, segundo as Escrituras, o batismo e a Ceia do Senhor são ordenanças de Jesus e não sacramentos. 
 
 AUXÍLIO DIDÁTICO 1 
“ A maioria dos grupos protestantes concordam entre si que Cristo deixou à Igreja duas observâncias — ou ritos — a serem incorporadas no culto cristão: o batismo nas águas e a Ceia do Senhor. (O protestantismo, seguindo os reformadores, tem rejeitado a natureza sacramental de todos os ritos menos os dois originais.) Desde os tempos de Agostinho, muitos têm seguido a opinião de que tanto o batismo quanto a Ceia do Senhor servem como ‘sinal exterior e visível de uma graça interior e espiritual’. O problema não está na prática dos ritos, mas na interpretação do seu significado (por exemplo, o que subentende uma ‘graça interior e espiritual’?). Estes ritos históricos da fé cristã são normalmente chamados sacramentos ou ordenanças. Alguns empregam os termos de modo intercambiável, ao passo que outros defendem que o entendimento correto das diferenças entre os conceitos é importante para a correta aplicação teológica. 
  O termo ‘sacramento’ (que provém de sacramentum, em latim) é mais antigo e aparentemente de uso mais generalizado que o termo ‘ordenança’. No mundo antigo, um sacramentum referia-se originalmente a uma soma em dinheiro depositada num lugar sagrado por duas partes envolvidas num litígio civil. Prounciada a sentença do tribunal, devolvia-se o dinheiro da parte vencedora, enquanto a perdedora tinha de entregar o seu para ‘sacramento’ obrigatório, considerado sagrado porque passava a ser oferecido aos deuses pagãos. No decurso do tempo, o termo ‘sacramento’ passou a ser aplicado também ao juramento de lealdade prestado pelos novos recrutas do exército romano. Já no século II, os cristãos tinham adotado o termo, e começaram a associá-lo ao seu voto de obediência e consagração ao Senhor. A Vulgata Latina (c. de 400 d.C.) emprega o termo sacramentum como tradução da palavra grega mustêrion (‘mistério’), o que veio a acrescentar uma conotação um tanto reticente, misteriosa, às coisas consideradas ‘sagradas’. Realmente, no decurso dos anos, sacramentalistas tenderam, uns mais do que os outros, a ver os sacramentos como rituais que transmitem graça espiritual (frequentemente ‘graça salvífica’) a quem deles participa. 
   O termo ‘ordenança’ também se deriva do latim (ordo – ‘uma fileira’, ‘uma ordem’). Relacionada ao batismo nas águas e à Santa Ceia, a palavra ‘ordenança’ sugere que essas cerimônias sagradas foram instituídas por mandamento, ou ‘ordem’ , de Cristo. Ele ordenou que fossem observadas na Igreja, não porque transmitem algum poder místico ou graça salvífica, mas porque simbolizam o que já aconteceu na vida de quem aceitou a obra salvífica de Cristo” (HORTON, Stanley. (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, pp.568-69).

2. O BATISMO ANUNCIA UMA NOVA VIDA 
   2.1. O que é? A palavra batismo vem do termo grego baptizo que significa “ imergir” e “ mergulhar”, conforme estudamos na lição sobre o batismo com o Espírito Santo. Entretanto, aqui, referimo-nos ao batismo em águas. Uma cerimônia que marca a decisão interior do crente por Jesus, em que a pessoa assume, publicamente, a sua fé em Cristo diante da comunidade de fé e da sociedade. 
   2 .2 .0 propósito do batismo. É a identificação do crente com Cristo. Na mesma perspectiva que Jesus Cristo foi crucificado, morto e ressuscitou para ascender aos céus, o crente declara que também foi crucificado e morto com Cristo e, com Ele, ressuscitou para uma nova vida. Portanto, outrora inimigo de Cristo, o crente, finalmente, se rende a Ele para sempre (Cl 2.12,13). 
    2.3. Por que não batizamos crianças. Ora, se cremos pelas Escrituras que o batismo é uma iniciativa do crente pela sua rendição a Cristo, seria incoerente batizarmos crianças recém-nascidas, já que elas não têm o desenvolvimento cognitivo pleno para declarar a fé por Cristo. Por isso, a maioria das igrejas evangélicas adota o costume bíblico de apresentar as crianças recém-nascidas a Deus diante da igreja local, como Jesus foi apresentado ao Senhor no Templo (Lc 2.22-24). Assim, os pais da criança apresentada são estimulados a fecharem o compromisso de educá-la no Evangelho ao longo da vida. Então, quando a criança atingir a maturidade, solicitará o batismo a fim de proclamar publicamente a sua fé em Cristo. 
 
 AUXÍLIO DIDÁTICO 2 
“A ordenança do batismo nas águas tem feito parte da prática cristã desde o início da Igreja. Era tão íntima da vida da Igreja Primitiva, que F. F. Bruce comenta: ‘A ideia de um cristão não batizado realmente sequer é contemplada no Novo Testamento’. Existiam, na realidade, alguns ritos batismais similares já antes do Cristianismo, inclusive entre algumas religiões pagãs e a comunidade judaica (para os ‘prosélitos – gentios convertidos ao Judaísmo). Antes do ministério público de Jesus, João Batista enfatizava um ‘batismo de arrependimento’ àqueles que desejassem entrar no prometido Reino de Deus. A despeito de algumas semelhanças com esses vários batismos, o significado e propósito do batismo cristão vai além de todos eles. 
  Cristo estabeleceu o modelo para o batismo cristão quando Ele mesmo foi batizado por João, no início de seu ministério público (Mt 3.13-17). Posteriormente, ordenou que seus seguidores saíssem pelo mundo, fazendo discípulos, ‘batizando-os em [gr. eis — ‘para dentro de’] nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo’ (Mt28.19). Cristo, portanto, instituiu a ordenança do batismo, tanto pelo seu exemplo quanto pelo seu mandamento. 
  Um propósito importante do batismo nas águas, para os crentes, é que ele simboliza a identificação com Cristo, os crentes neotestamentários era batizados ‘para dentro’ (gr. e/s) do nome do Senhor Jesus (At 8.16), o que indica que estavam sob o senhorio e autoridade soberanos de Cristo. No batismo, o recém-convertido ‘testifica que estava em Cristo quando Cristo foi condenado pelo pecado, que foi sepultado com Ele e que ressuscitou para a nova vida nEle’. O batismo indica que o crente morreu para o velho modo de viver e entrou na ‘novidade da vida’ mediante a redenção em Cristo. O ato do batismo nas águas não leva a efeito essa identificação com Cristo, ‘mas a pressupõe e a simboliza’. 
  […] Uma questão que tem levado a muitas controvérsias, ,na história do Cristianismo, diz respeito aos candidatos ao batismo. Deve a Igreja batizar os bebês e filhos pequenos dos seus membros, ou somente os que creem, ou seja: os que de modo consciente e racional podem fazer a decisão de aceitar Cristo?
 (…) A maioria dos que sustentam ser o batismo uma ordenança, e não um sacramento, acredita que o batismo deve ser ministrado apenas aos crentes nascidos de novo. E note-se que até mesmo alguns dos teólogos não-evangélicos de maior destaque nos tempos modernos, que geralmente sustentam uma teologia sacramentalista, também têm rejeitado a prática do batismo infantil. O batismo significa uma grande realidade espiritual (a salvação) que tem revolucionado a vida do crente. Mesmo assim, o símbolo em si mesmo não deve ser elevado ao nível daquela realidade superior” (HORTON, Stanley. (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, pp.569,70,71,73). 
 
3. A CEIA DO SENHOR ANUNCIA A COMUNHÃO COM CRISTO 
   3.1. 0 que é? É uma reunião que a Igreja Cristã vem observando desde o tempo do ministério terrestre de Cristo, pois foi o próprio Senhor que a instituiu quando da sua última refeição com os santos apóstolos (Lc 22.14- 23). Onde o pão simboliza o corpo partido de Cristo por nossa causa. Ele doou-se e foi moído por amor de nós! O suco de uva simboliza o sangue derramado de Jesus na Cruz por amor de nós. Assim, a Ceia do Senhor lembra-nos de Jesus Cristo em três perspectivas: passado, presente e futuro. 
    3.2. O Propósito da Ceia do Senhor. A ceia do Senhor tem com o propósito a comunhão com Cristo e também com o seu Corpo, a igreja. Com Cristo, porque nós relembramos a sua morte (passado), a sua ressurreição, isto é, Ele está vivo e habita em nós (presente) e brevemente voltará (futuro), quando então beberá novamente conosco do fruto da vide (Lc 22.18). Quando nos assentam os à “ mesa do Senhor”, não o fazemos sozinhos, pois “comungamos” com os outros que têm em Cristo a mesma esperança nossa. Portanto, na Ceia do Senhor há um propósito de ratificarmos a nossa comunhão com os nossos irmãos em Cristo, esperando uns pelos outros, pois amar a Deus está essencialmente associado ao amor ao nosso próximo (Mc 12.30,31; cf. 1 Co 11.17-22). 
   3.3. Em memória de Cristo. Quando nos reunimos à mesa do Senhor crem os que Cristo Jesus encontra-se espiritualmente conosco nessa reunião de comunhão (Mt 18.20). Entretanto, isso não significa que o pão será transformado literalmente no corpo de Cristo e que o vinho será transformado literalmente no seu sangue. Nesse sentido é que dizemos que os elementos da Ceia do Senhor simbolizam o corpo de Cristo, como figuradamente o nosso Senhor faiou aos seus discípulos (Lc 22.19,20). Ou seja, o pão continua sendo “pão” e o suco de uva continua “suco de uva”. Entretanto, em nós está a lembrança da suficiência do sacrifício de Jesus, a certeza da presença dEle e a esperança de que um dia estaremos para sempre com o Senhor: “ Em memória de mim” — disse Jesus. 
 
AUXÍLIO DIDÁTICO 3
 “A segunda ordenança da Igreja é a Santa Ceia ou Santa Comunhão. Assim como o batismo, esta ordenança tem feito parte do culto cristão desde o ministério terrestre de Cristo, quando Ele próprio insitituiu o rito na refeição da Páscoa, na noite em foi traído. A Ceia do Senhor tem alguns paralelos em outras tradições religiosas (tais como a Páscoa Judaica; outras religiões antigas também se valiam de refeições sacramentais para se identificar com suas deidades), mas ela vai muito além quanto ao seu significado e importância. 
  Seguindo as instruções dadas por Jesus, os cristãos participam da Comunhão em ‘memória’ dEle (Lc 22.19,20; 1 Co 11.24,25). O termo traduzido por ‘lembrança’ (gr. anamnêsis) talvez não signifique exatamente o que o leitor está imaginando. Hoje, lembrar-se de alguma coisa é pensar numa ocasião passada. O modo neotestamentário de entender anamnêsis é exatamente o inverso: significava ‘transportar uma ação enterrada no passado, de tal maneira que não se percam a sua potência e a vitalidade originais, mas sejam trazidas para o momento presente’. Semelhante conceito é refletido até mesmo no Antigo Testamento (cf. Dt 16.3; 1 Rs 17.18). 
  Na Ceia do Senhor, talvez possamos sugerir um tríplice sentido de lembrança: passado, presente e futuro. A Igreja se reúne como um só corpo à mesa do Senhor, relebrando a sua morte. […] A expressão: ‘mesa do Senhor’ sugere estar Ele presente como o verdadeiro anfitrião, aquele que transmite o sentido de terem os crentes, nEle, segurança e paz (SI 23.5). Finalmente, há um sentido futuro neste relembrar, sendo que a comunhão da que o crente agora participa com o Senhor não é o ponto final. Neste sentido, a Ceia do Senhor tem uma dimensão escatológica. Ao participarmos dela, antecipamos a alegria pela sua segunda vinda e pela reunião da Igreja com Ele para toda a eternidade (cf. Mc 14.25; 1 Co 11.26). 
   A comunhão com Cristo também denota comunhão com o seu corpo, a Igreja. O relacionamento vertical entre os crentes e o Senhor é complementado pela comunhão horizontal de uns com os outros. Uma comunhão tão perfeita com os nossos irmãos e irmãs em Cristo exige o rompimento de todas as barreiras (sociais, econômicas, culturais, etc.) e o ajustamento de qualquer detalhe que tenda a destruir a verdadeira união. Somente assim a Igreja poderá genuinamente participar (ou ter koinonia) do corpo (1 Co 10.16,17). Esta verdade é vividamente ressaltada por Paulo, em 1 Coríntios 11.17-34. Uma ênfase importante do apóstolo nessa passagem é o exame que os crentes devem fazer da sua conduta e motivos espirituais antes de participar da Ceia do Senhor — levando em conta sua atitude para com o próprio Senhor e também para com os demais membros do corpo de Cristo” (HORTON, Stanley. (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, pp.574-75).

CONCLUSÃO
Nas primeiras comunidades cristãs não o cogitava a possibilidade de um crente em
Jesus não ser batizado e, por conseguinte, não participar da Ceia do Senhor. A presente
lição mostrou a você as duas ordenanças que Jesus instituiu para a sua Igreja: o batismo
e a Ceia do Senhor. Aprendemos ainda que elas proclamam para o mundo a decisão que
tomamos. Portanto, proclamemos a fé através do batismo e participemos da Ceia do Senhor
para ratificar a nossa comunhão com o nosso Senhor e o seu Corpo, a Igreja.


VERIFIQUE O SEU APRENDIZADO 

1 . 0 que é ordenança e sacramento? 
 Sacramento é o elemento que a Igreja Católica entende como transmissor de graça salvífica para os fiéis. Ordenança significa “ uma ordem” e refere-se as duas cerimônias que foram ordenadas por mandamento de Jesus 
 
2 . Qual a posição da igreja evangelica quanto à ordenança? 
 A igreja evangélica não crê nas duas cerimônias como elementos que traz salvação, mas memórias. Jesus disse: fazei isso em memória de mim! 
 
3. Qual o propósito do batismo? 
 A identificação do crente com Cristo. 
 
4. Por qiue não batizamos crianças? 
 As crianças não têm o desenvolvimento cognitivo pleno para declarar a sua fé por Jesus diante da igreja local. 
 
5 Qual o proposito da Ceia do Senhor? 
A comunhão com Cristo e, também, com o seu Corpo, a Igreja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima